Arquivos de Tag: Eleições 2010

Eleições Digitais 2010

@font-face { font-family: “Times”;}@font-face { font-family: “Cambria”;}p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal { margin: 0cm 0cm 10pt; font-size: 12pt; font-family: “Times New Roman”; }div.Section1 { page: Section1; }

Embora possa correr o risco de cometer injustiças, prefiro soltar aqui minhas impressões sobre o uso e desfrute da internet e das redes sociais nessas eleições 2010, à luz de observações e do resultado dentre os principais candidatos eleitos e os que foram ao segundo turno.

A palavra que me vem à cabeça de forma recorrente é decepcionante. Esse é o adjetivo que se aplica ao todo. Eu esperava que, no primeiro turno, muitos candidatos com chances relevantes usassem as facilidades criadas pela legislação e suportadas pela tecnologia para (a) captar recursos financeiros, (b) mobilizar a militância e (c) usar as redes sociais para disseminar idéias, planos e plataformas, além de propagar as mensagens e interagir com as bases.

A realidade de um ou outro candidato, desta ou daquela região do país pode me desmentir, mas, se essas eleições fossem algo como um ENEM para classificar candidatos aptos a aproveitar o mundo digital para ganhar eleições e fazer boa política, provavelmente sobrariam vagas e as excessões confirmariam a regra.

Em 2006, a referência veio do Rio Grande do Sul, onde a jovem e então desconhecida Manuela D’Ávila elegeu-se deputada federal centrada em uma inteligente campanha feita pelo Orkut. Pois bem, em 2010, Manuela reelegeu-se com folga, quase testando a marca de 500.000 votos.  Até o momento em que escrevo essa coluna não consigo identificar casos semelhantes Brasil afora.

E os/as demais?

Marina Silva fez bonito na votação e na captação de recursos de pessoas físicas pela internet. Terão sido esses os motores principais de seus quase 20 milhões de votos? Pouco provável, mas Marina demonstrou de forma pontual como participar do pleito com apoio da tecnologia digital. Talvez ela não tivesse tantos votos, não fosse uma captação de dinheiro miudo de modo tão pulverizado e uma razoável repercussão de suas mensagens nas redes sociais e que apareceram de forma expressive em algumas medicos de tráfego.

OK, a maioria dos candidatos a cargos eletivos criou ou deu um upgrade no Twitter, tentou animar comunidades no Orkut e no Facebook, postou videos no YouTube, mas poucos, muito poucos mesmo, conseguiram estar entre os mais populares.

Tirando as postagens dos comerciais do Tiririca, talvez mais divulgados pelo inusitado do candidato e da facilidade de distribuição na web, eu não consigo fazer uma associação direta entre candidatos bem votados e uma inteligente estratégia digital de campanha.

Ah! Ia esquecendo dos chatos que entupiram caixas postais de entrada ou de spam com e-mails que replicavam os santinhos de papel e as mensagens forjadas de difamações a candidatos com alguma liderança nas pesquisas. Mas essa comunicação via e-mail eu desconsidero, por ineficaz e antiga

Já o segundo turno da campanha presidencial começou quente com a polêmica levantada sobre o aborto, gerando tráfego relevante em todas as redes sociais e quase sempre originada por não militantes partidários e muito menos dos comitês de campanhas, e isso pode ser um indicativo de rumo para o  futuro, com estratégias pautadas pelas características  específicas das autoestradas do mundo digital

Com o desenrolar do pós-campanha, com certeza surgir novos casos de sucesso. Mas não nos esqueçamos das disputas havidas entre os comitês das campanhas mais abonadas para conquistar –a peso de ouro- o concurso de colaboradores ou consultores que trabalharam nas eleições americanas de 2008, eu esperava mais. E o que vimos ficou muito longe do que deles se esperava.

Especialmente em se tratando do Brasil que sempre inova nessa area de tecnologia digital.

Qual o motivo? Vou arriscar um palpite: os marqueteiros tradicionais conseguiram impor mais do mesmo, aproveitando-se das regras do jogo, que passam pelo tal do horário eleitoral gratuito.

Eu esperava um pouco mais de presença das mídias digitais nas eleições 2010, em função do que vem ocorrendo no mundo inteiro e da quantidade de brasileiros conectados regularmente a internet, hoje já a maioria da população

Pode ser -ou é- assim que se elegem nossos representantes, com estratégias calcadas nessa legislação antiga e nas realidades do século XX.

Será melhor assim? Pode até ser, mas eu achei muito chato.

Anúncios

Urnas Eletrônicas e Fraudes

Sou um ardoroso defensor do modelo brasileiro de urnas eletrônicas e, por vezes, tenho o blog atacado por cassandras do caos que buscam chifres em cabeças nunca dantes corneadas.

Mas o tema de fraudes em urnas eletrônicas ressurge que nem surto de gripe e dengue, e, sintomaticamente isso ocorre após a apuração dos votos e sempre pela boca de candidatos derrotados ou de suas marionetes.

Pois bem, apenas para registro: hoje, 2/10/2010, essas vozes estão caladas, embora todo o processo de preparação das urnas tenha podido ser auditado por todos os partidos. Ou seja, usando o velho ditado do “quem cala consente”, tudo de estar OK.

Será que a partir de amanhã alguns dos que não conseguirem emplacar um mandato vão voltar com a velha e surrada cantilena?

A conferir…

Urnas Eletrônicas e Fraudes

Sou um ardoroso defensor do modelo brasileiro de urnas eletrônicas e, por vezes, tenho o blog atacado por cassandras do caos que buscam chifres em cabeças nunca dantes corneadas.

Mas o tema de fraudes em urnas eletrônicas ressurge que nem surto de gripe e dengue, e, sintomaticamente isso ocorre após a apuração dos votos e sempre pela boca de candidatos derrotados ou de suas marionetes.

Pois bem, apenas para registro: hoje, 2/10/2010, essas vozes estão caladas, embora todo o processo de preparação das urnas tenha podido ser auditado por todos os partidos. Ou seja, usando o velho ditado do “quem cala consente”, tudo de estar OK.

Será que a partir de amanhã alguns dos que não conseguirem emplacar um mandato vão voltar com a velha e surrada cantilena?

A conferir…

Debate dos Presidenciáveis na Internet: Um Marco Importante

Quem viu deve concordar comigo, independente de opções a candidatos: o debate de ontem promovido pelo UOL e pela Folha de São Paulo foi diferente dessa pasteurização que ocorre na TV. Viva a internet! 

Só isso?

A “audiência” somou respeitáveis 1.417.610 acessos em 127 países, e o formato do debate permitiu perguntas francas e objetivas em vídeo de eleitores de todo o Brasil.  Durante o debate, estiveram por cima dos Trending Topics do Twitter e dos comentários do Facebook temas correlatos, comentários em tempo real de milhões de internautas.

Fica patente o poder da internet de provocar, comunicar e formar opinião. Imagino que os efeitos desse debate refletirão, de algum modo, nas intenções de voto.

Como se fora em um gigantesco auditório, a participação dos internautas foi incrível, bateu recordes de audiência e a repercussão entre os políticos e a mídia tradicional foi forte e imediata.

Ou seja, não podemos mais ter eleições sem um bom debate, e a internet é o caminho. Devemos ter desdobramentos, seja pela realização de outros debates, seja pela ausência de concorrentes melhor colocados nas pesquisas para evitar exposição, o que pode ser um tiro no pé.

Vitória da tecnologia digital? Em parte, por conta da interatividade das mídias envolvidas. Mas cabe destacar ainda a competência com que o debate foi organizado. E…

Faltou o principal: a ausência do gesso artificial da lei das concessões e da lei eleitoral. Tecnicamente, nada impede que as emissoras de TV promovam debates em formatos semelhantes, mas existem obstáculos na lei das concessões que inibem as emissoras de TV e porteiras abertas na lei eleitoral que estimulam esse formato para a internet.

Ponto para a tecnologia, ponto para a democracia, muitos pontos para UOL/Folha que saiu à frente! E ponto também para os três candidatos que mostraram saber se comportar em um formato aberto à exposição de idéias e ao debate franco. Ganhamos nós, cidadãos e eleitores.

Se você não viu o debate, veja agora. Vale a pena. Os historiadores do futuro vão lembrar esse debate como o inovador do processo eleitoral.

As Redes Sociais ajudarão candidatos desconhecidos nas eleições de outubro?

As apostas dos candidatos a cargos majoritários nas eleições de outubro apontam para um apoio da comunicação viral das redes sociais. Embora até agora não tenhamos observado nenhum destaque, é provável que após o início do horário eleitoral gratuito, a 45 dias de 3 de outubro, os melhor estruturados no mundo virtual possam criar um diferencial importante.


Mas e os candidatos a eleições proporcionais para deputados federais e estaduais?

Em 2006, tivemos a deputada federal Manuela D’Ávila eleita pelo PCdoB no Rio Grande do Sul com uma estratégia fortemente apoiada no Orkut. Em 2010, muita gente está com perfís não só no Orkut, mas também no Facebook, no MySpace, no Twitter e outras tantas redes sociais.

O provável então é que agora a presença nas redes sociais seja quase que uma condição básica para angariar votos, e que a forma de garimpá-los nessas searas é que poderá criar um diferencial.

Exceção feita aos candidatos muito conhecidos da TV ou os que são absolutos em seus grotões eleitorais em regiões mais pobres do país, é bom lembrar que, para deputado, não basta fazer muitos votos: é preciso também estar bem colocado no ranking da coligação para chegar entre os eleitos, e aí uma diferença de poucos votos pode significar a diferença entre a diplomação e a frustração.

Eu aposto que este ano teremos mais candidatos eleitos que usaram de forma inteligente as redes sociais para mostrar suas propostas.

E você, caro eleitor digital, já procurou se informar, dentre seus contatos nas redes sociais, quais as propostas dos candidatos de seu Estado?

Twitter e as Eleições: Regras para não cair no vazio

Em postagem anterior, coloquei minhas dúvidas sobre se e como o Twitter seria eficaz na campanha de 2010, visto que, por enquanto, os potenciais candidatos apenas estão em fase de aquecimento.  Então, vamos lá!

Se você é candidato, ou pretende ajudar algum candidato ou algum partido, dá para seguir os dez conselhos abaixo. Mas, sobretudo, nunca improvise.

  1. Coloque o Currículo do candidato em 140 caracteres, descontados os do link para o site onde estará mais detalhado. Mas essas cento e pouca letras precisam ser boladas com maestria, para não cair no lugar comum.  Essa tuitada deve ser repetida até pegar, mas cuidado para não ser chato e cansativo
  2. Coloque um link especial para as realizações, especialmente se o candidato já ocupou cargo similar.  Aqui a chamada também é importante
  3. Justifique suas alianças em tuitadas regulares, esperando receber apoios e críticas. Entenda que, se nada ocorrer, sua mensagem está vazia, mesmo com milhares de seguidores
  4. Coloque os tópicos de seus compromissos de campanha. Registre-os, se você acha relevante, mas o que for postado na internet fica registrado pelo Google, no mínimo, de forma precisa. Verifique a coerIencia com o que está no programa de seu partido ou coalizão
  5. Busque seguidores específicos que possam propagar cada tópico relevante de sua campanha e também gerar novos seguidores
  6. Crie perfís em redes sociais como Orkut e Facebook, ligados a seu perfil do Twitter para amplificar debate e colaborações.  Mantenha-os sempre vivos e atualizados
  7. Procure achar uma forma de catalizar doações de campanha pela internet, dentro da lei.  Mesmo que elas não sejam expressivas, isso ajuda a ter mais transparência e estimula a criação de uma cultura sadia de participação do eleitor nas doações de campanha
  8. O portal de sua campanha deve ser o repositório de todas as informações necessárias, e deve estar muito bem conectado com o Twitter. As tuitadas podem e devem ser, na maioria, geradas automaticamente pela atualização de conteúdo do portal.
  9. Não deixe de usar o Twitter, mas, mesmo que seja muito bem usado, não espere que ele seja a tábua de salvação.  Provavelmente quem não usar estará no prejuizo, ou seja, usar é quase que uma obrigação.  Assim, use-o bem, com apoio profissional
  10. Comece a trabalhar em sua estratégia do Twitter desde já, mesmo antes das convenções. Tem muito espaço para fazer coisas boas. O que está por aí é fraco…

Twitter e as Eleições: Regras para não cair no vazio

Em postagem anterior, coloquei minhas dúvidas sobre se e como o Twitter seria eficaz na campanha de 2010, visto que, por enquanto, os potenciais candidatos apenas estão em fase de aquecimento.  Então, vamos lá!

Se você é candidato, ou pretende ajudar algum candidato ou algum partido, dá para seguir os dez conselhos abaixo. Mas, sobretudo, nunca improvise.

  1. Coloque o Currículo do candidato em 140 caracteres, descontados os do link para o site onde estará mais detalhado. Mas essas cento e pouca letras precisam ser boladas com maestria, para não cair no lugar comum.  Essa tuitada deve ser repetida até pegar, mas cuidado para não ser chato e cansativo
  2. Coloque um link especial para as realizações, especialmente se o candidato já ocupou cargo similar.  Aqui a chamada também é importante
  3. Justifique suas alianças em tuitadas regulares, esperando receber apoios e críticas. Entenda que, se nada ocorrer, sua mensagem está vazia, mesmo com milhares de seguidores
  4. Coloque os tópicos de seus compromissos de campanha. Registre-os, se você acha relevante, mas o que for postado na internet fica registrado pelo Google, no mínimo, de forma precisa. Verifique a coerIencia com o que está no programa de seu partido ou coalizão
  5. Busque seguidores específicos que possam propagar cada tópico relevante de sua campanha e também gerar novos seguidores
  6. Crie perfís em redes sociais como Orkut e Facebook, ligados a seu perfil do Twitter para amplificar debate e colaborações.  Mantenha-os sempre vivos e atualizados
  7. Procure achar uma forma de catalizar doações de campanha pela internet, dentro da lei.  Mesmo que elas não sejam expressivas, isso ajuda a ter mais transparência e estimula a criação de uma cultura sadia de participação do eleitor nas doações de campanha
  8. O portal de sua campanha deve ser o repositório de todas as informações necessárias, e deve estar muito bem conectado com o Twitter. As tuitadas podem e devem ser, na maioria, geradas automaticamente pela atualização de conteúdo do portal.
  9. Não deixe de usar o Twitter, mas, mesmo que seja muito bem usado, não espere que ele seja a tábua de salvação.  Provavelmente quem não usar estará no prejuizo, ou seja, usar é quase que uma obrigação.  Assim, use-o bem, com apoio profissional
  10. Comece a trabalhar em sua estratégia do Twitter desde já, mesmo antes das convenções. Tem muito espaço para fazer coisas boas. O que está por aí é fraco…

Twitter: Fatos, Mitos e Comentários

Com cerca de 70 milhões de usuários, o microblog Twitter virou a mais recente febre entre os internautas. Os brasileiros, tradicionais marcadores de território na internet e nas redes sociais, respondem por quase 20% desse total, enquanto representam menos de 2% de todos os usuários globais da rede.


Então, o Twitter chegou para acabar com os blogs, os portais, as ferramentas de mensagens instantâneas e com os veículos tradicionais de comunicação? E como estamos usando o Twitter aqui em nossas plagas? O Twitter fará a diferença como ferramenta de comunicação nas eleições de outubro no Brasil?

Fatos:

  • O brasileiro fica mais tempo na internet, e adora as redes sociais.  Empresas, organizações sociais e indivíduos que descobriram isso estão se dando bem;
  • O Twitter é apenas mais uma ferramenta de comunicação on-line, não o aplicativo matador que alguns imaginam um dia venha a existir para substituir todos os demais;
  • O Twitter é pouco entendido pelos políticos locais, que acham que com modos convencionais (ao menos os das convenções da terrinha) podem replicar o fenômeno de comunicação e de campanha de Barack Obama em 2008;
  • O Twitter mostra ser poderoso se usado com foco e parcimônia, para atingir objetivos eficazes;
  • O Twitter sozinho, assim como a andorinha, não faz verão. Nem qualquer outra estação do ano
  • Eis os números comparativos de seguidores (followers) de Obama e dos principais postulantes ao governo do Paraná mais o atual governador, provável candidato ao Senado (na hora da presente postagem):

Mitos:

  • Quanto maior a quantidade de postagens no Twitter, maior a chance de sucesso
  • Quanto maior o número de seguidores, mais popular é o perfil
  • Obama é Obama, aqui a realidade é outra

Comentários:

Nos dias de hoje, é praticamente impossível imaginar uma estratégia bem sucedida de uma campanha, seja ela corporativa, institucional, política, eleitoral ou mesmo individual que não tenha o Twitter como uma variável ao menos considerada

Também fica óbvio que micro mensagens repetitivas, do tipo dizendo que vai formir ou almoçar, e as de agressão ou auto elogio tendem a restringir os seguidores aos que já percebem algum valor na figura do tuiteiro.

A grande vantagem do Twitter parece ser a capacidade de chegar, de forma direta e rápida, a uma audiência que vai receber as mensagens em tempo real, inclusive em seus celulares.

A mesma fecilidade de fazer chegar uma mensagem a milhares (ou milhões…) de seguidores faz com que o receptor, ao perceber conteúdo repetitivo, inverídico ou raivoso se afaste, bloqueando ou eliminando o tuiteiro inconveniente

O Twitter é uma ferramenta extremamente poderosa se usada em conjunto com as demais disponíveis, inclusive as tradicionais.

Por enquanto, estou muito cético com relação ao que verifico no perfil dos nossos políticos que vão correr o trecho em outubro, a cata de um cargo eletivo majoritário.  Nada que não possa mudar, seja o que os ditos estejam propondo ou demonstrando em suas mensagens, seja minha opinião.

O case eleitoral de Barack Obama e o uso das redes sociais, especialmente o Twitter e o Facebook já virou até livro e teses acadêmicas importantes.  Embora a nossa realidade seja diferente, assim como a legislação eleitoral, vale refletir. Para que os candidatos não se frustrem e não afastem os eleitores.

O que vai funcionar são as tuitadas com links para propostas de campanha, endereços de comitês, acesso a agendas de eventos e contatos de responsáveis por campanha. Vai funcionar também quem tiver coragem de abrir as contas à população, chamando pelo Twitter para o acesso aos números.

OK, mas a campanha não está nas ruas, ao menos oficialmente… Então talvez a melhor estratégia inicial fosse o silêncio, ao menos para poupar o tempo de quem tuita e de quem recebe.  Mas nada impede que hajam propostas, conceitos lançados para discussão, independente de candidaturas.

Que tal começar?

%d blogueiros gostam disto: