Arquivos de Tag: Internet Explorer

“Dia Zero” é um problema no Internet Explorer

Se você usa o Internet Explorer como browser principal, você pode estar sujeito ao virus Dia Zero, que simplesmente abre suas credenciais de uso do seu computador e permite que um hacker assuma sua identidade, com todos os seus dados abertos.

Embora esse virus venha atacando há meses, e seja conhecido da comunidade técnica, o alerta publicado pela Microsoft não deixa dúvidas: embora existam opções de configuração que minimizem a possibilidade de um ataque, ela ainda persiste, até que seja lançada uma correção para o IE, ou patch, como é chamado em informatiquês. E isso ainda não ocorreu, segundo a PC Magazine.

Lembrando que todos os computadores com sistema operacional Windows possuem o Internet Explorer como browser padrão e pré-instalado, a possibilidade de danos é grande, ainda mais para os usuários que possuem a credencial de administrador da conta. Traduzindo: se você comprou um computador com Windows, para seu uso pessoal, você deve ser o administrador da máquina, podendo alterar senhas, bloquear acessos e configurar privilégios de uso, embora você talvez nem saiba disso.

É bom ter um browser alternativo instalado, como o Firefox ou o Chrome, ao menos enquanto não sai a atualização de segurança da Microsoft. Você deve mudar, também, suas senhas internas e, principalmente, as de administrador de seu computador. Não deixe para depois!

Enquanto isso, verifique se não há movimentação suspeita em suas contas bancárias, suas mensagens de email, suas intervenções em redes sociais e até mesmo para uso adicional de licenças de aplicativos como o Office.

O Internet Explorer ainda é bastante utilizado e, por isso mesmo, é muito visado por hackers do mal. Eu, particularmente, evito ao máximo o uso do IE, salvo se o site que visito requeira esse browser, o que, hoje em dia, é raro.

Por fim, se você ainda usa o Windows Xp, chegou a hora da despedida. A Microsoft não incluirá o veterano Xp nessa nova atualização para conter o Dia Zero. A ordem é mudar, de uma vez por todas!

Anúncios

O browser e a liderança de mercado

Revelador o estudo da Shareaholic sobre os browsers. Lá está claro o crescimento do Chrome entre os navegadores, colocando-o na liderança indiscutível no mundo, com 34,68% seguido à distância pelo Firefox com 16,6%,  o Safari, com 16,15%, e o Internet Explorer, com 15,62%. O Chrome, do Google bate o Firefox e o Safari somados. Ou o Firefox mais o Internet Explorer, esses dois que lideraram o mercado, nas últimas 3 décadas.

É claro que o uso do Chrome foi turbinado pelo sucesso do sistema operacional Android, e o Safari pelo iOS.

Esse estudo detalha números, mas quero refletir sobre conceitos: Navegar na internet é possível por causa dos browsers, e todos os www. mundo afora precisam ser desenhados tendo em vista, no mínimo, os browsers mais populares. Foram eles que iniciaram a moda de programas grátis, pois são canais de tráfego de dados e acabam ancorados em grandes marcas ou grandes conceitos.

Não por acaso, Android é Google, Safari é Apple e Internet Explorer é Microsoft. Firefox corre por fora, com arquitetura aberta, assim como o Chrome, mas suportada pela Fundação Mozilla, que não visa lucro. Daí sua falta de empuxo para seguir crescendo.

Nesses últimos dias, tive três experiências que me lembraram que o browser existe e tem marca, e não é algo tão natural quanto respirar.

Começou quando fiz o upgrade do Safari para 64 bits. No mesmo momento, o internet banking parou de funcionar.

Em outro banco, eu precisava de um link para uma transação e não o encontrava; chamei o suporte online e a atendente me informou que esse link só apareceria no Internet Explorer, que meu dispositivo móvel não suportava. Ou seja, eu e os outros 84% dos que não têm o IE no seu aparelho digital não poderiam fazer certas transações online com esse grande banco.

Finalmente, migrei para o OSX Mavericks, por curiosidade e dever de ofício. Num primeiro momento, chamou a atenção a melhoria de performance do Safari, o browser nativo da Apple. Também ficou evidente a piora do Chrome. Caso pensado da Apple contra o Google ou uma forma de mostrar uma plataforma mais integrada?

Dois dias depois, o Chrome voltou a funcionar legal. Mesmo em máquinas com Windows, eu sigo usando o Chrome. E faz tempo que não uso o Firefox.

Sem me dar conta, faço parte daquela legião que adensa a liderança do Google, quando o assunto é o browser. Será que liderança nos browsers tem a ver com liderança de mercado e valor de marca?

Faça uma pesquisa no Google…

Adobe X Apple e a caçapa cantada

Era uma questão de tempo: Nesta terça, 8/11, a Adobe anunciou uma reestruturação da companhia para focar-se em duas áreas de crescimento explosivo, mídias digitais e marketing digital. O que não fica muito claro na nota é a razão da demissão de 750 colaboradores de uma pancada só. Mas o motivo é um só: O Adobe Flash, ainda hoje dominante nas exibições de imagens e vídeos na internet, prepara seu passaporte para o museu.

Na versão para a imprensa, a Adobe diz que não fará mais evoluções do Flash para browsers de smartphones e tablets, justamente os segmentos de mercado que mais crescem, ao contrário dos desktops (queda acentuada), notebooks (em desaceleração) e netbooks (alguém viu algum novo modelo por aí?)

Quando o iPhone foi lançado em 2007, uma das principais críticas era exatamente essa, que o Safari não conseguia exibir videos criados em Flash. A Adobe e muitos rivais da Apple diziam ser essa uma estratégia suicida da turma da maçã; Steve Jobs batia firme dizendo que o Flash era proprietário e, ainda mais, suscetível a hackers e crackers, portanto não seguro. Para arrematar, o Flash seria um ogre no consumo de bateria, coisa ruim em dispositivos que se propõem a ser móveis e necessitarem um mínimo de conexão com a tomada de energia.

Mas eu via evidências de que a estratégia da Apple estava correta. O sucesso de seus produtos fez com que os portais e sites corporativos migrassem seus videos usando o HTML5, definitivamente o novo padrão.

Mas havia uma barreira: a Microsoft e sua dominância tanto em sistemas operacionais (Windows) e browsers (Internet Explorer) ainda aceitavam o Flash. Não mais: o IE 10 vem sem suporte para Flash, o que fará que, com o tempo, haja uma migração ainda mais forte para longe da ferramenta da Adobe.

Para o usuário comum, como a imensa maioria de nós, pouco mudará: continuaremos a acessar vídeos pela internet, e a vida segue normal.

Para os desenvolvedores que ganhavam seu dinheirinho usando soluções com a plataforma –paga– da Adobe, um mico que será resolvido reciclando suas estratégias de negócios, coisa que já vem ocorrendo de modo bem perceptível.

A Adobe deve seguir com seus planos anunciados dia 8, e ainda vai ter um carro chefe que lhe dá muita receita e muita margem: O Photoshop, aquele software de edição de imagens que tira defeitos de captura ou de origem das imagens e que 11 em cada 10 capas da Playboy são tratadas pelo programa.

Mas a forma de cobrança para o uso de licenças, tanto do Photoshop quanto de qualquer outro programa, está também se transformando, e para valer.

A falta de percepção da Adobe desse novo mundo da segunda década deste milênio pode explicar a queda do Flash. Mas isso é tema de uma próxima postagem…

Ataques para roubar informações importantes de seu computador: previna-se!

A Microsoft enviou a jornalistas um aviso, que transcrevo abaixo, sobre as tentativas de hackers visando o roubo de informações contidas em computadores e assumir controle de sua operação.  Não que essas ondas sejam novidade, mas alerta para a necessidade de manter o browser atualizado em sua última versão, assim como os programas de proteção.
Como a imensa maioria dos computadores usam Windows como sistema operacional e o Internet Explorer como browser, um dos preços desse sucesso é que essa plataforma é sempre a mais visada.  Daí a importância do aviso, pois esse tipo de coisa pode afetar a segurança de dados que são muito importantes para você.

O aviso da Microsoft é centrado na versão 6 do IE, enquanto que hoje a versão 8 já está no mercado há tempos e perfeitamente estável e consolidada.  Não é de estranhar que as empresas sejam mais visadas, pois ali existe um atacado de valor a ser buscado por esses piratas e também porque o mundo corporativo faz migrações de versões de software muito mais lentamente que os indivíduos, pela necessidade de atender a uma política corporativa de evolução, que nem sempre tem como foco a parte de segurança de dados, mas sim a integridade do conjunto de aplicativos que estão em operação.
Mas e se você não usa nem Windows nem Internet Explorer, pode dar risada?  Claro que não! Todas as plataformas relevantes no mercado são visadas, talvez não com tanta prioridade ou intensidade. Mantenha igualmente seu browser atualizado e os programas de proteção idem.


Segue a nota da Microsoft:
===========
Nos últimos dias, a Microsoft confirmou a ocorrência de uma série de tentativas de roubo de informações online e controle não-autorizado de computadores, em sua maioria, contra empresas que utilizam a versão do Internet Explorer 6. Trata-se da versão do browser lançada há 10 anos que não está preparada para o tipo de ameaça que existe hoje.
Sabemos que nenhum browser atualmente é 100% seguro, pois os ataques a navegadores são constantemente renovados e aprimorados. Por isso, a Microsoft recomenda que todos os clientes migrem as versões utilizadas para a última versão do browser, o Internet Explorer 8, sendo esta a forma mais efetiva de evitar esse tipo de problema. Os casos de falha constatados nesta última semana não foram identificados no Internet Explorer 8. Para identificar qual a versão que utilizam, os clientes podem abrir a página inicial do browser e consultar a opção “Sobre o Internet Explorer”, clicando sobre o botão “Ajuda” no Menu.
Usuários podem fazer o download do Internet Explorer 8 gratuitamente aqui.
O Internet Explorer 8 é hoje o browser mais seguro do mercado, título comprovado em recente estudo do laboratório independente americano NSS Labs (http://nsslabs.com/browser-security), que apontou o browser da Microsoft como o que mais protege o usuário contra ataques de malware e phishing. O navegador é também o mais preparado para o ambiente corporativo devido a questões com políticas de grupo, segurança e suporte. Além disso, o Internet Explorer é o único navegador com certificado do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI). O acordo realizado em novembro do ano passado beneficia todos os usuários da plataforma Windows e Internet Explorer no acesso a recursos e sites seguros da Internet. Com a migração para o IE8, antigos usuários do IE6 e IE7 terão acesso a benefícios diferenciados como Webslices, Aceleradores e Busca Visual, além das vantagens de segurança e privacidade.
Ainda que, na América Latina, não haja ocorrências como os incidentes reportados anteontem (17/01), como um cuidado adicional, a Microsoft recomenda aos internautas que já utilizam o IE8 que definam como padrão o Nível Máximo de Segurança do browser, selecionando a opção “Ferramentas / Opções” do menu “Internet / Segurança”.  Estas precauções contribuem para uma proteção efetiva contra as vulnerabilidades de segurança noticiadas em 17/01 no boletim de segurança em inglês, “Security Advisory 979352”, ou citadas como “Cyber-ataque Chinês” e “Google attack”.
Em paralelo, a Microsoft está desenvolvendo uma atualização de segurança que proteja todas as versões do Internet Explorer, desde a versão 6 do browser. A empresa recomenda a todos os clientes que tiverem algum indício ou considerarem que sofreram um ataque, que entrem em contato com o centro de atendimento ao cliente, via http://support.microsoft.com/contactus.       
 
A Microsoft está à disposição para prestar outros esclarecimentos sobre a questão. Mais informações estão disponíveis no http://www.microsoft.com/security/
Ferramenta de Remoção de Malware

Ataques para roubar informações importantes de seu computador: previna-se!

A Microsoft enviou a jornalistas um aviso, que transcrevo abaixo, sobre as tentativas de hackers visando o roubo de informações contidas em computadores e assumir controle de sua operação.  Não que essas ondas sejam novidade, mas alerta para a necessidade de manter o browser atualizado em sua última versão, assim como os programas de proteção.
Como a imensa maioria dos computadores usam Windows como sistema operacional e o Internet Explorer como browser, um dos preços desse sucesso é que essa plataforma é sempre a mais visada.  Daí a importância do aviso, pois esse tipo de coisa pode afetar a segurança de dados que são muito importantes para você.

O aviso da Microsoft é centrado na versão 6 do IE, enquanto que hoje a versão 8 já está no mercado há tempos e perfeitamente estável e consolidada.  Não é de estranhar que as empresas sejam mais visadas, pois ali existe um atacado de valor a ser buscado por esses piratas e também porque o mundo corporativo faz migrações de versões de software muito mais lentamente que os indivíduos, pela necessidade de atender a uma política corporativa de evolução, que nem sempre tem como foco a parte de segurança de dados, mas sim a integridade do conjunto de aplicativos que estão em operação.
Mas e se você não usa nem Windows nem Internet Explorer, pode dar risada?  Claro que não! Todas as plataformas relevantes no mercado são visadas, talvez não com tanta prioridade ou intensidade. Mantenha igualmente seu browser atualizado e os programas de proteção idem.


Segue a nota da Microsoft:
===========
Nos últimos dias, a Microsoft confirmou a ocorrência de uma série de tentativas de roubo de informações online e controle não-autorizado de computadores, em sua maioria, contra empresas que utilizam a versão do Internet Explorer 6. Trata-se da versão do browser lançada há 10 anos que não está preparada para o tipo de ameaça que existe hoje.
Sabemos que nenhum browser atualmente é 100% seguro, pois os ataques a navegadores são constantemente renovados e aprimorados. Por isso, a Microsoft recomenda que todos os clientes migrem as versões utilizadas para a última versão do browser, o Internet Explorer 8, sendo esta a forma mais efetiva de evitar esse tipo de problema. Os casos de falha constatados nesta última semana não foram identificados no Internet Explorer 8. Para identificar qual a versão que utilizam, os clientes podem abrir a página inicial do browser e consultar a opção “Sobre o Internet Explorer”, clicando sobre o botão “Ajuda” no Menu.
Usuários podem fazer o download do Internet Explorer 8 gratuitamente aqui.
O Internet Explorer 8 é hoje o browser mais seguro do mercado, título comprovado em recente estudo do laboratório independente americano NSS Labs (http://nsslabs.com/browser-security), que apontou o browser da Microsoft como o que mais protege o usuário contra ataques de malware e phishing. O navegador é também o mais preparado para o ambiente corporativo devido a questões com políticas de grupo, segurança e suporte. Além disso, o Internet Explorer é o único navegador com certificado do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI). O acordo realizado em novembro do ano passado beneficia todos os usuários da plataforma Windows e Internet Explorer no acesso a recursos e sites seguros da Internet. Com a migração para o IE8, antigos usuários do IE6 e IE7 terão acesso a benefícios diferenciados como Webslices, Aceleradores e Busca Visual, além das vantagens de segurança e privacidade.
Ainda que, na América Latina, não haja ocorrências como os incidentes reportados anteontem (17/01), como um cuidado adicional, a Microsoft recomenda aos internautas que já utilizam o IE8 que definam como padrão o Nível Máximo de Segurança do browser, selecionando a opção “Ferramentas / Opções” do menu “Internet / Segurança”.  Estas precauções contribuem para uma proteção efetiva contra as vulnerabilidades de segurança noticiadas em 17/01 no boletim de segurança em inglês, “Security Advisory 979352”, ou citadas como “Cyber-ataque Chinês” e “Google attack”.
Em paralelo, a Microsoft está desenvolvendo uma atualização de segurança que proteja todas as versões do Internet Explorer, desde a versão 6 do browser. A empresa recomenda a todos os clientes que tiverem algum indício ou considerarem que sofreram um ataque, que entrem em contato com o centro de atendimento ao cliente, via http://support.microsoft.com/contactus.       
 
A Microsoft está à disposição para prestar outros esclarecimentos sobre a questão. Mais informações estão disponíveis no http://www.microsoft.com/security/
Ferramenta de Remoção de Malware

A Geração Digital 2.0 está aí: como conviver com as diferenças?

A nova geração nascida após 1995 já dá o ar de sua graça no mercado de consumo e, logo, logo, estará disputando o mercado de trabalho. Vamos convencionar chamá-la, para efeito de raciocínio, de “Geração Digital 2.0“, por terem nascido após a disponibilização da internet em escala global. É que a diferença de percepção desses jovens em relação a todos os seres humanos anteriores, que, por contraposição, seriam os das “Gerações Analógicas” é tão grande que gerou dificuldades de ajustar produtos e serviços a essa turma e, ao mesmo tempo, fazer os “analógicos” -ainda hoje a maioria- migrarem para a nova realidade.

Como criar produtos e serviços que sejam igualmente aceitos, em um extremo, por quem já viveu a era dos telefones de disco, dos discos de vinil, da enciclopédia Barsa, dos televisores de antena interna com BomBril e sem controle remoto e, no outro, por quem, desde sempre, o celular é um acessório pessoal e obrigatório, a música vem e vai pela internet, o verbete está na Wikipedia, o clipe da TV está mais no YouTube do que em qualquer outro lugar?

Aqui, dois problemas: (a) a turma do marketing vem andando devagar demais tanto para fazer a turma antiga perceber essa nova realidade quanto criar linguagem própria para os seres digitais e (b) talvez porque embora o market share desses dois grupos esteja rapidamente se invertendo, pode ser que ainda exista muita grana e conforto no modo antigo de comunicar.

Poucos se deram conta que a intuitividade das novas interfaces como a tela sensível ao toque e as onipresentes webcams nos dispositivos indicam claramente a perda da relevância do teclado e do mouse, ícones da revolução digital, digamos… 1.0. Os bem mais jovens, nascidos a partir de 2005 vão achar essa forma tão popular de “teclar” algo no mínimo incômodo, talvez como se hoje fôssemos obrigados a usar uma velha Remington para escrever e postar textos.

Então fica realmente muito difícil produzir estímulos adequados a todo o tipo de indivíduo, até porque hoje existem muitos canais e mídias diferentes e diferenciados.

Mas a principal reflexão que quero deixar aqui hoje é dirigido a quem convive com crianças bem pequenas a quem é dada a oportunidade de interagir, sem explicação prévia, com uma interface com tela sensível ao toque. Dá para ver que eles, de forma natural, aceitam essa forma de interação e seguem adiante. Não é preciso explicar nada, salvo, talvez, quando eles começarem a se expressar pelo verbo, que “naquele tempo” não existiam iPods, celulares, internet e coisas do gênero.

Assim como há uma década atrás era difícil mostrar à criança por que um disco de vinil não era um “CDzão preto“, talvez daqui a alguns anos seja impossível explicar aos jovens da geração digital 2.0 o que é um CD.

Internet Explorer 8 com Windows Vista? Problemas à vista…

Você tem um computador com o Windows Vista? Então deve pertencer à legião dos descontentes com sua performance, sua instabilidade e sua aversão a programas de terceiros. Aqui, por “sua” eu quero dizer do Windows Vista. Você já sua o bastante…

Agora, se você soube que o Internet Explorer na sua versão 8 está mais rápido e melhor e quer baixá-la na versão recém-liberada pela Microsoft, meu conselho é: ESQUEÇA! Você já tem dores de cabeça suficientes.

Até que no bom e velho Windows Xp o IE 8 manda bem. Está bem mais rápido, trava muito menos que a versão 7. Parece ser um concorrente sério ao Firefox 3 e aos menos cotados Safari e Chrome. E você não pode dispensar o IE se tem o Windows, até porque alguns sites que você vai acabar tendo que usar não são plenamente compatíveis com outros browsers.

Com o Xp, o maior incômodo que achei até agora foi que ele desconfigurou minha página do GMail, com o ‘skin’ que decidi usar. Nada sério…

Interessante que, para usuários do Xp a atualização para o IE8 aparece como recomendada pelo Windows Update, enquanto que, para os usuários Vista, é preciso uma busca no site da Microsoft. Eu fiz isso com um computtdor que tenho em casa e me dei mal. O acesso à internet simplesmente desapareceu mesmo com a conexão normal, e a solução encontrada foi fazer uma restauração do sistema para uma data anterior à atualização para o IE8.

Essa mudança é trivial para os iniciiados, mas, como dizem os americanos, um “pain in the ass” para o comum dos mortais.

Assim, fica minha recomendação: Se você tem um computador com Windows Vista, esqueça o IE8, ao menos até que a Microsoft arrume os bugs. Tenha ao menos o Firefox 3 instalado e use-o como alternativa ou mesmo como seu browser padrão. E fique, ao menos por enquanto, no IE7!

%d blogueiros gostam disto: