Arquivos de Tag: BluRay

Faça backup: ou Murphy te pega!

Ao longo do tempo, você acaba colecionando um montão de arquivos digitais: fotos, videos, músicas, documentos pessoais e profissionais, apresentações, planilhas, enfim, na hora de contar, são milhares, ou dezenas e até mesmo centenas de milhares. Muitos deles você nunca vai precisar, mas uma boa parte deles vão compor uma memória de vida e, como tal, precisam ser preservados.

Murphy, aquele que diz que se alguma coisa puder dar errado, dará, explica porque quando algum problema surge nos seus arquivos, seja por perda, gravação por cima do que existe, limpezas mal feitas e outros que nem parecem possíveis de acontecer, eles atacam exatamente aqueles que você não tem um backup, ou cópia de segurança.

Por mais meticuloso que você possa ser, perfeição na guarda e preservação de arquivos não é tarefa trivial. Mas então, como minimizar os riscos?

Tenha em mente que armazenar documentos em meio digital é hoje algo barato. Discos magnéticos de 1 Terabyte custam R$ 200; armazenagem em serviços na nuvem saem de graça, até 1 Tera em serviços como o Flickr ou o Mega. DVDs graváveis custam centavos cada e cabem 5GB, BluRays, poucos reais para 25GB.

Assim sendo, não é por causa de orçamento curto que você vai perder o que vai escrito em sua linha do tempo. Mas saiba que nos backups também podem surgir problemas. As mídias físicas estão sujeitas a falhas e deterioração. Os serviços na nuvem podem ser descontinuados, pois eles estão sujeitos a um contrato que pode ser rescindido em algum momento.

Para minimizar surpresas e desgostos, o melhor é ter mais de um backup de suas preciosidades. Eu sugiro, no mínimo, um completo em um ou mais HDs externos, outro em serviços na nuvem e aqueles arquivos ultra-especiais, em DVDs ou BluRays.

Vale a pena atualizá-los periodicamente, no mínimo duas ou três vezes ao ano. E mantenha uma lista atual e bem organizada do que está aonde. Se esses arquivos são manipulados em um computador que tenha vários usuários, mais uma razão para tê-los em ordem, e com critérios que todos cumpram. A cada 5 anos, refaça seus backups em mídias novas.

Isso de ter backup é que nem ter seguro de carro. Sem backup ou sem seguro, Murphy vai te pegar!

Anúncios

TV 3D patina por falta de conteúdo. E vice-versa


3DslowAgora foi a BBC inglesa que desistiu de produzir filmes e séries em 3D. A audiência supostamente qualificada que esses produtos visavam atingir não chegou para pagar a conta. É mais uma grande rede de TV que puxa o freio de mão no mundo de três dimensões.

A tecnologia que permite ver imagens em três dimensões usando óculos especiais não é nova. Tem mais de 100 anos, mas só agora temos imagens bem realistas. Mas ainda existem problemas a contornar.

Começa pelos óculos de um fabricante que não servem para ver no televisor de outro fabricante. São dois tipos,  os óculos ativos, com bateria, e os óculos passivos, que, em tese, oferecem metade da resolução.

Passa pela falta de conteúdo 3D para a variedade de canais de TV existentes , e pelo exagero de efeitos tridimensionais, priorizando o efeito sobre o que exige a narrativa.

Quebra o galho a emulação de efeitos 3D a partir de conteúdos 2D, tipo asfalto anti-pó, que não dá para usar muito. Essas gambiarras de transição sempre são usadas quando surge uma nova tecnologia, como o BluRay e as imagens Full HD ou 1080p. A maioria dos players de BluRay e até alguns de DVD fazem upscale de 480p (padrão DVD) para 720p (HD) e 1080p.

Hoje, com o padrão Full HD em consolidação, já surgem vídeos e aparelhos de TV no mercado com o padrão Ultra-HD, ou 4k, que oferecem 16 vezes mais pixels que o 1080p, e aí estão os investimentos dos fabricantes, delineando a tendência futura.

Voltando à decisão da BBC de parar com conteúdo 3D: isso é ruim para os fabricantes, ruim para os geradores de conteúdo, ruim para quem sacou o cartão de crédito e apostou na imagem 3D doméstica.

Já no cinema, os filmes em 3D parecem ter conquistado um espaço definitivo. Quando escrevo esse post, são seis títulos diferentes em cartaz nos cinemas de Curitiba, e muitos mais anunciados.

Há controvérsias sobre o pouco entusiasmo para a dimensão da profundidade na telinha. Discussões centrais estão na inconveniência dos óculos atuais e na perspectiva de novos produtos que exibem imagens tridimensionais que dispensam óculos, como o Nintendo 3DS.

Outro dia ouvi uma explicação razoável: excesso de óculos. Óculos 3D, Google Glass, óculos de sol, óculos para ler, óculos para longe… não é tralha demais?

Da série Liberdade X Controle 4: Localizando seu dispositivo móvel e sendo você localizado

Smartphones e tablets mais recentes oferecem um recurso interessante: a possibilidade de localizá-los em caso de perda, esquecimento ou mesmo de furto ou roubo. Nesses casos de inconvenientes com meliantes, é possível, inclusive, bloquear o aparelho ou mesmo apagar todo seu conteúdo, remotamente.

Vai-se o aparelho, mas seus preciosos dados não, desde que você tenha cópias de segurança deles.

Essa funcionalidade já é bem difundida entre as principais plataformas.  Com o iOS, da Apple, o Find My iPhone é o mais usado. Os aparelhos que rodam o Android, do Google, preferem o  Where’s My Droid.

Estatísticas mostram que o principal uso é bem trivial: serve para achar o celular que está perdido dentro da casa ou do escritório. Num distante segundo lugar vem o bloqueio do tablet pelos pais quando os filhos estão abusando do limite de tempo acordado e é hora de fazer a tarefa da escola. Só então vem a finalidade para o qual esses aplicativos foram originalmente pensados: achar e pegar o ladrão que saiu usando seu aparelho depois de um furto ou roubo. Em cidades como Nova York, por exemplo, as recuperações de smartphones e tablets nas mãos de ladrões via Apps já representam 40% do total dos boletins de ocorrência resolvidos pela polícia, cujo chefe já reconheceu publicamente a ajuda que essas ferramentas vem trazendo ao serviço policial.

Existem também muitos casos de separação litigiosa de casais onde o juiz determina a liberação desses dados de localização, normalmente associados à quebra do sigilo telefônico. Mesmo no Brasil, onde o uso desses aplicativos é relativamente limitado, as varas de família já registram casos de reparações milionárias por conta das andanças do smartphone por lugares comprometedores…

É mais um tipo de aplicativo onde abrimos mão de parte de nossa privacidade ou liberdade em troca de mais conveniência, uma vez que o provedor do serviço de localização sabe onde você está e quando. Interessa?

Se você mesmo assim está disposto a usar essa funcionalidade, não se esqueça de ter o aplicativo atualizado e uma conta na nuvem para poder usá-lo e ter seus dados preservados em lugar seguro. Esses serviços de backup já estão inclusos na versão básica e gratuita dos aplicativos de localização,  e o espaço disponível varia de 3 a 5 GB. Como os smartphones e tablets possuem capacidade de armazenamento maior, considere pagar uma taxa mensal para aumentar sua cota de armazenamento. Hoje em dia, esses serviços competem favoravelmente com os meios tradicionais de armazenamento, como os  HDs externos e discos DVD e BluRay.

Eu uso esses aplicativos, e acho que as vantagens largamente compensam as desvantagens.

Dicas de Natal: Vale a pena comprar TV 3D?

Recebi um e-mail de um leitor assíduo do blog que transcrevo:


“Guy, estou pensando em comprar uma TV LED 42″ 3D que vem com um player BluRay também 3D. Olhando os preços dos dois isoladamente e comparando com um TV LED equivalente, vejo que a diferença de preço não é alta. O que você acha?”

Eu não gostei muito do que já vi de TVs 3D, muito menos aqueles em telas pequenas, talvez porque minha volta ao mundo de entretenimento digital em três dimensões se deu vendo Avatar em uma tela iMax do tamanho de um prédio.

Assim, minha opinião está contaminada pela limitação do tamanho das telas de TV. Eu cheguei a ver um pedaço do Avatar em um televisor de 70″ e depois o mesmo numa tela de 50″, e acho que a tela menor perdeu bastante em relação à tela maior.

Eu também pude comparar as duas exibições em BluRay com o som através de um baita sistema Bang & Olufsen com mais de 1.000 watts e apareceu um descompasso entre o áudio e o vídeo. Parecia que os bichos voadores e os tiros daquelas armas da turma do mal estavam comprimidos na imagem, não cabia tanto som em tão pouca imagem. Aí eu pedi para desligar o som do home theater e deixar na TV, e foi a vez do som ficar em desvantagem para a imagem.

Outra coisa que acho incômodo são os óculos 3D, especialmente para quem precisa de óculos de grau para enxergar melhor e tem de sobrepor as lentes 3D. Uma pessoa que estava comigo passou a maior parte do tempo ajustando as duas parelhas de lentes…

Isso vale também para o cinema 3D, mas serve como gancho para o próximo argumento, que é uma provável disponibilização ao mercado brasileiro em 2 anos, no máximo, de televisores com imagens 3D que não vão requerer óculos. Ou seja, é possível que a tecnologia 3D atual fique obsoleta em pouco tempo.

A falta de conteúdo gravado em BluRay ou gerado pelas emissoras de TV poderia ser outro ponto contra, mas normalmente os players BluRay 3D fazem um tipo de upscaling de imagens 2D para uma simulação de 3D que talvez seja a mais grata surpresa!

Depois de escrever tudo isso, devolvo-lhe a bola: se você achar que a diferença de preço compensa, use um ditado antigo que meus avós estavam acostumados: Mais vale um gosto do que dois vinténs, ou seja, a decisão é puramente emocional.

Só não espere, como no anúncio de um desses televisores, que seu gatinho ponha os óculos e saia correndo atrás dos peixes que parecem sair da tela. O efeito 3D não é compatível com o sistema de visão de gatos.

Gravando da TV: as opções de 2010

José Wille, âncora da CBN Curitiba, colocou no ar uma intrigante questão: Em 1982, já era possível gravar da TV os jogos da Copa do Mundo, as novelas e outros programas, nos caros e pesados videocassetes, que custavam um monte de dinheiro. Passados exatos 28 anos, isso é menos comum, pois os videocassetes desapareceram e os gravadores de DVD chegaram, mas duraram pouco no mercado. Por quê?

1- A chegada ao mercado do padrão de vídeo de alta definição, o BluRay, trouxe para baixo o preço dos tocadores de DVD.  Hoje, um player BluRay de entrada está na faixa de R$ 300, e os DVD estão em liquidação.
2- No mercado local, só um modelo de gravador de vídeo é encontrado, que tanto grava em discos DVD como em um HD interno de 160GB, por R$ 899,00
3- Existe  oferta das operadoras de TV por assinatura de decodificadores digitais com HD interno, que permite gravar programas de TV, mas não exportar para DVD ou outros aparelhos
4- Alguns televisores de alta definição possuem ou um HD interno para gravação ou uma saída USB para um disco rígido externo, que permite as gravações de TV aberta
5- Last, but not least, o principal motivo: o comprometimento dos fabricantes de televisores e equipamentos de vídeo e operadoras de TV por assinatura com os produtores de conteudo para proteção de direitos autorais. Não é por limitação tecnológica que inexistem gravadores BluRay para o consumidor. É adesão dos fabricantes ao tal de DRM, ou Digital Rights Management (Gerenciamento de Direitos Digital, em português) e outros protocolos internacionais que limitam as possibilidades de cópia de conteudo.

Então, você ainda pode gravar os jogos da Copa, no modo analógico, seja através de seu videocassete, de um gravador de DVD, de uma TV com um HD interno ou externo ou de um decodificador digital de sua operadora de TV por assinatura. Mas que a coisa é bem mais difícil que nos tempos áureos do videocassete, lá isso é…

Afinal, o que devo comprar neste Natal Digital? – IV: Televisores

Muita gente anda de olho nos televisores LED, LCD ou plasma neste Natal.  Aliás, quem quiser comprar um televisor de qualquer tamanho dificilmente encontrará um modelo novo com tubo de imagem e no formato da TV analógica, 4×3, salvo algumas honrosas excessões de 14″ ou menores.


Lembrando que o formato das emissões da TV Digital é 16×9, e que o 4×3 desaparecerá gradualmente, parece que o Natal de 2009 também anuncia o réquiem dos televisores de tubo.

Mas se você vai mesmo comprar um televisor novo, pense apenas na opção Full HD, que é a que dá a resolução de 1080p, ou seja, o padrão máximo da TV Digital. Ideal se você também optar por um modelo que tenha o conversor digital embutido, que economiza mais uns R$ 200, e evita mais uma caixinha conectada por cabos difíceis de esconder e fáceis de enroscar com os tantos outros que você precisa para conectar seu home theater, o DVD ou BluRay, os altofalantes e por aí vai.

Opte por um modelo que tenha mais de uma conexão HDMI, que, além de poder quase sempre ser o único cabo de sinal entre o televisor e o home theater ou o player de DVD/BluRay, é o que assegura a melhor qualidade de sinal.

Aí entramos na tecnologia da tela do televisor, hoje com 3 opções: as tradicionais LCD e plasma e a novíssima LED, introduzida no mercado brasileiro este ano pela Samsung e já seguida pela LG.

Inegavelmente o visual de um televisor LED impressiona mais pela sua espessura de no máximo 3 cm, menos da metade do que exibem as de plasma e LCD.  O contraste também é significativamente melhor, o que aumenta a sensação de profundidade da imagem.

Mas os preços dos televisores LED ainda são, em média, 40% mais caros que os de plasma ou LCD em configuração semelhante.  A exemplo dos carros, os fabricantes tendem a colocar novidades nos modelos na ponta superior, como, por exemplo, os discos rígidos embutidos para gravação em alta definição.

Lembrem, no entanto, que por vezes esses “extras” já estão ou no decodificador da operadora de TV por assinatura ou no próprio home theater.  Então, antes de decidir, pense no todo de suas necessidades.

Exija também que a instalação seja feita por uma revenda autorizada e, de preferência, que venha também com o suporte de parede no pacote, pois aí você ganha espaço e, quase sempre, uma melhor solução estética.

Como referência de valores médios na data da postagem, para TVs Full HD com conversor digital embutido:

LCD e plasma:
32″ de R$ 2.400 a R$ 2.500
42″ de R$ 3.300 a R$ 4.500
52″ de R$ 10.900 a R$ 12.000
55″ R$ 14.000



LED:
32″ de R$ 4.000 a R$ 4.200
42″ de R$ 5.800 a R$ 6.900
46″ de R$ 7.900 a R$ 8.500

E, como isso não é a compra de um pé de alface, antes de fechar negócio, busque os preços em outras lojas, não sem antes verificar as ofertas dos principais sites confiáveis de comércio eletrônico.

Afinal, o que devo comprar neste Natal Digital? – IV: Televisores

Muita gente anda de olho nos televisores LED, LCD ou plasma neste Natal.  Aliás, quem quiser comprar um televisor de qualquer tamanho dificilmente encontrará um modelo novo com tubo de imagem e no formato da TV analógica, 4×3, salvo algumas honrosas excessões de 14″ ou menores.


Lembrando que o formato das emissões da TV Digital é 16×9, e que o 4×3 desaparecerá gradualmente, parece que o Natal de 2009 também anuncia o réquiem dos televisores de tubo.

Mas se você vai mesmo comprar um televisor novo, pense apenas na opção Full HD, que é a que dá a resolução de 1080p, ou seja, o padrão máximo da TV Digital. Ideal se você também optar por um modelo que tenha o conversor digital embutido, que economiza mais uns R$ 200, e evita mais uma caixinha conectada por cabos difíceis de esconder e fáceis de enroscar com os tantos outros que você precisa para conectar seu home theater, o DVD ou BluRay, os altofalantes e por aí vai.

Opte por um modelo que tenha mais de uma conexão HDMI, que, além de poder quase sempre ser o único cabo de sinal entre o televisor e o home theater ou o player de DVD/BluRay, é o que assegura a melhor qualidade de sinal.

Aí entramos na tecnologia da tela do televisor, hoje com 3 opções: as tradicionais LCD e plasma e a novíssima LED, introduzida no mercado brasileiro este ano pela Samsung e já seguida pela LG.

Inegavelmente o visual de um televisor LED impressiona mais pela sua espessura de no máximo 3 cm, menos da metade do que exibem as de plasma e LCD.  O contraste também é significativamente melhor, o que aumenta a sensação de profundidade da imagem.

Mas os preços dos televisores LED ainda são, em média, 40% mais caros que os de plasma ou LCD em configuração semelhante.  A exemplo dos carros, os fabricantes tendem a colocar novidades nos modelos na ponta superior, como, por exemplo, os discos rígidos embutidos para gravação em alta definição.

Lembrem, no entanto, que por vezes esses “extras” já estão ou no decodificador da operadora de TV por assinatura ou no próprio home theater.  Então, antes de decidir, pense no todo de suas necessidades.

Exija também que a instalação seja feita por uma revenda autorizada e, de preferência, que venha também com o suporte de parede no pacote, pois aí você ganha espaço e, quase sempre, uma melhor solução estética.

Como referência de valores médios na data da postagem, para TVs Full HD com conversor digital embutido:

LCD e plasma:
32″ de R$ 2.400 a R$ 2.500
42″ de R$ 3.300 a R$ 4.500
52″ de R$ 10.900 a R$ 12.000
55″ R$ 14.000



LED:
32″ de R$ 4.000 a R$ 4.200
42″ de R$ 5.800 a R$ 6.900
46″ de R$ 7.900 a R$ 8.500

E, como isso não é a compra de um pé de alface, antes de fechar negócio, busque os preços em outras lojas, não sem antes verificar as ofertas dos principais sites confiáveis de comércio eletrônico.

Afinal, o que devo comprar neste Natal Digital?

A cada ano que passa, a tecnologia avança, os preços se reduzem, as opções aumentam, a decisão então…


Revendo algumas recomendações que fiz para Natais anteriores, vejo que até que não errei muito. Minhas previsões foram muito baseadas no que chamaria da “Lei de Moore Expandida”.

Gordon Moore, um dos fundadores da Intel certa vez falou a um público seleto que a lógica dos processadores de computador era de a cada 18 meses sua capacidade dobrar e o preço cair pela metade. Moore “chutou” aquilo, mas a coisa pegou e os processadores veem seguindo essa lógica empírica (como ele mesmo reconheceu mais tarde).

Só que hoje todos os produtos digitais são microprocessados, do computador ao celular, do televisor à filmadora, passando por dispositivos de rede, de armazenamento, enfim, tudo!

Assim, a Lei de Moore começou a ter aplicabilidade a um leque enorme de produtos e de serviços digitais, ainda mais com a disseminação universal da internet.

O que está ficando confuso, hoje em dia, é definir o que é um segmento de mercado. Vamos ver o exemplo de um iPhone. Em tese, é um celular -telefone!- com algumas ou muitas funcionalidades adicionais, que acabou categorizado como um “smartphone“. Se isso é verdade, e não apenas um rótulo de marketing, adicionem-se todos os demais smartphones e chegamos a um mercado que hoje passa de 10% mas não chega a 20% das unidades de celulares comercializadas, dependendo do país ou da região. Assim, por exclusão, 80% -no mínimo- dos celulares vendidos no mundo não são smartphones; logo, são “dumbphones“, ou “telefones burros“.

No Brasil, 40% dos acessos à internet feitos por dispositivos móveis são originados de iPhone, que tem míseros 2% de market share. Ou seja, quem tem iPhone definitivamente usa relativamente pouco a função de telefonia por voz.

Vamos agora ao mundo do entretenimento doméstico, hoje centrado nos televisores digitais de alta definição, um home-theater e boas opções de conteúdo. É só olhar as ofertas que vamos ver algumas tendências:

  • Os televisores e os receivers estão recheados de portas HDMI, USB e acesso à internet;
  • 1 em cada 3 ofertas de player BluRay também acessam a internet e navegam direto no YouTube
  • Câmeras fotográficas e filmadoras de ponta trabalham com imagens 1080p, algumas também podem postar conteúdo na internet
  • Quem tem essas geringonças todas usa muito pouco de suas funcionalidades e tem um monte de cabos e fios que fazem verdadeiros ninhos de rato nos lares

Para minimizar o investimento e maximizar o desfrute, temos de pensar de nova perspectiva: integrar e conectar todas essas coisas, aí incluidos o GPS do carro e os dispositivos de monitoramento e segurança pessoais e domiciliares.

Devemos, enfim, pensar antes nas funcionalidades que pretendemos, e de que forma podemos otimizá-las, não só em termos de custo, como -e especialmente- de praticidade.

Dá para afirmar que, se temos um orçamento capaz de comprar e manter essa diversidade de dispositivos digitais, vale a pena planejar o futuro, antes de fazer as compras do presente.

Explico melhor: com toda essa modernidade, será que estamos melhor equipados? Por exemplo, quando precisamos recuperar uma sequência de fotos da década passada e não as achamos ou não temos como lê-las. O tal do “backup” raramente funciona a longo prazo, e quase tudo aquilo que nos gera a decisão de compra é esquecido após o início do uso dos digitais.

Ora, se uma TV tem acesso à internet, um celular pode fazer fotos maravilhosas,  um computador é um apoio importante a um escritor ou a um músico, e os livros digitais estão chegando, mas outros dispositivos também são bons, eu acho que um iPhone não é só um telefone, um player BluRay não é só um toca video HD, um computador de mesa pode ser uma central multimídia, ou o servidor de uma rede doméstica, e por aí vai.

A compatibilidade entre os equipamentos é algo a ser cuidado, e merece mais detalhamento. Mas, no Natal de 2009, pense naquilo que você pretende comprar e como você vai conectá-lo em seus outros equipamentos digitais.

Para começar, ele deve ter portas USB e/ou HDMI, estas últimas o novo padrão para transmitir imagens de alta definição e, na maioria dos casos, o som aberto e multicanal que acompanha.

Então, pense nisso:  Duas interfaces que facilitam a conexão entre dispositivos digitais, USB e HDMI. Há um ano atrás, poderiam ser opcionais em um televisor de alta definição ou em um Home Theater.  Em 2009, já são a regra. E, supondo que você poderá ter muitas conexões, quanto mais portas desse tipo você tiver nos aparelhos que ficam em casa, melhor.

TV Digital e Alta Definição: Preços Menores, Conteudo Diminuto

Já no radar de mais um Papai Noel, a TV Digital brasileira segue tímida, sem grandes novidades, com poucos adeptos. Muito embora a emissão de sinais de TV aberta já chegue a várias cidades e centros metropolitanos, e os provedores de TV por assinatura já ofereçam vários canais, a coisa não decola…

Os televisores Full-HD já são maioria dentre as ofertas de plasma, LCD e o novíssimo LED, estreado no Brasil pela Samsung, e os preços, dada a concorrência, até que estão menores.

O que caiu bastante nestes últimos 12 meses foi o preço dos players BluRay, o padrão de disco de video que a Sony conseguiu emplacar. Hoje em dia, existem muitas ofertas abaixo de R$ 1.000, e seguem caindo.

Hoje, 23/10, estive em uma grande loja em um shopping de Curitiba e vi um BluRay player da LG que pode ser conectado à internet via cabo de rede e acessa o YouTube de R$ 1.700 por R$ 999, “mas peraí, isso aí é em 10 vezes sem juros, à vista tiramos uns 10%, numa dessas dá para fazer por uns R$ 700 e um pouquinho, vamos negociar”, diz o vendedor.

Aí eu perguntei a ele sobre o conteudo, os BluRay discs, e ele concordou comigo que a oferta é limitada, muito limitada mesmo, o que faz com que o investimento, embora bem menor, possa ficar pegando teia de aranha por conta da falta de uso. Parece que um fabricante de DVDs vai lançar uma linha de títulos BluRay em escala decente, o que pode ampliar a oferta, tomara!

Ainda é cedo para dar uma opinião conclusiva, mas parece que esse tema da TV Digital no Brasil está mais devagar do que deveria, e muita gente que pretendeu entrar deixou para mais tarde para ver como fica, tanto quuem fornece como quem consome.

Tudo bem que teve a crise, ou “marolinha” do ano passado, mas, mesmo assim, está devagar. Se fizermos uma comparação com a adoção do videocassete ou do DVD, a velocidade não é tão diferente, mas agora, no final da primeira década do século 21, as coisas precisam andar mais rápido.

Em resumo, falta fazer o motor pegar. Será que não está faltando algum tranco ou do governo ou dos produtores de hardware e de conteudo? Ninguém vai ousar? E o Ginga, ginga com interatividade antes do carnaval de 2010?

E a TV de alta definição, como vai indo?

Quase 2 anos depois de estrear com muito alarde e adoção tímida, as maiores cidades do país já têm emissão de sinal aberto e gratuito;  as operadoras de TV por assinatura já oferecem alguns canais com programação exclusiva HD; as TVs Full HD e os players BluRay já estão em todas as lojas, os vídeos de alta definição podem ser comprados ou locados, celulares que recebem o sinal HD… Você já está na era da alta definição? 


Se está, parabéns!  Você participa da fase inicial de uma revolução na comunicação, com uma qualidade surpreendente de som, imagem e futuros recursos de interatividade.  Se ainda não está, aguarde!  A disponibilização de conteúdo ainda é limitada e de qualidade de programação duvidosa, com muitas reprises ou então de programação popularesca, na sua maioria.  E os preços de adesão ainda estão muito altos. 

O círculo vicioso está aí:  os preços são altos porque poucos compram, e poucos compram porque os preços estão altos. 

Mas, em tempos de crise, faz sentido usar a pressão do lado do comprador e aguardar até que a oferta seja mais ampla e os preços menores.  O caminho é sem volta, existem prazos contratuais a serem cumpridos por todos os atores.  

Assim, se você e seus amigos, e os amigos de seus amigos adiam um pouco a decisão de compra, são excelentes as chances de ter melhores produtos, preços mais convidativos e, sobretudo, uma oferta de conteúdo de melhor qualidade.

%d blogueiros gostam disto: