Arquivos de Tag: música

Tecnologia a favor da boa música

Nesta segunda, 18, fui conhecer o Dizzy Café Concerto, em Curitiba, para rever amigos e curtir um bom jazz. Foi uma noite inesquecível, de agradar a alma como há muitos anos não cruzava no meu caminho.

Mas, para não fugir do tema central desse blog,  Tecnologia, tinha que surgir uma conexão com o jazz. E veio!

Depois que Gebran Sabbag e Saul Trumpet prepararam o terreno com interpretações inesquecíveis, Jeff Sabbag pegou o piano e convidou Helinho Brandão e Giseli Canto para uma jam-session rasgada.

Giseli disse estar fora de forma, que ia cantar qualquer coisa, e, depois de algumas sugestões, decidiu ir de A Rã, aproveitando a ocasião que seu autor, João Donato, celebrava 80 anos de vida e nós da alegria que sua arte nos transmitiu.

Só que Giseli não lembrava da letra, fora a parte do scat.

Foi aí que chegou a colaboração tecnológica, vinda de alguém na mesa ao lado da minha. Ele passou seu smartphone para Giseli, já com a letra de A Rã na tela, baixada de algum desses sites disponíveis na web.

Aí o Gebran me incumbiu de registrar a arte e a tecnologia juntas. Fiz isso, e o resultado foi mais ou menos esse: 

Helio Brandão, Jeff Sabbag, Giseli Canto e o Smartphone: Fenomenal!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A imagem foi a possível. O som, indescritível! Depois disso, um som incrível, que consumiu o tempo e fez uma hora passar em um minuto. Só para quem esteve lá! Quem não esteve, a dica: O Dizzy Café Concerto fica na Rua 13 de Maio, 894. Funciona todas as noites. Não dá para não ir…

Anúncios

iTunes no Google Play? Pode ser!

O blog 9to5Mac mostra que a Apple está em negociações com o Google para lançar o iTunes no mundo Android, oferecendo o App e os serviços através do Google Play. Provavelmente, essa oferta incluirá também o serviço de streaming de áudio e vídeo, para concorrer com o Spotify e congêneres.

Isso implicaria em um upgrade do iTunes Radio, que é até bonzinho, mas pouca gente usa. Seria também uma reviravolta na linha traçada por Steve Jobs em 2011, quando ele explicou, em entrevista, que a Apple havia feito a versão do iTunes para Windows com o objetivo de vender mais iPods e mais músicas, e que uma versão para Android só serviria para tornar os usuários Android mais felizes e ele não queria que os usuários de aparelhos com Android ficassem felizes.

Passados 3 anos, Steve Jobs se foi, o Android vende mais que o iOS, e a venda de músicas no modelo do iTunes começa a apresentar sinais de fadiga. O iPod, sucesso estrondoso no passado recente está com as vendas declinando fortemente, pois o modelo Touch é só um pouco mais barato que o iPhone e tem pouca razão de ser; os mais baratinhos Nano até que sobrevivem, como um acessório prático para malhadores, ciclistas e fundistas ouvirem suas músicas preferidas enquanto se exercitam.

Mas até esse nicho pode perder a razão de ser com o anúncio iminente e inevitável do iWatch, que acabará sendo um iPod Nano de pulso, agregando funções de monitoramento de dados vitais dos seus donos, com a chegada do iOS 8.

Para nós, que compramos os aparelhos e as músicas, dois sinais diferentes: de um lado, será bom podermos ter nosso acervo musical acessível independente do aparelho que estamos usando num determinado momento; de outro, mais uma possível colaboração entre os gigantes da tecnologia que podem tornar os serviços menos inovadores e talvez mais caros, pela diminuição da concorrência.

Afinal, o que devo comprar neste Natal Digital? – II

Seguindo a postagem anterior, com uma pitada de nostalgia apenas para ilustrar o ponto.  Eu sou do tempo que:

  1. O telefone servia para telefonar (quando dava linha);
  2. O computador fazia processamento de dados
  3. O arquivo estava em disco ou fita magnética
  4. A câmera fotográfica só tirava fotos
  5. O televisor pegava uns poucos canais de TV aberta
  6. O som estéreo ficava na sala principal da casa
  7. Torpedo era coisa mandada por submarino

 Às vésperas do Natal de 2009 e do Ano Novo de 2010, a coisa ficou  mais ou menos assim:

  1. O telefone serve mais para ouvir música, jogar joguinho, mandar torpedo
  2. O computador serve para falar ao vivo com outras pessoas, com imagem de vídeo
  3. O arquivo que eu mais preciso eu guardo na ‘nuvem’
  4. Filmes do dia-a-dia podem ser feitos com câmera fotográfica ou com o telefone
  5. O televisor mostra as fotos que tirei, acessa o YouTube e raramente passa o Fantástico
  6. O som de qualidade está em qualquer lugar, em múltiplos dispositivos, menos na sala
  7. O Submarino é loja virtual, ao menos até o Brasil construir os seus nucleares

Então, reforçada a dificuldade de posicionar um produto no mercado digital, ouvi de um dos criadores do telefone celular, Martin Cooper, que o melhor mesmo são os aparelhos mais simples. Esse cara que é nostálgico!

Para quem já tem vários aparelhos digitais, então o Natal pode ser um bom momento de consolidar esse investimento.  Pode ser uma boa hora de construir uma rede doméstica, não aquela de pendurar nas paredes ou nas árvores, mas uma rede de computadores que vai servir a muitos aparelhos digitais, inclusive a computadores!

Além dos aparelhos que vou conectar através de cabos da rede, se precisar ligar aparelhos através de um roteador sem fio, a dica é aproveitar a queda de preços do padrão 802.11n, que, além de mais rápidos, normalmente oferecem maior alcance e guardam compatibilidade com os padrões anteriores, o b e o g. Um roteador wireless n hoje custa um pouquinho mais que um equivalente g.

Não é uma boa dica para presente a quem tem tudo, e numa faixa de R$ 300?

Mas esse mundo digital está cada vez mais interessante, fácil de usar e difícil de explicar.  Ao menos à luz de premissas saudosistas…

 

Tribunal de Justiça PR responsabiliza site P2P

O site iPlay foi responsabilizado pelo Tribunal de Justiça do Paraná por conta do uso de seu portal e do software K-Lite Nitro que facilitava a troca de músicas pela internet pelo processo P2P (Peer-to-Peer).

Adianta? Ouça o que disse à CBN, e acompanhe no próprio site os desdobramentos da decisão.

%d blogueiros gostam disto: