Arquivos de Tag: livraria

Comunicação e Informação em 12/2014. Diferente do que foi imaginado!

As previsões mais ousadas sobre o futuro da internet e do mundo digital não se materializaram. Ao menos não na maciça migração de consumidores de mídias tradicionais, como livro, jornal, revista, rádio e TV. O que vimos foi convivência e mudança do perfil de uso.

book-ebookHá 8 anos atrás, um pouco menos, com o lançamento do iPad e do Kindle, mais o poder das gigantes Apple e Amazon, houve quem indicasse que o mercado de livros seria totalmente digital, e que o livro de papel sumiria das prateleiras e mesmo as livrarias físicas seriam sebos apenas.

O que ocorreu, de fato, foi um acirramento da concorrência e um brutal aumento da relação de livros vendidos por leitor usual ou mesmo por habitante, no mundo todo. Algumas livrarias pequenas, outras redes tradicionais que não se adaptaram, sumiram do mapa. Mas surgiram novas livrarias com múltiplos serviços, com cafés, auditórios e palestras de especialistas. Nunca se lançaram tantos livros em noites de autógrafos como hoje. No Brasil, um autor que não se chamasse Paulo Coelho não atingiria a dezena de milhares de exemplares vendidos, que diria ingressar no clube do milhão. Não é, Laurentino Gomes?

Hoje em dia, se você quer um livro, dependendo de sua pressa, da disponibilidade do título no formato impresso ou digital, você tem escolha. E isso é bom!

NewsPOs jornais diários, com certeza, foram os mais atingidos, Publicações fortes, tradicionais, sumiram do mapa ou foram absorvidas pelos concorrentes. A receita mais relevante, a de anúncios e classificados, ficou minúscula. Mesmo para os veículos que foram forte para a internet perderam público por conta da especialização do mercado. Quando foi mesmo a última vez que você se guiou por um anúncio de jornal para iniciar a compra de um carro ou de um imóvel?

magazine vs digitalAs revistas ganharam força ao penetrarem no mercado via tablets, que facilitaram o processo de distribuição. Revistas semanais de informações, antes dedicadas a analisar com mais detalhes as notícias diárias, agora podem se dar ao luxo de trabalhar melhor com o jornalismo investigativo e apresentar notícias à frente de muitos outros veículos.

As revistas especializadas proliferaram também no formato impresso, mas algumas delas perdem o sentido. Um exemplo é a INFO Exame, publicada pela Abril, que a partir de fevereiro de 2015 deixa de publicar sua versão de papel. Ficou simplesmente impossível abordar a tecnologia sem recursos multimídia. E a INFO só é pioneira aqui no Brasil. Lá fora, muitas revistas técnicas, científicas, ou de nichos específicos mas que têm público disperso geograficamente já estão 100% digitais.

RadioAs rádios, para serem viáveis, viraram redes, e usam muito os meios digitais. Vide a nossa CBN Curitiba, há tempos recebendo informações e solicitações de ouvintes por torpedo, Twitter, Facebook e agora, febre total, o WhatsApp. Assim como quando surgiu a TV muitos apostavam no sumiço do rádio, o que ocorreu foi o contrário: com o crescimento das cidades e os problemas de trânsito e segurança, nunca as rádios foram tão úteis, e, com a interação com os ouvintes, viraram fontes importantes para aqueles longos (no tempo) trajetos nas vias abarrotadas de carros, todos com carros e ouvintes dentro. Hoje, mais de 2/3 das receitas das rádios, no mundo, estão com as que oferecem algum tipo de interação com o ouvinte.

TV_Cable_internetA TV aberta, mesmo ainda com boa audiência, têm dificuldade em competir com os canais de TV paga e o serviços na rede. Mas, por conta do aumento da renda média, mundo afora, ganharam uma sobrevida no seu formato atual. Talvez seja o vetor de comunicação com mais necessidade de reinvenção. Mas hoje, nos Estados Unidos, mais de 51% dos telespectadores gastam parte de seu tempo vendo TV pela internet, 54% dos que têm menos de 25 anos.

Adeus, veículos impressos, adeus broadcast de rádio e TV? Não é o caso. Mas potencializar o combo analógico/digital para atingir melhor o público-alvo é fundamental. Até porque esse público-alvo (nós, consumidores de conteúdo) somos cada vez mais exigentes e também produtores de conteúdos.

Conviver com formatos diferentes é bom para nós, consumidores. E isso deve se intensificar!

Alguém lembrou aqui de mencionar as redes sociais?

Anúncios

Ponto para o livro digital!

Dia desses, fui a uma grande livraria (duas, na verdade), para comprar um livro impresso para um aniversariante amigo meu. Eu tinha ideia do que queria, mas…

Continuar Lendo →

e-Reader ou Tablet 2: por um novo modelo de negócios

e-ReaderFreeNo post anterior, coloquei pontos para a tomada de decisão sobre a compra hoje de um tablet ou um e-Reader, sob a ótica de um possível novato no assunto.

Embora o tema seja recorrente e provoque discussões acaloradas, inclusive com poderosos lobbies pró um modelo e contra o outro, sem contar com as vigorosas defesas de seguir tudo como está. E com bons argumentos!

Só que… o modelo atual vai ser rompido quando alguém, no ramo de conteúdo ou alguma startup acordar para a oportunidade real, e passar a oferecer um e-Reader de qualidade, a preço zero. Mais ou menos copiando o modelo do Google, do Facebook em seus estágios iniciais.

Vamos lá: no modelo de negócios do livro impresso, existe o custo de impressão, encadernamento, distribuição e encalhe, só para ficar nos principais quesitos que desaparecem quando o livro vira digital.

Para reforçar, países como o Brasil ainda possuem um enorme mercado potencial para livros, dada a ridícula relação de livros vendidos por habitante por ano que temos em nossas plagas. Típico de país submergente!

No campo do livro didático, onde somos líderes em vários indicadores, com notória exceção da qualidade do conteúdo, os grandes compradores podem exercer seu poder de fogo para mudar o modelo.

Assumindo que um tablet venha a  armazenar ao longo de sua vida útil algo como 100 livros, ao preço impresso na livraria de R$ 50, podemos fazer uma conta simples de quitandeiro e assumir que, desse bolo todo, podemos retirar 15% de custos por conta do ciclo do papel no livro. Isso dá R$ 7,50 por livro ou R$ 750 para os 100 livros desse hipotético e-Reader.

Os números podem não ser exatamente esse, mas, se buscarmos ampliar o número de livros por leitor e o número de leitores humanos, fica evidente que o papel, a tinta, o combustível do caminhão, o espaço de armazenamento, o tratamento de descupinização que deixam de ser usados pagam qualquer e-Reader de alta qualidade. Idem para o livro didático.

E os tablets? Esses não somem, mas vão se tornar cada vez mais plataformas multiuso,  como os smartphones. Lá na frente, dentro de 5 anos no máximo, os livros digitais devem chegar a mais de 80% dos títulos vendidos, e sua leitura se dará primordialmente através dos e-Readers. Que serão gratuitos, ou, no máximo, vendidos a preço de banana colhida no pé.

O que não vejo é um movimento forte de nenhum dos produtores de plataformas digitais, muito menos os que tratam de conteúdo, como as editoras e as distribuidoras, pensando no assunto.

O desfecho é inevitável, resta saber quem vai se beneficiar mais desse apetitoso mercado do livro digital. 

%d blogueiros gostam disto: