Arquivos de Tag: hackers

2015 e o binário “0 – 1” vem com tudo

2015 começou quente. Não só nas temperaturas deste verão no hemisfério sul, Brasil em particular.

O massacre aos jornalistas do Charlie Hebdo, no dia 7 de janeiro, gerou uma repercussão mundial que ninguém poderia imaginar.

Independente do movimento Je Suis Charlie, que bombou nas redes sociais e nos cartazes dos eventos de protestos ou de obsequioso silêncio em respeito aos mortos dessa barbárie, ao momento em que essa postagem vai ao ar, o semanário satírico com circulação de 50.000 exemplares salta para inimaginados 3.000.000.

A campanha espontânea de angariação de fundos para recuperar as instalações do Charlie já geraram assinaturas e doações emblemáticas de pessoas e empresas que vão de Arnold Schwarzenneger e Google a Michelle Bachelet e ONU. Todos engajados no repúdio ao ato. Até Tim Cook, CEO da Apple, fez sua loja de aplicativos aprovar em 10 minutos o App Je Suis Charlie, para download gratuito.

Ponto para as redes sociais! O Je Suis Charlie foi o Trending Topic mais importante de todos os tempos no Twitter, O assunto mais comentado no Facebook e WhatsApp. Mostrou o poder das redes sociais, neste quente 2015.

Mas a história sempre tem dois lados. Dias depois, quando do desfecho da caça aos assassinos que gerou mais mortes, na sexta, 9, começaram a surgir informações -depois confirmadas- que Hackers ligados ao Estado Islâmico estariam por trás de ataques massivos aos sites e perfis em redes sociais de agências governamentais americanas.

Volta à baila com toda força, nesse 2015, o binarismo da era digital, o 0 ou 1, o liberdade e privacidade x controle e segurança.

Mais do que chegar a um modelo convergente, onde a essência de cada um dos lados seja preservado, corremos o risco de irmos para modelos onde não tenhamos nem liberdade, nem privacidade, nem controle , nem segurança.

Está chegando a hora da verdade

Prenderam os Hackers do LulzSec

A justiça britânica condenou quatro jovens do grupo de hackers LulzSec a penas que, somadas, chegam a sete anos, conforme publica o site Mashable.

O Lulz, como é chamado no mundo do crime digital, é formado por pequenas células, em vários países, que dedicam-se a atacar grandes ou importantes sites, por conta de causas supostamente nobres.

Esses jovens são Jake “Topiary” Davis, Ryan “Viral” Cleary, Mustafa “T-Flow” Al-Bassam e Ryan “Kayla” Ackroyd. Eles foram presos no ano passado, depois que Hector Xavier “Sabu” Monsegur, o suposto líder do grupo, tornou-se informante do FBI.

Dentre as artes praticadas pela turma está a captura e divulgação de 1 milhão de contas e senhas de clientes digitais da Sony, a derrubada do site da CIA americana e da Serious Organized Crime Agency (SOCA), uma agência britânica de repressão ao crime.

E nós, brasileiros, o que temos com isso? Esse é apenas um dos grupos identificados e presos. Antes disso, seus pares australianos também foram parar atrás das grades em abril.

Como disse, o LulzSec, usando a internet como arma e plataforma de comunicação, tem membros em vários países, Brasil inclusive.

O crime digital, que vem crescendo e se tornando cada vez mais visível mundo afora, já é responsável por percentuais de dois dígitos do total de desvio de dinheiro, e a sofisticação dos atos desses hackers está sempre um degrau acima da prevenção e da repressão.

Como tem gente que acha divertido saber desse milhão de pessoas que tiveram seus dados divulgados e queimou a imagem da Sony, ou então ficam do lado do bandido quando alguém faz artes com agências de inteligência, cabe lembrar que você pode ser a próxima vítima.

Desistir da internet ou, pelo menos, não mais fazer compras em lojas de e-commerce ou voltar ao velho talão de cheques? Não precisa chegar a tanto… Basta tomar os cuidados básicos de não divulgar dados pessoais, senhas e, ao usar redes Wi-Fi públicas e abertas, evitar essas transações de compras e pagamentos, salvo se você dispuser de recursos sofisticados de criptografia.

No caso da Sony, os hackers entraram na base de dados dos clientes usando algoritmos avançadíssimos, talvez mais para provar que eles podem ser os melhores do que buscando algum benefício financeiro, uma vez que eles simplesmente  abriram os dados e os divulgaram na internet.

Em situações como essa, a empresa que tinha os dados sob sua guarda é responsável legal e pode ser acionada.

Mas, para ver o lado bom da coisa, os hackers que há poucos meses eram considerados heróis pelos contestadores do establishment, agora começam a ser condenados e presos.

Um outro grande vazador da internet, o Julian Assange, do WikiLeaks, está isolado na embaixada do Equador, também em Londres, no aguardo de um improvável asilo político, ou de uma extradição para a Suécia por conta de crimes de assédio sexual que ele teria cometido por lá. E o WikiLeaks, que tanta dor de cabeça causou a governos e empresas mundo afora, parece desidratado, sem capacidade de novos vazamentos.

%d blogueiros gostam disto: