Arquivos de Tag: e-Reader

e-Reader ou Tablet 2: por um novo modelo de negócios

e-ReaderFreeNo post anterior, coloquei pontos para a tomada de decisão sobre a compra hoje de um tablet ou um e-Reader, sob a ótica de um possível novato no assunto.

Embora o tema seja recorrente e provoque discussões acaloradas, inclusive com poderosos lobbies pró um modelo e contra o outro, sem contar com as vigorosas defesas de seguir tudo como está. E com bons argumentos!

Só que… o modelo atual vai ser rompido quando alguém, no ramo de conteúdo ou alguma startup acordar para a oportunidade real, e passar a oferecer um e-Reader de qualidade, a preço zero. Mais ou menos copiando o modelo do Google, do Facebook em seus estágios iniciais.

Vamos lá: no modelo de negócios do livro impresso, existe o custo de impressão, encadernamento, distribuição e encalhe, só para ficar nos principais quesitos que desaparecem quando o livro vira digital.

Para reforçar, países como o Brasil ainda possuem um enorme mercado potencial para livros, dada a ridícula relação de livros vendidos por habitante por ano que temos em nossas plagas. Típico de país submergente!

No campo do livro didático, onde somos líderes em vários indicadores, com notória exceção da qualidade do conteúdo, os grandes compradores podem exercer seu poder de fogo para mudar o modelo.

Assumindo que um tablet venha a  armazenar ao longo de sua vida útil algo como 100 livros, ao preço impresso na livraria de R$ 50, podemos fazer uma conta simples de quitandeiro e assumir que, desse bolo todo, podemos retirar 15% de custos por conta do ciclo do papel no livro. Isso dá R$ 7,50 por livro ou R$ 750 para os 100 livros desse hipotético e-Reader.

Os números podem não ser exatamente esse, mas, se buscarmos ampliar o número de livros por leitor e o número de leitores humanos, fica evidente que o papel, a tinta, o combustível do caminhão, o espaço de armazenamento, o tratamento de descupinização que deixam de ser usados pagam qualquer e-Reader de alta qualidade. Idem para o livro didático.

E os tablets? Esses não somem, mas vão se tornar cada vez mais plataformas multiuso,  como os smartphones. Lá na frente, dentro de 5 anos no máximo, os livros digitais devem chegar a mais de 80% dos títulos vendidos, e sua leitura se dará primordialmente através dos e-Readers. Que serão gratuitos, ou, no máximo, vendidos a preço de banana colhida no pé.

O que não vejo é um movimento forte de nenhum dos produtores de plataformas digitais, muito menos os que tratam de conteúdo, como as editoras e as distribuidoras, pensando no assunto.

O desfecho é inevitável, resta saber quem vai se beneficiar mais desse apetitoso mercado do livro digital. 

Anúncios

e-Reader ou Tablet?

Passado o Natal e você ainda está na dúvida: compro um tablet ou um eReader para ler meus livros digitais?
 
A decisão não é simples, mas aqui vão pros e contras, nesta data:
 
As opções que podem ser consideradas, levando em conta que o mais relevante é a disponibilidade de títulos, ficam por conta do Kindle e do Kobo (Leitores Digitais) e do iPad ou os diversos tablets com sistema operacional Android.
 
O Kindle é o que oferece a melhor experiência de leitura, por conta da tecnologia eInk, mas ele é essencialmente um e-Reader do conteúdo vendido através da Amazon, que vai atender a quase toda a sua demanda, exceto aquelas que só Murphy explica, ou seja, um título que você quer mas não está disponível para venda.
 
O Kobo é bem mais versátil, é agradável ao uso e tem alguns Apps interessantes, tela sensível ao toque e acessa várias livrarias digitais. Há duvidas sobre seu suporte e evolução, uma vez que entra no Brasil via uma livraria de alcance local e seu fabricante é uma empresa relativamente pequena do Canadá. Ou seja, pode ter mais funcionalidades hoje mas não há muita garantia de sua permanência no mercado a longo prazo.
 
Finalmente, existem os tablets, sejam os Androids, seja o iPad, que, hoje em dia, possuem uma grande versatilidade e acessam varias das principais livrarias digitais do mundo, mas não oferecem -ainda- o conforto de um Kindle. E são mais caros…
 
Lá por abril/maio devem ocorrer importantes lançamentos de tablets da Samsung e da Apple, supostamente mais leves, finos, com melhor resolução de tela e mais próximos do Kindle para leitura. Mas esses fabricantes estão fazendo, em média, dois a três lançamentos importantes por ano, assim, há a possibilidade de você se sentir frustrado com um produto novinho nas mãos e já com algo mais novo nas prateleiras.
 
Os melhores estudos de mercado apontam para uma tendência de queda de venda dos e-Readers  no mundo (-19% em um ano), indicando que eles devem permanecer com um nicho pequeno dos dispositivos digitais pessoais. De outro lado, a venda de tablets não para de crescer.
 
Finalmente, o que eu fiz e vou fazer: por enquanto, fico com o tablet, já li mais de 50 livros em iPad, de várias editoras e livrarias virtuais e gostei. Eu só pensaria num e-Reader se ele viesse de graça, ou muito barato (o hardware) junto com uma assinatura para compra de livros.

 

%d blogueiros gostam disto: