Arquivos de Categoria: tecnologia

2016

2015 foi o ano que parei de escrever regularmente sobre tecnologia. Não que eu tenha cansado, ou desistido. Mas as mudanças estão acontecendo em um ritmo diferente, e entender o que se passa nesse mundo maluco requer, de vez em quando, uma mudança de foco.

Assim, estudei mais, me dediquei em buscar novas soluções tecnológicas que sejam aplicáveis a empresas e organizações governamentais.

Gastei fosfato, garganta e ouvido. Cheguei à conclusão de que não há conclusão. O mundo digital segue mudando, mas muda com menos espetáculo e com mais foco em dispositivos e soluções que sejam realmente úteis.

Os novos lançamentos da Apple, do Google, da Samsung e de tantos outros já não causam tanto frisson; as redes sociais estão à busca de um novo Facebook, que já dá sinais de cansaço, mas mostra uma robustez incrível na geração de caixa.

OK, tem o WhatsApp, que no Brasil já tem mais contas do que o Facebook,mas esse não vale, pois é do Facebook. Valeu o investimento, assim como o do Google ao comprar o YouTube, lá no início do milênio.

A segurança digital nossa de cada dia vai exigindo que abramos mão de nossa privacidade, mas, fazer o quê, se terroristas organizam atentados usando aplicativos que todos nós usamos? Não queremos ser alvos de atentados, por certo!

Há, por fim, aquela necessidade de estar desconectado por uma parte razoável de nosso tempo, que nos permita estar fisicamente com os nossos familiares e amigos.

O que me traz à reflexão inevitável quando chega a virada do ano: acredito que 2015 vá deixar poucas saudades, e 2016 sinaliza turbulências. Mas isso não deve ser motivo de desânimo nem de baixo-astral. Já que estamos aqui nesse planeta onde a natureza já mostra que não está muito satisfeita conosco, vamos procurar melhorar esse nosso lar.

Além de buscar eliminar desperdícios de recursos finitos, devemos buscar uma melhor convivência entre aqueles que nos são próximos e outros nem tanto.

2016 será o ano das Olimpíadas no Rio, no Brasil. Para mim, isso não representa um marco nem uma corrida de 100 metros rasos. É mais um ano que vai exigir muito esforço, muito trabalho, melhores soluções e, sobretudo, paciência e persistência.

Mas é exatamente nas dificuldades que surgem as oportunidades!

Countdown

Feliz 2016 a todos!

Quer saber mais?

Vou mudar o foco de minhas digressões sobre tecnologia. Ao contrário de uma possível paráfrase a Francis Fukuyama, eu não acredito que estejamos na era do fim da tecnologia, ou do fim dos avanços. Muito pelo contrário. Sigo acreditando que muita coisa nova virá, que pode encantar o mercado, e, enfim, transformar o mundo em que vivemos.

Só que isso pode demorar algum tempo, no mínimo meia década, que, nessa área tecnológica, é uma eternidade! Enquanto isso, as discussões são sempre em cima de um pouco mais do mesmo (evolução), privacidade x segurança (deveres e direitos), plataformas (hoje reduzida, para efeitos práticos, aos mundos Apple e Android) e longas e custosas batalhas legais sobre patentes, legislações locais ou globais, quem manda na internet, quem pode, quem não pode.

Mas o mundo da tecnologia está centrado em grandes e poucos atores, como as indústrias automobilísticas, aeroespaciais, entretenimento, alimentos e bebidas. No mundo da tecnologia, os key players são Apple, Google e Samsung. OK, tem os chineses no hardware, os indianos no software, tem a Microsoft, a Oracle, a HTC, a Intel, a Qualcomm… Tem muitas outras, assim como na automotiva, o mundo não é só GM, Ford, Toyota, Honda, VW, Fiat e Hyundai. Tem também os chineses, os niche players, os… Mas tem também o Google, a Apple querendo entrar, tem…

O que está em falta, e parece que demorará a surgir, são os novos Googles, Facebook, ou novidades da turma do software livre. Faltam também novidades ou pelo menos iniciativas em outros países, salvo pelas exceções de Israel, um pouco na Alemanha, a África do Sul está trabalhando sério, a Austrália também.

Mas faltam inovadores, faltam núcleos de inovação. OK, no Brasil temos lá o Porto Digital, iniciativa pioneira do incansável Sílvio Meira, tem o polo de Campinas, ah!… já ia esquecendo da minha alma-mater, o ITA, em São José dos Campos. Bem , o ITA segue em nível destacado, mas, em essência, forma pouca gente por ano, não muito mais do que em meu tempo, há longínquos 50 anos.

Tem também a turma que trabalha com a parte de ferramentas para dispositivos móveis, grupo porreta em BH. Mas é do Google, nos dias de hoje.

Em resumo: somos majoritariamente consumidores de tecnologia, cada vez mais influindo menos, cada vez consumindo mais. Não é algo essencialmente errado, mas para falar e escrever sobre isso, precisamos de mais de gente de marketing, de comportamento do consumidor, de especialistas em direito. Não é o meu caso, que trabalho no mundo digital desde 1961 ou 1962.

Então vou parar de comentar sistematicamente sobre novidades tecnológicas. Puxo o freio nessa experiência gostosa de vários anos, mas que tem ficado monótona, ultimamente.

Vou buscar meus guardados e começar a escrever um pouco da história que vivi. Inclusive sobre lances de bastidores, que pouca gente conhece, mas que permitiram algum desenvolvimento tecnológico no Brasil, e inibiram algumas outras iniciativas, por conta do jogo de interesses ou do alcance da visão.

Eventualmente, posso até voltar a falar sobre novidades.

Por enquanto, obrigado a todos pela paciência nas leituras de minhas escritas. E sigam por aqui. Vou precisar de vocês, sobretudo os mais veteranos, para garimpar o passado. Que também pode ser fascinante!

Abraço!

Embraer = Tecnologia de Ponta

img_kc390_aircraft_overview Não dá para passar em branco: Falar de tecnologia de ponta, brasileira, a referência é a Embraer! E ontem, na sua planta de Gavião Peixoto, SP, a empresa fez a apresentação (roll-out) de seu mais novo avião, o KC-390, voltado para transporte militar de carga e de tropas que pode ser configurado também como avião-tanque, para reabastecer aeronaves menores em pleno voo.

Eu tive o privilégio de conhecer e estudar junto com os fundadores da Embraer, Ozires Silva à frente. No início da década de 1960, fabricar aviões parecia sonho de lunático, viagem na maionese.

Mas o sonho virou realidade, graças também a um outro sonhador, o brigadeiro Casimiro Montenegro, que ainda na década de 1940, após o término da Segunda Guerra Mundial, concebeu o ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica e o Centro Tecnológico de Aeronáutica, o CTA, depois rebatizado de Centro Tecnológico Aeroespacial, .

Voltemos à Embraer e à tecnologia: Como empresa líder do mercado de aviação regional no mundo, a Embraer é, na verdade, uma fábrica de projetos inovadoraes, com tecnologia no estado da arte. Da cabeça de seus engenheiros e pesquisadores e dos computadores de todo tipo saem projetos de aeronaves as mais diversas. Mais do que isso, processos inovadores usando novos materiais são rotina da empresa, visando estar sempre competitiva.

kc390cockpitUm avião moderno é uma máquina totalmente projetada através de sofisticados computadores. A aviônica, ou eletrônica embarcada num avião é essencial para a segurança de voo. O KC-390 tem um cockpit que mais parece um ambiente futurista de videogame.

A Embraer é prova viva de como inovar e criar referências mundiais em tecnologia avançada. Mas não é um projeto de 4 anos, ou mesmo de uma década. É coisa de longo prazo, cuja rais está na educação de qualidade.

Tecnologia Nova Inova?

A imensa variedade de dispositivos digitais existentes no mundo de 2014, por vezes faz com que haja confusão entre novidade e inovação.

Ter a tecnologia mais recente é sinônimo de ter inovação? Quais então os vetores necessários a um produto ou serviço verdadeiramente inovador?

Existem inúmeras definições e abordagens sobre inovação, cursos, teorias, simpósios… Eu, particularmente, gosto dessa linha simplificada:

Dá para dizer que a inovação ocorre a partir das respostas afirmativas a três perguntas:

  • É possível com a tecnologia?
  • É desejável pelo usuário?
  • É viável para  o mercado?

Vamos lá:

Hoje em dia, é possível fazer quase tudo com a tecnologia. Se não der, amanhã haverá uma tecnologia disponível

O usuário pode até não saber que deseja um determinado produto, como foi o célebre caso do iPad, quando a turma de marketing da Apple queria fazer uma pesquisa de mercado para saber se os clientes em potencial gostariam de ter um tablet. Steve Jobs, irado, bateu à mesa e disse “para que uma pesquisa de mercado se eles (os clientes) nem sabem ainda que vão precisar do iPad!?

A viabilidade para o mercado implica em criar diferenciais de oferta, distribuição, entrega, preço, custo, margens, enfim, vendas, finanças, logística, tudo muito bem avaliado.

Vendo o tema inovação sob outra ótica, dá para dizer que muitas vezes a tecnologia digital é apenas mais uma camada de custos em cima de processos velhos, e não é por falta de uma análise mais detalhada e profunda.

A reação humana à mudança existe e não pode ser ignorada, ainda mais no mundo corporativo. O medo da perda de poder ou de enfrentar o desconhecido são decisivos para inibir processos inovadores, mesmo atendidas as premissas colocadas acima.

Empresas de sucesso muitas vezes falham para inovar por conta de sua própria base de clientes que compram seus produtos e serviços. Ameaçar a base instalada ou a vaca leiteira dá calafrios.

Para reforçar os argumentos, vamos mencionar alguns casos que, inegavelmente, são inovadores:

  • Facebook
  • Google buscas
  • iPhone/iPad

Novos? Sim.

Novidades? Nem tanto.

Redes sociais digitais existiam há pelo menos uma década antes da fundação do Facebook

Motores de busca existiam desde antes da internet

Smartphones? Perguntem à turma da Blackberry. E os Palm, sucesso como organizadores pessoais?

Tablets? Lá por 1995, já haviam produtos com o conceito dos tablets.

Ou seja, nem sempre a tecnologia nova inova. Melhor dizendo, quase nunca…

 

 

 

Tercio Pacitti: Um pioneiro da tecnologia no Brasil

200px-TercioPacittiPerdemos Tércio Pacitti, um dos pioneiros da Tecnologia da Informação no Brasil. Corria o ano de 1961 e eu, no meu segundo ano de engenharia do ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica) tive aulas com o Pacitti, que ensinou nossa turma a programar em linguagem Fortran, e depois rodar o que tinhamos criado em um IBM 1620, o segundo computador instalado no Brasil.

Pacitti tinha uma paciência enorme, aliada a uma didática perfeita, mas era, sobretudo, um homem bom. Por toda sua vida profissional dedicou-se aos computadores e às pessoas que trabalhavam com computadores.

Ganhou um monte de prêmios, merecidos reconhecimentos em vida. Pacitti nos deixou ontem, 17 de junho, conforme postagem de seu filho no Facebook.

Eu brinco com a turma que aprendeu a trabalhar com computadores nas décadas de 1970 e 1980 que quase todos tinham sido iniciados nas maravilhas da tecnologia digital programando FORTRAN, do Pacitti. Só que era o livro do Pacitti, o Fortran Monitor, que de 1967 a 1987 vendeu 250 mil exemplares no país, uma barbaridade em termos de volume para a época.

Eu e minha turma não aprendemos com o livro do Pacitti, aprendemos com o próprio, e isso nos faz um grupo de privilegiados.

E Pacitti não foi só uma fera na tecnologia. Foi um baita de um ser humano, empenhado em difundir o conhecimento tecnológico e a desenvolver o mercado de tecnologia da informação no Brasil. Um pioneiro, um homem de uma estirpe que nos fará falta.

 

Obrigado, Tércio Pacitti!

A Copa está aí! E a tecnologia?

O frenesi de acabamento de tudo que se relaciona à Copa do Mundo indica que, mesmo com protestos e com muito de obras que vão ficar para depois, ela deve acontecer, deixando mais marcas boas do que más.

No terreno tecnológico, a parte de comunicação de massa (rádio, TV, internet), já está tudo pronto. O que não estiver, vai ser varrido para baixo do tapete.

Não espere poder dar um show particular com seu smartphone 4G lustroso de novo, especialmente se você estiver assistindo a jogos nas Arenas da Baixada (Curitiba) e Itaquerão (São Paulo). As redes estão precárias, e não só em zonas secundárias, como estacionamentos e corredores de acesso. Espere uma congestão de tráfego de dados, e você pode se sentir como se estivesse a bordo de uma Ferrari no meio de um congestionamento de final de tarde em uma cidade grande brasileira. Dos doze estádios, só seis terão redes wi-fi internas para descongestionar as redes celulares.

Assim, se você já tem um smartphone com um plano 4G, OK. Se não tem, deixe para depois da Copa. Até setembro, outubro, as coisas podem melhorar.

Todas as redes sociais e os portais principais de esportes e notícias, do Brasil e do mundo, farão coberturas intensas da Copa. Aproveite para estar melhor informado e também interagir em tempo real, e não só durante os jogos, em casa ou no estádio. Você vai poder saber e informar sobre condições de trânsito, reservar restaurantes, capturar e receber imagens…

Afinal, durante o mês da Copa do Mundo 2014, teremos uma quantidade brutal de dados, especialmente imagens, sendo geradas a partir do Brasil. Medidas em quantidade de arquivos ou de petabytes gerados, os resultados serão maiores do que a soma de tudo que se originou por aqui de janeiro a abril.

E as TVs gigantes, hein? Dei uma sapeada nas lojas físicas e virtuais e tive algumas surpresas. Por exemplo, você pode comprar uma TV de 55″, Full HD, 3D, WiFi, recheada, enfim, com um bom desconto e ainda leva uma de 32″.

O que mais me chamou a atenção foram as TVs 4K, UltraHD. Uma delas, de 65″ vale menos de R$ 10.000, e cheia de funcionalidades. Embora não haja conteúdo 4K nas transmissões de TV aberta ou por assinatura, você pode acessar, via internet, portais como Netflix e YouTube que já oferecem conteúdo UltraHD. Mas, para isso, precisa de uma boa conexão à internet, acima de 15Mb real.

Como alguns dispositivos, como smartphones, câmeras fotográficas e filmadoras mais modernas já gravam vídeos UltraHD, dá para curtir suas produções familiares em altíssima definição. Se você tiver conteúdo 4K gravado em um pendrive ou um HD externo, dá para assistí-los também.

E as emissões de TV em Full HD? Com a funcionalidade de upscaling, esses televisores simulam a imagem UltraHD a partir da recepção Full HD que teremos na Copa. Fica bem melhor do que uma imagem apenas Full HD, mas não é 4K.

Como as vendas de televisores andaram de lado, abaixo das previsões dos fabricantes, os preços ficaram melhores.

Ainda assim é uma grana preta colocar R$ 10.000 num televisor, mesmo de 65″. Mas, se você pensava em trocar, agora pode ser uma boa hora. Esse mesmo aparelho já foi vendido aqui no Brasil por R$55 mil e, dois meses atrás, era oferecido na faixa de R$ 20.000.

Pode cair mais o preço? Poder, pode, e até deve, mas não muito, e também você aproveita a Copa no seu Home Theater incrementado.

O momento mais importante da Copa 2014

Eu gosto de futebol. Faz tempo! Em 1950, era criança, morava no Rio, mas não fui ao Maracanã ver Brasil x Uruguai. Naquele tempo, não havia TV. Ouvi pelo rádio a final do Maracanazo, e depois o silêncio ensurdecedor das ruas com a perda da Copa para os vizinhos uruguaios.

Chego à Copa de 2014, de novo aqui no Brasil, morando em Curitiba, minha cidade natal. Para não ficar de fora, o máximo que consegui foi o ingresso para ver Irã X Nigéria, que deve ser um jogão de bola! Um dos dois, ou os dois serão finalistas antecipados, ou melhor, o final da Copa para esses times deve ocorrer ainda na primeira fase…

Mas, de novo, aqui é um blog de tecnologia e vou comentar sobre o que será, na minha perspectiva, o ponto marcante da Copa. Antes do jogo inaugural Brasil x Croácia, veremos o chute simbólico inicial. Terá quase zero de conteúdo esportivo e uma quantidade incomensurável de superação humana e de demonstração  da capacidade da ciência de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

WalkAgainNo caso, pessoas muito especiais, paraplégicos, selecionados pela equipe comandada pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, que conseguiram criar um exoesqueleto, simplificadamente um robô, que, acoplado ao corpo de uma dessas pessoas com limitações de movimento, dará esse chute, na presença de 70.000 torcedores no estádio e de mais de 1 bilhão, pela TV e pela internet.

Se tudo correr bem, haverá uma demonstração clara do poder do conhecimento científico, de sua aplicação, e do potencial criado para tornar essa solução pioneira em algo de uso comum, em um futuro não muito remoto.

Dará um recado ao mundo sobre os talentos brasileiros envolvidos no projeto, iniciado pelo Dr. Nicolelis nos Estados Unidos, na Universidade Duke, onde ele ensina e faz pesquisas.

O mundo científico sabe quem é o Dr. Nicolelis. O mundo das pessoas comuns, como nós, pouco ou nada sabem. Se fizerem uma pesquisa no Brasil sobre quem é esse tal de Nicolelis, provavelmente a resposta mais comum vai ser um “não sei“, seguido talvez de “um jogador da Grécia?“.

Como vai funcionar?

Um brasileiro especial entrará em campo no Itaquerão em São Paulo, no próximo dia 12 de junho, equipado com esse exoesqueleto comandado por seu cérebro e vai dar o chute inicial. Detalhe: essa pessoa é paraplégica e estará andando!

Esse engenho construído com metais leves e alimentado por um sistema hidráulico e muita eletrônica digital poderá, um dia, tornar obsoletas as cadeiras de rodas.

O brasileiro Miguel Nicolelis lidera uma equipe de diversas universidades em vários países nesse projeto para construir uma “roupa” para pessoas paraplégicas.

“Todas as inovações que estamos reunindo para este exoesqueleto tem em mente o objetivo de transformá-lo em algo que possa ser usado por pacientes que sofrem de uma variedade de doenças e lesões que causam paralisia”, disse Nicolelis ao  jornal inglês The Guardian.

Um grupo de oito brasileiros paraplégicos, entre 20 e 40 anos, estão sendo treinados para usar o exoesqueleto. Três deles participam da cerimônia de abertura, e um ou uma vai andar em campo e dar o pontapé inicial.

Os mecanismos estarão ligados a uma espécie de touca na cabeça, feita com eletrodos que captam as ondas cerebrais do usuário. Esses sinais são interpretados por processadores digitais ligados ao exoesqueleto e os transformam em movimentos físicos. É pensar e pronto, as pernas se movem.

Para um universo de milhões de paraplégicos no mundo, essa perspectiva de poder um dia voltar a andar de forma autônoma é promissora.

A entrevista de Nicolelis ao programa Fantástico, da Globo, é mais do que ilustrativa, e pode ser seguida aqui. O video, em inglês, que mostra o projeto Walk Again, pode ser visto aqui.

O que importa é que essa abertura da Copa, dada por um paraplégico, chame a atenção das pessoas que decidem sobre nossa educação e para a necessidade de priorizar cada vez mais a pesquisa aplicada e o ensino das exatas e a criar paixão pela ciência. Se der certo, todo o imenso custo da Copa de 2014 terá valido a pena. Independente do resultado da final, com ou sem caneco.

Johannes Gutenberg e a Cerveja

Caldo-de-bituca-1Você gosta de cerveja? Eu gosto, especialmente as mais elaboradas, premium, como a curitibana Caldo de Bituca, ganhadora de medalha de ouro no Festival Nacional da Cerveja de 2014.

Mas esse é um blog sobre tecnologia. Vamos a ela:

Tecnologia inovadora significa ruptura, transformação. Vivemos em um mundo tecnológico, cada vez mais digital, e, de um modo geral, nos esquecemos das grandes invenções que mudaram o mundo.

No século 15, a Idade Média caminhava para seu fim, embora quem vivesse, à época, pouco poderia perceber as mudanças que viriam. A produção de livros era, na Europa, essencialmente feita em mosteiros, onde os monges aprendiam a ler e a escrever com capricho, treinados especialmente para copiar livros e outros escritos, na sua maioria de natureza religiosa.

GutenbergEsse ofício vinha de séculos, e, para atender o aumento da demanda nas igrejas e nos palácios, mais monges eram necessários para produzir livros. Aí surge o alemão Johannes Gensfleisch zur Laden zum Gutenberg, o inventor da prensa com tipos móveis e intercambiáveis, que permitiu a produção em escala de livros, sem a necessidade da cópia manual.

Resultado: os monges foram progressivamente perdendo o ofício, gerando problemas de custo para a igreja e requerendo um reposicionamento de mercado, por conta da revolução tecnológica causado pela prensa de Gutenberg.

Um dos países que mais sofreu foi a Bélgica, por conta da quantidade de mosteiros lá existentes. A saída encontrada foi reciclar os monges para o ofício de cervejeiros. Surgiram as clássicas cervejas trapistas, nos mosteiros dessa Ordem, que não só elevaram o nível de qualidade em relação às existentes, como permitiu o aumento de sua produção, exatamente à época em que começavam a florescer o comércio, as navegações marítimas e a arte da Renascença.

Com certeza, o mundo seria outro sem a revolução tecnológica de Gutenberg. Mas hoje, Sábado de Alelúia, brindemos à sua colaboração indireta para o surgimento de cervejas de qualidade! Tin-Tin, uma Feliz Páscoa!

Sobre o 1º de Abril Digital

Já viraram tradição as pegadinhas anuais de 1º de abril dos grandões, como Facebook, Google, Microsoft e mesmo de milhões de conectados. Trinta dos meus amigos do Facebook anunciaram sua saída da rede de Mark Zuckerberg. Todos ainda estão por lá, postando. Duas anunciaram gravidez, um disse ter ganho na Mega-Sena, esquecendo que 1º de abril foi na terça, dia sem esse sorteio na loteria.

E muita gente foi atrás do Desafio Pokémon, do Google, que prometia emprego na empresa para quem ganhasse o jogo de achar os bichinhos no Google Maps. O LinkedIn para gatos também bombou, sem falar nos shelfies do Gmail, que permitiria a quem usa esse serviço de email de partilhar (share) suas auto-fotos (selfies) com quem recebesse as mensagens.

Essa do shelfie até que achei uma boa idéia. Mas era 1º de abril.

Indo um pouco além da data, dá para perceber que o Dia da Mentira digital é recorrente, e cabe em qualquer dia do ano.

Basta ver os sites piratas, os anúncios enganosos, os perfis fakes, as fotos photoshopadas, os vídeos editados.

Mas a culpa não é da tecnologia. Trata-se do uso dos recursos tecnológicos e da capacidade da internet de propagar conteúdo devidamente calibrado, para os mais diversos fins, que não necessariamente ligados à pura diversão.

Talvez fosse o caso de alguém lançar o Dia da Verdade, quem sabe 1º de outubro, 6 meses depois do 1º de abril. Mas… acho que não daria certo, claro que não daria.

Mas, ao menos no Brasil, podemos ter o nosso Dia da Verdade, não em 1º de outubro, mas no domingo, 5. Dia de eleições gerais. E, daqui até lá, podemos usar as ferramentas tecnológicas ao nosso dispor para que possamos brincar no 1º de abril e falar sério no 5 de outubro.

Tecnologia e as promessas de campanha

Ainda falta chegar a Copa do Mundo, mas os atores do mundo político já se preparam para costurar alianças, ganhar tempo de televisão, estruturar propostas baseadas nas expectativas da população.

Segurança, Saúde, Educação, Infraestrutura, Meio-ambiente devem ser objeto de 11 entre 10 temas abordados no horário eleitoral.

E a tecnologia, que hoje é fundamental para cada uma dessas áreas?

Veremos discussões sobre inclusão digital, banda-larga gratuita, computadores e tablets nas escolas…

As redes sociais vão ser mais centrais nas estratégias de campanha, e por elas surgirão discussões interessantes e também muita baixaria.

Mas e aí, teremos propostas que sejam viáveis de implantar e que aproveitem ao máximo da tecnologia existentes para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e contribuintes? Como essa tecnologia pode ajudar na redução das desigualdades sociais, sem agredir o meio-ambiente?

Segurança X Privacidade; melhoria da qualidade na educação e na saúde; segurança pública e individual; a melhora rápida do Brasil nos diversos rankings globais que nos colocam, via de regra, em posições pouco invejáveis.

E como a tecnologia pode apoiar aumentos de produtividade em cada setor da economia, em cada região de nosso país? Essa questão é essencial para que possamos crescer a renda per-capita real sem pressões inflacionárias.

Não estou a querer pautar o debate eleitoral, até porque a tecnologia, em si, não é capaz de proporcionar essas melhorias que ansiamos, independente de posições partidárias. Mas a ferramenta é poderosa.

Se avaliarmos o desempenho das economias que mais cresceram no mundo nas últimas 4 décadas, veremos que todas elas usaram a tecnologia digital como aliada.

Pode até ser que esse debate sobre tecnologia não seja prioritário. E nem deve ser mesmo. Mas não há como imaginar que, por exemplo, os serviços públicos possam melhorar proporcionalmente ao crescimento do número de funcionários. Há que se modernizar a máquina, melhorar e simplificar processos, diminuir a burocracia.

Como existem infinitas possibilidades de usar a tecnologia para podermos crescer mais e melhor, não custa trazer esse tema à baila.

É bom lembrar aos candidatos que a maioria dos 150 milhões de eleitores habilitados a votar terão acesso à informação por conta da tecnologia. Tentar o discurso fácil para ganhar uma eleição pode não ser o suficiente. 

%d blogueiros gostam disto: