Realidade Tátil

Imagem: University of Bristol

Imagem: University of Bristol

O que rola em laboratórios de pesquisas, na área digital, mais parece coisa de filme de ficção científica. Vamos até a Universidade de Bristol, na Inglaterra, e conhecer o Holodeck.

Neste ponto, parece ser apenas uma questão de tempo até que cada dispositivo mostrado no Star Trek se torne uma realidade e, graças a uma inovação, o Holodeck pode ser o próximo.

A empresa britânica Ultrahaptics desenvolveu um método de fornecer feedback tátil para imagens holográficas utilizando tecnologia ultra-sônica, originalmente desenvolvido nos laboratórios de pesquisa da Universidade de Bristol.

Lá, os desenvolvedores do sistema mostraram como criar a sensação tátil através de ondas de ultra-som, que mudam pela alteração da frequência de modulação.

A mudança na pressão que cria as formas virtuais e sensações de força é chamada de “pressão de radiação acústica.”

É algo como acontecia no filme Minority Report, um tipo de sistema que permite manipular dados de computador com gestos no ar. Adicionando textura e feedback forçado a tal interface holográfica e aí dá para começar a entender as possibilidades do sistema da Ultrahaptics ‘.

Assista ao vídeo

“Nós estamos trabalhando nisso há mais de quatro anos”, diz Tom Carter, CTO da Ultrahaptics e membro da equipe que desenvolveu a tecnologia, em entrevista ao site Mashable. “O objetivo da empresa não é lançar o seu próprio produto. Queremos que esta tecnologia seja incorporada a diferentes tipos de produtos, de relógios a eletrodomésticos a carros. Para isso, precisamos envolver os OEMs [fabricantes de equipamentos originais] como parceiros.”

Carter trabalhou sobre esse tema em seu doutorado em ciência da computação na Universidade de Bristol antes de lançar a empresa, com a ajuda de parceiros.

Mas, de acordo com Carter, controles de interface simples são apenas o começo. Mais adiante, em menos de três a quatro anos, ele acredita que os experimentos de laboratório de imagens táteis tridimensionalis poderão ser integradas com sucesso em produtos do mundo real e situações que a maioria de nós poderia utilizar em atividades diárias.

Mas o grande motivador, para Carter, são as aplicações na área de realidade virtual. “O Santo Graal para isso tem de ser realidade virtual”, disse Carter. “Há uma quantidade enorme de desenvolvimentos para permitir tocar virtualmente em coisas como é o caso do Oculus Rift. Até agora, tem sido possível apenas ver e ouvir, você não pode tocar. Aqui, o objetivo seria colocar nesses óculos de realidade virtual para sentir e tocar o mundo virtual “.

A versão atual da tecnologia trabalha em um ambiente de laboratório, e Carter avisa que vamos ter que esperar um pouco mais para ver algumas das aplicações comerciais da tecnologia.

“Por exemplo, ser capaz de [usar a tecnologia para] controlar um dispositivo simples, com um botão, como um despertador, por exemplo”, disse Carter. “O alarme dispara e você só acenar com a mão para fora das cobertas e acenar para poder desligar ou dar um snooze e tirar mais uma sonequinha… Nós adoraríamos ter um produto comercializável nas prateleiras em um ou dois anos. “

Que tal?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: