Voto Impresso: Volta ao Século XX

Está nas mãos do presidente Lula a versão final da chamada “mini-reforma eleitoral”, que de “reforma” não tem nada e só é “mini” porque não aborda os temas principais e, no que muda, na essência, remete ao passado e à falta de transparência.

Desabafo feito, vou comentar as duas vertentes, digamos assim, “tecnológicas” dessa mudança: as regras para a internet e o voto impresso.

As regras para o uso da internet, não terão eficácia e só gerarão polêmicas e demandas judiciais. Poucos candidatos se darão conta do potencial democrático da rede e das vantagens de bem utilizá-la para sensibilizar os eleitores, que depois poderão cobrar dos eleitos.

Mas o que passa desapercebido é a enésima tentativa de criar a impressão do voto confirmado na urna por amostragem de 2%, a parir de 2014, um verdadeiro absurdo.
Essa discussão só interessa a três tipos de pessoas: aos desinformados que fazem alarido por qualquer motivo, aos vendedores de impressoras, tinta e papel e aos derrotados, que, por não terem o voto impresso, podem achar desculpa, ou melhor, culpar a urna eletrônica e questionar a própria democracia.

Os programas das urnas são extremamente seguros. E eles são disponibilizados aos partidos políticos que podem auditá-los antes, para ver da possibilidade de furos ou fraudes. Essa versão debulhada a muitas mãos é então carregada nas 400 e tantas mil urnas que vão a todos os recantos do Brasil e lá se vota.

Fechada a eleição, qualquer dúvida pode ser dirimida simplesmente cotejando o programa da urna com o programa original, auditado e aprovado por todos os interessados.

Se não houve divergência, é claro que não houve erro.

E o voto impresso tem três defeitos insanáveis: (a) o custo é muito maior, (b) a possibilidade de quebra de um dispositivo eletromecânico é enorme e (c) escancara as portas para o voto de cabresto, uma vez que o eleitor pouco instruído pode ser induzido a fotografar seu finalizado e confirmado voto com o celular para comprovar um compromisso com cabos eleitorais a serviço de candidaturas espúrias.

Assim, espero que presidente Lula, que tem até o início do mês para sancionarr a tal lei, vete, no mínimo, essa parte da exigência do voto impresso, pois é um desserviço à democracia e ao bolso de nós, contribuintes.

Anúncios

114 Respostas

  1. Olá Guy,concordo que usar impressão de voto em papel é um retrocesso ao século XX, mas não é por ser um retrocesso que é necessariamente ruim. o método tem mais desvantagens que vantagens, mas quanto vale a democracia?Além das desvantagens já mencionadas, destaco o custo: em 2002 o estado de sergipe, distrito federal e mais 73 municípios utilizaram o voto impresso e o custo ficou em 650 milhões de reais. (http://www.tse.gov.br/internet/eleicoes/votoeletronico/voto_impresso.htm) entre as vantagens estão:- a segurança ao próprio eleitor de que seu voto foi contabilizado para o candidato certo. aproveito pra lembra da dificuldade do eleitor auditar o próprio voto mantendo o mesmo secreto.- detectar fraudes em até 3 urnas por município (http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=20348&sid=4) para garantir que o software previamente auditado é o que rodou durante as eleições. isso é muito mais complexo que auditar o próprio software.E aí vem a grande pergunta: sabendo do enorme custo, quanto vale a possibilidade de auditar os votos das urnas eletrônicas em papel?PS: quanto ao voto de cabresto usando foto feita por celular do papel impresso, o mesmo pode ser feito usando o mesmo celular para gravar um vídeo do processo sem papel. dificilmente celulares que tiram fotos não fazem vídeos.

  2. Olá Guy,concordo que usar impressão de voto em papel é um retrocesso ao século XX, mas não é por ser um retrocesso que é necessariamente ruim. o método tem mais desvantagens que vantagens, mas quanto vale a democracia?Além das desvantagens já mencionadas, destaco o custo: em 2002 o estado de sergipe, distrito federal e mais 73 municípios utilizaram o voto impresso e o custo ficou em 650 milhões de reais. (http://www.tse.gov.br/internet/eleicoes/votoeletronico/voto_impresso.htm) entre as vantagens estão:- a segurança ao próprio eleitor de que seu voto foi contabilizado para o candidato certo. aproveito pra lembra da dificuldade do eleitor auditar o próprio voto mantendo o mesmo secreto.- detectar fraudes em até 3 urnas por município (http://www.convergenciadigital.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=20348&sid=4) para garantir que o software previamente auditado é o que rodou durante as eleições. isso é muito mais complexo que auditar o próprio software.E aí vem a grande pergunta: sabendo do enorme custo, quanto vale a possibilidade de auditar os votos das urnas eletrônicas em papel?PS: quanto ao voto de cabresto usando foto feita por celular do papel impresso, o mesmo pode ser feito usando o mesmo celular para gravar um vídeo do processo sem papel. dificilmente celulares que tiram fotos não fazem vídeos.

  3. Caro Michel,Obrigado pelo comentário e pela boa polêmica!Ao contrário da tecnologia digital, onde as coisas ou são 0 ou são 1, nas suas aplicações as interpretações variam ao sabor do ângulo da observação ou da ação.Não discordo que a impressão do voto sirva para auditar, mas o fato é que, com o processo atual é possível auditar 100% das urnas e detetar fraudes, sem imprimir os votos.Uma coisa que deveria ser feita é a auditoria automática e independente dos programas das urnas ANTES também de totalizar os votos, e só as conformes seriam totalizadas; as com 'problemas' seriam anuladas, e chamados os eleitores a um novo voto logo depois.É inegável, por outro lado, que o processo incluindo o voto impresso é mais longo e mais sujeito a falha do equipamento. E custa mais. Conferir o voto impresso com o da tela gera uma enorme confusão, cria a possibilidade de apontar fraude onde não há, no caso de um eleitor distraido ou mal intencionado dizer que houve 'erro' ao perceber que ele votou errado ou fora dos conformes, ou seja, o erro é dele e não da urna.Fazendo uma analogia com o cotidiano, isso equivale a obrigar a 2% dos usuários de internet banking a imprimirem suas transações bancárias para confirmá-las e só depois validá-las.Mas você tem razão em dizer que dá para filmar o voto não impresso, embora não haja a certeza do 'coiote' que o ciclo foi adequadamente finalizado.Finalmente, e saindo do tema Tecnologia deste blog, acho que a verdadeira fraude nos foi imposta pelo Congresso, ao permitir que candidatos com 'final 171' e assemelhados se candidatem e, pior, possam ser eleitos.Para isso, não há urna eletrônica, com ou sem impressão do voto, que resolva. Infelizmente.

  4. Caro Michel,Obrigado pelo comentário e pela boa polêmica!Ao contrário da tecnologia digital, onde as coisas ou são 0 ou são 1, nas suas aplicações as interpretações variam ao sabor do ângulo da observação ou da ação.Não discordo que a impressão do voto sirva para auditar, mas o fato é que, com o processo atual é possível auditar 100% das urnas e detetar fraudes, sem imprimir os votos.Uma coisa que deveria ser feita é a auditoria automática e independente dos programas das urnas ANTES também de totalizar os votos, e só as conformes seriam totalizadas; as com 'problemas' seriam anuladas, e chamados os eleitores a um novo voto logo depois.É inegável, por outro lado, que o processo incluindo o voto impresso é mais longo e mais sujeito a falha do equipamento. E custa mais. Conferir o voto impresso com o da tela gera uma enorme confusão, cria a possibilidade de apontar fraude onde não há, no caso de um eleitor distraido ou mal intencionado dizer que houve 'erro' ao perceber que ele votou errado ou fora dos conformes, ou seja, o erro é dele e não da urna.Fazendo uma analogia com o cotidiano, isso equivale a obrigar a 2% dos usuários de internet banking a imprimirem suas transações bancárias para confirmá-las e só depois validá-las.Mas você tem razão em dizer que dá para filmar o voto não impresso, embora não haja a certeza do 'coiote' que o ciclo foi adequadamente finalizado.Finalmente, e saindo do tema Tecnologia deste blog, acho que a verdadeira fraude nos foi imposta pelo Congresso, ao permitir que candidatos com 'final 171' e assemelhados se candidatem e, pior, possam ser eleitos.Para isso, não há urna eletrônica, com ou sem impressão do voto, que resolva. Infelizmente.

  5. Boa essa do "final 171"… Mas lembre que essa turma foi eleita por uma imensa maioria de brasileiros que não são nem estão "171", mas sofrem com o "171" da falta de opções e de informações.

  6. Boa essa do "final 171"… Mas lembre que essa turma foi eleita por uma imensa maioria de brasileiros que não são nem estão "171", mas sofrem com o "171" da falta de opções e de informações.

  7. um problema em auditar as urnas antes da votação e antes da totalização é que entre as auditorias o software pode ter sido adulterado e restaurado, o que é possível com acesso físico às urnas.quanto a fazer a auditoria automaticamente, via software das urnas é impossível, pois seria necessário verificar fisicamente os lacres das mesmas. isso pra não dizer da necessidade da auditoria de cada cópia do software auditor enviada para cada canto do país e o custo disso seria astronômico.outro problema do voto impresso é que o eleitor pode simplesmente não depositar seu voto na urna de papel e nem a máquina pode fazer isso automaticamente, pois não há garantia de que o papel auditado pelo eleitor é o que foi pra urna.já que você comparou o voto com impressão a uma transação bancária com impressão, te pergunto: podemos confiar 100% em internet banking? você não imprime comprovantes, extratos regularmente ou não recebe a cartinha mensal do banco com valores da sua conta?a única utilidade do voto impresso é auditar o sistema eletrônico, pois se este for fraudado, os resultados são desastrosos. e é possível fraudar sem deixar rastros.hehehe, sobre os candidatos 171 só conseguiriam aprovar isso se fossem maioria no congresso.e sempre gosto de citar essa frase: "cada povo tem os políticos que merece!". se alguém acha que merece mais que isso, que dedique mais tempo pra escolher seu candidato.

  8. um problema em auditar as urnas antes da votação e antes da totalização é que entre as auditorias o software pode ter sido adulterado e restaurado, o que é possível com acesso físico às urnas.quanto a fazer a auditoria automaticamente, via software das urnas é impossível, pois seria necessário verificar fisicamente os lacres das mesmas. isso pra não dizer da necessidade da auditoria de cada cópia do software auditor enviada para cada canto do país e o custo disso seria astronômico.outro problema do voto impresso é que o eleitor pode simplesmente não depositar seu voto na urna de papel e nem a máquina pode fazer isso automaticamente, pois não há garantia de que o papel auditado pelo eleitor é o que foi pra urna.já que você comparou o voto com impressão a uma transação bancária com impressão, te pergunto: podemos confiar 100% em internet banking? você não imprime comprovantes, extratos regularmente ou não recebe a cartinha mensal do banco com valores da sua conta?a única utilidade do voto impresso é auditar o sistema eletrônico, pois se este for fraudado, os resultados são desastrosos. e é possível fraudar sem deixar rastros.hehehe, sobre os candidatos 171 só conseguiriam aprovar isso se fossem maioria no congresso.e sempre gosto de citar essa frase: "cada povo tem os políticos que merece!". se alguém acha que merece mais que isso, que dedique mais tempo pra escolher seu candidato.

  9. Michel, eu estou ficando 'verde', no sentido ecológico, não no político nem no futebolístico, e sim na linha de ajudar a conservar os recursos finitos desse nosso espoliado planeta.Assim, tudo que possa fazer para minimizar o uso de energia e reduzir poluição é comigo mesmo!Sobre os extratos bancários, não, eu não os recebo impressos, e pedi para isso não acontecer. Eu faço o download dos registros e os gravo em Excel ou em formato pdf, e economizo papel, tinta, combustível, sola de sapato do carteiro, enfim, se todos fizessem isso e muito mais, teríamos um planeta melhor, usando a tecnologia.Sobre a auditagem de votos, eu posso te afirmar que tudo que possa ser auditado com papel pode ser melhor auditado com uso de arquivos digitais. Não é um limite tecnológico, é de processo apenas.Hoje já temos 99% dos contribuintes mandando o IR pela rede, já temos uma boa parte de notas fiscais entre empresas no formato eletrônico, com drástica redução (mas ainda não a eliminação) de papel.Eu não tenho mais agendas de papel, escrevo 99% das minhas coisas eletronicamente, sou um 'veterano digital' inconformado com um paradoxo que só agora, quase na segunda década do novo século do novo milênio começa a se inverter: o inexplicável e indesculpável aumento do consumo de papel -per capita- com o crescimento da informatização.As estimativas são que até 2014 -ano da Copa- o mundo consumirá menos papel per capita do que no ano anterior.É o fim da picada que uma empresa como a HP tenha como unidade mais lucrativa sua divisão de impressoras e insumos, mesmo com uma vaca leiteira como sua divisão de consultoria.Respeitando seus pontos de vista, que, diga-se de passagem, estimulam o bom debate, eu prefiro o digital. Ainda vou viajar de avião aqui no Brasil com um bilhete 100% eletrônico, da reserva até o embarque, sem papel.Sobre nossos candidatos: somos nós que os elegemos e, rótulos à parte, exstem excelentes parlamentares de todas as regiões do país, mas a média puxa para baixo. Um dos motivos é que cobramos pouco, outro é o sistema de representação que nos distancia dos eleitos, outro é o sistema partidário que convida a barganhas para formar maiorias, mas isso é tema para um blog de política… Pense digital, pense "paperless".

  10. Michel, eu estou ficando 'verde', no sentido ecológico, não no político nem no futebolístico, e sim na linha de ajudar a conservar os recursos finitos desse nosso espoliado planeta.Assim, tudo que possa fazer para minimizar o uso de energia e reduzir poluição é comigo mesmo!Sobre os extratos bancários, não, eu não os recebo impressos, e pedi para isso não acontecer. Eu faço o download dos registros e os gravo em Excel ou em formato pdf, e economizo papel, tinta, combustível, sola de sapato do carteiro, enfim, se todos fizessem isso e muito mais, teríamos um planeta melhor, usando a tecnologia.Sobre a auditagem de votos, eu posso te afirmar que tudo que possa ser auditado com papel pode ser melhor auditado com uso de arquivos digitais. Não é um limite tecnológico, é de processo apenas.Hoje já temos 99% dos contribuintes mandando o IR pela rede, já temos uma boa parte de notas fiscais entre empresas no formato eletrônico, com drástica redução (mas ainda não a eliminação) de papel.Eu não tenho mais agendas de papel, escrevo 99% das minhas coisas eletronicamente, sou um 'veterano digital' inconformado com um paradoxo que só agora, quase na segunda década do novo século do novo milênio começa a se inverter: o inexplicável e indesculpável aumento do consumo de papel -per capita- com o crescimento da informatização.As estimativas são que até 2014 -ano da Copa- o mundo consumirá menos papel per capita do que no ano anterior.É o fim da picada que uma empresa como a HP tenha como unidade mais lucrativa sua divisão de impressoras e insumos, mesmo com uma vaca leiteira como sua divisão de consultoria.Respeitando seus pontos de vista, que, diga-se de passagem, estimulam o bom debate, eu prefiro o digital. Ainda vou viajar de avião aqui no Brasil com um bilhete 100% eletrônico, da reserva até o embarque, sem papel.Sobre nossos candidatos: somos nós que os elegemos e, rótulos à parte, exstem excelentes parlamentares de todas as regiões do país, mas a média puxa para baixo. Um dos motivos é que cobramos pouco, outro é o sistema de representação que nos distancia dos eleitos, outro é o sistema partidário que convida a barganhas para formar maiorias, mas isso é tema para um blog de política… Pense digital, pense "paperless".

  11. Ah, desperdício de recursos e energia é outro assunto. acredito que o papel deve ser usado quando não há alternativas melhores para auditar processos eletrônicos e isso não é desperdício.no caso das eleições a quantidade de papel usada por votante é praticamente irrelevante comparada ao santinhos e folhetos despejados nas ruas próximas a locais de votação por candidatos.guardo muitos comprovantes bancários apenas em formato eletrônico, mas os mais relevantes têm backup em papel, que é uma mídia muito mais durável que qualquer mídia eletrônica.

  12. Ah, desperdício de recursos e energia é outro assunto. acredito que o papel deve ser usado quando não há alternativas melhores para auditar processos eletrônicos e isso não é desperdício.no caso das eleições a quantidade de papel usada por votante é praticamente irrelevante comparada ao santinhos e folhetos despejados nas ruas próximas a locais de votação por candidatos.guardo muitos comprovantes bancários apenas em formato eletrônico, mas os mais relevantes têm backup em papel, que é uma mídia muito mais durável que qualquer mídia eletrônica.

  13. Boa Noite Guy,Importante seu posisionamento, porém tem que ser bem fundamentado, somos o único país que as eleições não são possíveis de serem conferidas, países como Alemanha,EUA,Japão não utilizam a UE brasileira e até são contra o voto inalditável. Auditoria virtual é coisa complicada e muito passivel de fraude. Voce já tirou estrato bancário impresso? Ou somente na tela voce confia?

  14. Boa Noite Guy,Importante seu posisionamento, porém tem que ser bem fundamentado, somos o único país que as eleições não são possíveis de serem conferidas, países como Alemanha,EUA,Japão não utilizam a UE brasileira e até são contra o voto inalditável. Auditoria virtual é coisa complicada e muito passivel de fraude. Voce já tirou estrato bancário impresso? Ou somente na tela voce confia?

  15. Esta urna eletrônica NORTE-AMERICANA sem o voto impresso É UM GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA e, por este motivo, NÃO É ACEITA EM NENHUM OUTRO PAÍS. Na Venezuela, com o governo insurgente de Hugo Chaves, A OEA – ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS EXIGIU QUE AS URNAS EMITISSEM O VOTO PARA POSTERIOR RECONTAGEM. Por qual motivo, SÓ NO BRASIL É QUE A IMPRESSÃO TEM DE SER VETADA.Portanto, se no mundo inteiro a urna eletrônica só é aceita COM O VOTO IMPRESSO, a BURRICE de não imprimi-lo ESTÁ NO BRASIL e não com os ditos "desinformados" !!!

  16. Esta urna eletrônica NORTE-AMERICANA sem o voto impresso É UM GOLPE CONTRA A DEMOCRACIA e, por este motivo, NÃO É ACEITA EM NENHUM OUTRO PAÍS. Na Venezuela, com o governo insurgente de Hugo Chaves, A OEA – ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS EXIGIU QUE AS URNAS EMITISSEM O VOTO PARA POSTERIOR RECONTAGEM. Por qual motivo, SÓ NO BRASIL É QUE A IMPRESSÃO TEM DE SER VETADA.Portanto, se no mundo inteiro a urna eletrônica só é aceita COM O VOTO IMPRESSO, a BURRICE de não imprimi-lo ESTÁ NO BRASIL e não com os ditos "desinformados" !!!

  17. O articulista está totalmente equivocado. As urnas podem ser seguras eletronicamente, mas quem as comanda os softs faz o que quiser, incluindo a fraude eleitoral.Se auditorias de sistemas computacionais fossem desnecessárias os bancos não gastariam milhões de reais para proteger seus computadores de ataques internos (funcionários) e externos.Para prevenir a fraude é indispensável a impressão dos votos para posterior verificação por amostragem.Weber FigueiredoEngenheiro Eletrônico, D.Sc.Professor na UERJ e CEFET-RJ

  18. O articulista está totalmente equivocado. As urnas podem ser seguras eletronicamente, mas quem as comanda os softs faz o que quiser, incluindo a fraude eleitoral.Se auditorias de sistemas computacionais fossem desnecessárias os bancos não gastariam milhões de reais para proteger seus computadores de ataques internos (funcionários) e externos.Para prevenir a fraude é indispensável a impressão dos votos para posterior verificação por amostragem.Weber FigueiredoEngenheiro Eletrônico, D.Sc.Professor na UERJ e CEFET-RJ

  19. Fala isso para o Bruce Schneier, um dos maiores especialista em segurança da atualidade…http://www.schneier.com/blog/archives/2004/11/the_problem_wit.htmlE esse blog ainda se diz de tecnologia. Precisa estudar um pouco…

  20. Fala isso para o Bruce Schneier, um dos maiores especialista em segurança da atualidade…http://www.schneier.com/blog/archives/2004/11/the_problem_wit.htmlE esse blog ainda se diz de tecnologia. Precisa estudar um pouco…

  21. Quanta besteira escreveu o autor do artigo.1) é mais fácil fotografar a tela da urnas do que o voto impresso. Tem um monte de filme do voto no YouTube e tem o caso confessado na Praia Grande, SP, em 2008;2) TODAS AS URNAS-E já possuem impressoras. O TSE vai comprar 500 mil novas UE. Basta acrescentar um visor. Não precisa comprar nenhuminha impressora a mais;3) eu acompanho a apresentação dos sistemas no TSE desde 2000 e afirmo que é impossivel avaliar os programas-fontes. Em 2008 o TSE manteve secreto 4 relatórios com sugestões de adaptações no software e não deixou que os técnicos dos partidos soubessem o que foi modificado.4)o conceito de Auditoria Independente do Software das urna-e por meio da recontagem dos Votos Impressos Conferidos pelo Eleitor, que é exatamente o que o Art. 5º da reforma eleitoral impõe, foi proposto em 2006 pelo PhD. Ronald Rivest, que também é o inventor da técnica de Assinatura Digital, quando compreendeu que esta técnica NÃO É SUFICIENTE PARA GARANTIR A INTEGERIDADE DO SOFTWARE EM MILHARES DE MÁQUINAS DE VOTAR.Vejam em:http://vote.nist.gov/SI-in-voting.pdfEsta proposta do Rivest, incluindo o voto impresso, foi adotada pela U.S. Election Assistance Commission e pelo NIST. Veja em:http://www.eac.gov/vvsg

  22. Quanta besteira escreveu o autor do artigo.1) é mais fácil fotografar a tela da urnas do que o voto impresso. Tem um monte de filme do voto no YouTube e tem o caso confessado na Praia Grande, SP, em 2008;2) TODAS AS URNAS-E já possuem impressoras. O TSE vai comprar 500 mil novas UE. Basta acrescentar um visor. Não precisa comprar nenhuminha impressora a mais;3) eu acompanho a apresentação dos sistemas no TSE desde 2000 e afirmo que é impossivel avaliar os programas-fontes. Em 2008 o TSE manteve secreto 4 relatórios com sugestões de adaptações no software e não deixou que os técnicos dos partidos soubessem o que foi modificado.4)o conceito de Auditoria Independente do Software das urna-e por meio da recontagem dos Votos Impressos Conferidos pelo Eleitor, que é exatamente o que o Art. 5º da reforma eleitoral impõe, foi proposto em 2006 pelo PhD. Ronald Rivest, que também é o inventor da técnica de Assinatura Digital, quando compreendeu que esta técnica NÃO É SUFICIENTE PARA GARANTIR A INTEGERIDADE DO SOFTWARE EM MILHARES DE MÁQUINAS DE VOTAR.Vejam em:http://vote.nist.gov/SI-in-voting.pdfEsta proposta do Rivest, incluindo o voto impresso, foi adotada pela U.S. Election Assistance Commission e pelo NIST. Veja em:http://www.eac.gov/vvsg

  23. A questão aqui não é custo ou derrubada de árvores, é a Democracia. Ainda não inventaram um sistema eletrônico 100% seguro. Tanto que os principais governos e organizações democráticas do Mundo já fecharam questão que sem voto impresso é impossível auditar uma eleição eletrônica.Sugiro ao autor estudar segurança em votação eletrônica e tambem segurança da informação em geral. Existe um grande buraco no seu conhecimento.Obrigado,Fernando.

  24. A questão aqui não é custo ou derrubada de árvores, é a Democracia. Ainda não inventaram um sistema eletrônico 100% seguro. Tanto que os principais governos e organizações democráticas do Mundo já fecharam questão que sem voto impresso é impossível auditar uma eleição eletrônica.Sugiro ao autor estudar segurança em votação eletrônica e tambem segurança da informação em geral. Existe um grande buraco no seu conhecimento.Obrigado,Fernando.

  25. Se uma linha de programa for inserida nestas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, desviando 20% dos votos para uma PARTIDO SUBMISSO, tanto o Executivo como a maioria do Legislativo será eleita para ENTREGAREM A SOBERANIA TERRITORIAL brasileira sobre a Base de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão; sobre os TERRITÓRIOS INDÍGENAS, com laudos assinados por motoristas colocados como TÉCNICOS DO INCRA para forjarem relatórios favoráveis a estas "reservas indígenas aloucadas" e para ACABAREM DE ENTREGAR O PATRIMÔNIO NACIONAL das Empresas Estatais que ainda não foram entregues, como a PETROBRÁS, o Banco do Brasil, a CEF, e outras que porventuram tenham escapado da MAIOR TRAIÇÃO da história brasileira, quando um "presidente" que jurou defender a Constituição e os Interesses Nacionais faz justamente o oposto. E olha que, se um soldado que tente desertar, pode levar um tiro nas costas, o que merecem GOVERNANTES SUBMISSOS COMO ESTES ?!!

  26. Se uma linha de programa for inserida nestas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, desviando 20% dos votos para uma PARTIDO SUBMISSO, tanto o Executivo como a maioria do Legislativo será eleita para ENTREGAREM A SOBERANIA TERRITORIAL brasileira sobre a Base de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão; sobre os TERRITÓRIOS INDÍGENAS, com laudos assinados por motoristas colocados como TÉCNICOS DO INCRA para forjarem relatórios favoráveis a estas "reservas indígenas aloucadas" e para ACABAREM DE ENTREGAR O PATRIMÔNIO NACIONAL das Empresas Estatais que ainda não foram entregues, como a PETROBRÁS, o Banco do Brasil, a CEF, e outras que porventuram tenham escapado da MAIOR TRAIÇÃO da história brasileira, quando um "presidente" que jurou defender a Constituição e os Interesses Nacionais faz justamente o oposto. E olha que, se um soldado que tente desertar, pode levar um tiro nas costas, o que merecem GOVERNANTES SUBMISSOS COMO ESTES ?!!

  27. Uma das vantagens de ter um blog é a democracia das opiniões, todas devidamente respeitadas pelo autor.Qaundo coloquei esse post, sabia de seu potencial de críticas, mas, até por força de ofício, posso dizer que conheço razavelmente vem o processo eleitoral, como um todo, e, mais ainda, tenho uma experiência no setor de bastante tempo.Minha prática em TI poderia até me levar a uma posição conservadora, como a de muitos aqui que defendem o voto impresso.Não há dúvida quanto a alternativa do voto impresso, tanto como processo auditável (é bom), como pelo custo (é maior).O ponto em questão é que o voto 100% eletrônico é tão ou mais seguro, desde que o processo seja seguro.Um dos comentaristas dessa postagem me pergunta se eu uso extrato bancário impresso, e a resposta é NÃO, eu não uso extrato impresso.A possibilidade de fraude em voto eletrônico no Brasil, volto a insistir, é muito menor do que em qualquer outro país.Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, alguns podem ser tentados a fraudar o processo, e poucos podem conseguir.Um processo 100% imune a fraude não existe, mas o aperfeiçoamento do processo de voto eletrônico é algo que vem ocorrendo no Brasil, e é reconhecido como o melhor, ou um dos melhores do mundo.Por vezes é difícil comparar, pois existem processos muito diferentes do que o nosso, como é o caso dos EStados Unidos, onde nem mesmo a legislação eleitoral é unificada.O tema em pauta é técnico, não emocional, mas desperta muitos interesses e opiniões inflamadas, todas respaitadas pelo blogueiro, embora não necessariamente concorde com elas.O Brasil tem hoje 3 grandes processos digitais reconhecidos globalmente, que impactam para melhor nossas vidas e devemos nos orgulhar deles, fruto de nosssa competência tecnológica e de nosso pioneirismo:O voto eletrônicoO Imposto de Renda enviado pela internetO Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB)"Ah! Mas você imprime seu recibo de IR", dirão alguns. Não, eu não imprimo, eu gero arquivo em formato PDF e arquivo eletronicamente.Eu não emito cheque desde 2005, e meus extratos são todos eletrônicos. Nem por isso deixo de me sentir seguro.

  28. Uma das vantagens de ter um blog é a democracia das opiniões, todas devidamente respeitadas pelo autor.Qaundo coloquei esse post, sabia de seu potencial de críticas, mas, até por força de ofício, posso dizer que conheço razavelmente vem o processo eleitoral, como um todo, e, mais ainda, tenho uma experiência no setor de bastante tempo.Minha prática em TI poderia até me levar a uma posição conservadora, como a de muitos aqui que defendem o voto impresso.Não há dúvida quanto a alternativa do voto impresso, tanto como processo auditável (é bom), como pelo custo (é maior).O ponto em questão é que o voto 100% eletrônico é tão ou mais seguro, desde que o processo seja seguro.Um dos comentaristas dessa postagem me pergunta se eu uso extrato bancário impresso, e a resposta é NÃO, eu não uso extrato impresso.A possibilidade de fraude em voto eletrônico no Brasil, volto a insistir, é muito menor do que em qualquer outro país.Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, alguns podem ser tentados a fraudar o processo, e poucos podem conseguir.Um processo 100% imune a fraude não existe, mas o aperfeiçoamento do processo de voto eletrônico é algo que vem ocorrendo no Brasil, e é reconhecido como o melhor, ou um dos melhores do mundo.Por vezes é difícil comparar, pois existem processos muito diferentes do que o nosso, como é o caso dos EStados Unidos, onde nem mesmo a legislação eleitoral é unificada.O tema em pauta é técnico, não emocional, mas desperta muitos interesses e opiniões inflamadas, todas respaitadas pelo blogueiro, embora não necessariamente concorde com elas.O Brasil tem hoje 3 grandes processos digitais reconhecidos globalmente, que impactam para melhor nossas vidas e devemos nos orgulhar deles, fruto de nosssa competência tecnológica e de nosso pioneirismo:O voto eletrônicoO Imposto de Renda enviado pela internetO Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB)"Ah! Mas você imprime seu recibo de IR", dirão alguns. Não, eu não imprimo, eu gero arquivo em formato PDF e arquivo eletronicamente.Eu não emito cheque desde 2005, e meus extratos são todos eletrônicos. Nem por isso deixo de me sentir seguro.

  29. Nada de voto impresso, sô!!!Fraude está nesses candidatinhos que se elegem mentindo para nós e entrando no esquema de mensalões e afins.

  30. Nada de voto impresso, sô!!!Fraude está nesses candidatinhos que se elegem mentindo para nós e entrando no esquema de mensalões e afins.

  31. É louvável sua iniciativa de discutir o voto eletrônico. Na verdade, um dos aspectos mais assustadores tem sido a falta de disposição do TSE em informar a população dos problemas de conferência do voto na urna eletrônica. Porém, julgo-me na obrigação de tecer alguns comentários sobre suas observações. Em primeiro lugar, não é verdade que haja tempo suficiente para examinar-se o código fonte do programa da urna. Mesmo que houvesse tempo hábil, nós profissionais da área sabemos que não há garantia absoluta de correspondência entre o que foi examinado e o módulo executável que estará carregado, a qualquer instante nas urnas. Também não é possível cotejar o executável encontrado com o que teria "rodado" durante a eleição. Em resumo: a urna, tal como existe atualmente, é inauditável. Não me considero desinformado, nunca fui candidato, nem vendo impressoras. Por favor, consulte os profissionais de computação. A única forma de evitar-se uma ameaça, digamos … futura, à democracia, é manter-se a materialidade do voto, removida pelo processo empregado no momento em nossas eleições. Os eventuais custos envolvidos são consequência do abandono (justificável) da urna convencional. Em tempo: pode-se fotografar ou filmar tanto a impressão quanto a tela. Não é por aí. Obrigado. Abs.

  32. É louvável sua iniciativa de discutir o voto eletrônico. Na verdade, um dos aspectos mais assustadores tem sido a falta de disposição do TSE em informar a população dos problemas de conferência do voto na urna eletrônica. Porém, julgo-me na obrigação de tecer alguns comentários sobre suas observações. Em primeiro lugar, não é verdade que haja tempo suficiente para examinar-se o código fonte do programa da urna. Mesmo que houvesse tempo hábil, nós profissionais da área sabemos que não há garantia absoluta de correspondência entre o que foi examinado e o módulo executável que estará carregado, a qualquer instante nas urnas. Também não é possível cotejar o executável encontrado com o que teria "rodado" durante a eleição. Em resumo: a urna, tal como existe atualmente, é inauditável. Não me considero desinformado, nunca fui candidato, nem vendo impressoras. Por favor, consulte os profissionais de computação. A única forma de evitar-se uma ameaça, digamos … futura, à democracia, é manter-se a materialidade do voto, removida pelo processo empregado no momento em nossas eleições. Os eventuais custos envolvidos são consequência do abandono (justificável) da urna convencional. Em tempo: pode-se fotografar ou filmar tanto a impressão quanto a tela. Não é por aí. Obrigado. Abs.

  33. A simples colocação de sua frase, abaixo reproduzida, é suficiente para demonstrar que A SOBERANIA POPULAR exercida através do VOTO DIRETO E SECRETO, na qual, os Eleitores decidem o futuro da Nação, não podem ficar a mercê da possibilidade de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, demonstrando que, O RESTO É RESTO, e que não és tão CONSERVADOR quanto deverias, como Graduado em Tecnologia da Informação.Vossas palavras:Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, ALGUNS PODEM SER TENTADOS A FRAUDAR O PROCESSO, e POUCOS PODEM CONSEGUIR.Portanto, basta que apenas um consiga e vai-se a nossa DEMOCRACIA pelo ralo, isto é ACEITÁVEL OU ADMISSÍVEL ?!!Leamartine Pinheiro de SouzaModerador do Fórum do Voto-Eletrônicowww.votoseguro.org21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  34. A simples colocação de sua frase, abaixo reproduzida, é suficiente para demonstrar que A SOBERANIA POPULAR exercida através do VOTO DIRETO E SECRETO, na qual, os Eleitores decidem o futuro da Nação, não podem ficar a mercê da possibilidade de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, demonstrando que, O RESTO É RESTO, e que não és tão CONSERVADOR quanto deverias, como Graduado em Tecnologia da Informação.Vossas palavras:Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, ALGUNS PODEM SER TENTADOS A FRAUDAR O PROCESSO, e POUCOS PODEM CONSEGUIR.Portanto, basta que apenas um consiga e vai-se a nossa DEMOCRACIA pelo ralo, isto é ACEITÁVEL OU ADMISSÍVEL ?!!Leamartine Pinheiro de SouzaModerador do Fórum do Voto-Eletrônicowww.votoseguro.org21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  35. Caro Guy Manuel,Você está desinformado sobre a aceitação das urnas brasileiras fora do Brasil.Desde 1996 mais de 50 países vieram aqui conhecer nossas urnas, e alguns até receberam urnas de graça para testar, e NENHUM as adotou!Ela foi oficialmente rejeitada pelo México, pelo Equador, pelo Paraguai e pela Argentina (que neste ano vão testar urnas com cédulas simultaneamente eletrônicas e impressas).Nossas urnas também foram oficialmente rejeitadas, de forma indireta, na Alemanha, na Holanda, no Reino Unido, no Canadá e em 39 Estados dos EUA.Também não é valida sua comparação de confiabilidade entre sistemas eleitorais digitais e sistemas finaceiros digitais. Volto a citar o Ronald Rivest (inventor da assinatura digital) que reconheceu que são problemas de diferentes graus de dificuldade, dizendo: "é muito mais fácil transferir eletronicamente com segurança um milhão de dolares do que apurar um voto eletrônico com segurança".Você pode optar por não reter cópia impressa dos seus depósitos em caixas eletrônicos, como pode optar por não conferir o conteúdo do seu voto impresso. Mas não teria sentido proibir que os caixas eletrônicos imprimam os comprovantes para quem os queira como garantia, só porque você não os quer.Rivest também, é signatário do Relatório Brennan que descreveu 128 modalidade de fraudes em sistema eleitorais eletrônicos (inclusive algumas fraudes com o voto impresso) e concluiu que a fraude "mais fácil", quer dizer, a de melhor custo/benefício para o fraudador, é adulterar o software de máquinas DRE sem voto impresso (como as urnas brasileiras).Tenho que concordar com a sugestão do Sovat para que você procure se informar melhor sobre o que tem rolado no meio acadẽmico do mundo sobre segurança do voto eletrônico.

  36. Caro Guy Manuel,Você está desinformado sobre a aceitação das urnas brasileiras fora do Brasil.Desde 1996 mais de 50 países vieram aqui conhecer nossas urnas, e alguns até receberam urnas de graça para testar, e NENHUM as adotou!Ela foi oficialmente rejeitada pelo México, pelo Equador, pelo Paraguai e pela Argentina (que neste ano vão testar urnas com cédulas simultaneamente eletrônicas e impressas).Nossas urnas também foram oficialmente rejeitadas, de forma indireta, na Alemanha, na Holanda, no Reino Unido, no Canadá e em 39 Estados dos EUA.Também não é valida sua comparação de confiabilidade entre sistemas eleitorais digitais e sistemas finaceiros digitais. Volto a citar o Ronald Rivest (inventor da assinatura digital) que reconheceu que são problemas de diferentes graus de dificuldade, dizendo: "é muito mais fácil transferir eletronicamente com segurança um milhão de dolares do que apurar um voto eletrônico com segurança".Você pode optar por não reter cópia impressa dos seus depósitos em caixas eletrônicos, como pode optar por não conferir o conteúdo do seu voto impresso. Mas não teria sentido proibir que os caixas eletrônicos imprimam os comprovantes para quem os queira como garantia, só porque você não os quer.Rivest também, é signatário do Relatório Brennan que descreveu 128 modalidade de fraudes em sistema eleitorais eletrônicos (inclusive algumas fraudes com o voto impresso) e concluiu que a fraude "mais fácil", quer dizer, a de melhor custo/benefício para o fraudador, é adulterar o software de máquinas DRE sem voto impresso (como as urnas brasileiras).Tenho que concordar com a sugestão do Sovat para que você procure se informar melhor sobre o que tem rolado no meio acadẽmico do mundo sobre segurança do voto eletrônico.

  37. Prezado Eng.Guy Cumprimentos pela sua defesa da democracia (pela diversidade de opiniões). Também sou ecologista e luto pela preservação do planeta. Detesto usar o argumento da autoridade e não costumo desdenhar dos desinformados, mas se um engenheiro se assume como consultor em TI e escreve um artigo com tantas impropriedades e meias verdades, calar é violentar minha consciência. Pois alguns desavisados, e sempre os há, podem acreditar acriticamente no que o senhor escreveu. Não sou candidato derrotado, nunca trabalhei em algo relacionado com atividades eleitorais e não ofereço qualquer tipo de consultoria na área. Por isso, minha opinião é livre de interesses financeiros e/ou partidários. O que me move é a preocupação de deixarmos para as gerações vindouras um sistema eleitoral tão falho, sujeito a inúmeras fraudes e manipulações, na contra-mão de tudo que se faz no resto do planeta. E, pior, impingido desonestamente como uma maravilha para a sociedade iludida e anestesiada. Não é condizente com a democracia pela qual lutei. Esse sistema é fraudável sob todos os pontos de vista, não passa nos testes menos exigentes de segurança de dados (sistema informático no qual a segurança depende da honestidade de seus controladores é intrinsecamente inseguro). Os programas não são auditados, não existe segurança baseada apenas no software e os testes que o TSE oferece são ridículos (coisas de amadores..) As afirmações dos doutos (na área jurídica) juizes do TSE, nos quais o senhor parece acreditar, são risíveis e irrelevantes, pois eles entendem de segurança de dados menos do que eu, engenheiro eletrônico, entendo de cirurgia pulmonar. Só o fato do TSE fugir de debates e/ou testes independentes já depõe contra a honestidade da urna-e. No site http://www.votoseguro.org há uma cartilha com um resumo das principais críticas dos que desejamos mais transparência (Um de nossos lemas: SEI EM QUEM VOTEI. ELES TAMBEM. MAS SÓ ELES SABEM QUEM RECEBEU O MEU VOTO!). Que tal o TSE, e/ou seus defensores (o sr. incluido), responderem às graves afirmações lá contidas? Ei-las: (Continua)

  38. Prezado Eng.Guy Cumprimentos pela sua defesa da democracia (pela diversidade de opiniões). Também sou ecologista e luto pela preservação do planeta. Detesto usar o argumento da autoridade e não costumo desdenhar dos desinformados, mas se um engenheiro se assume como consultor em TI e escreve um artigo com tantas impropriedades e meias verdades, calar é violentar minha consciência. Pois alguns desavisados, e sempre os há, podem acreditar acriticamente no que o senhor escreveu. Não sou candidato derrotado, nunca trabalhei em algo relacionado com atividades eleitorais e não ofereço qualquer tipo de consultoria na área. Por isso, minha opinião é livre de interesses financeiros e/ou partidários. O que me move é a preocupação de deixarmos para as gerações vindouras um sistema eleitoral tão falho, sujeito a inúmeras fraudes e manipulações, na contra-mão de tudo que se faz no resto do planeta. E, pior, impingido desonestamente como uma maravilha para a sociedade iludida e anestesiada. Não é condizente com a democracia pela qual lutei. Esse sistema é fraudável sob todos os pontos de vista, não passa nos testes menos exigentes de segurança de dados (sistema informático no qual a segurança depende da honestidade de seus controladores é intrinsecamente inseguro). Os programas não são auditados, não existe segurança baseada apenas no software e os testes que o TSE oferece são ridículos (coisas de amadores..) As afirmações dos doutos (na área jurídica) juizes do TSE, nos quais o senhor parece acreditar, são risíveis e irrelevantes, pois eles entendem de segurança de dados menos do que eu, engenheiro eletrônico, entendo de cirurgia pulmonar. Só o fato do TSE fugir de debates e/ou testes independentes já depõe contra a honestidade da urna-e. No site http://www.votoseguro.org há uma cartilha com um resumo das principais críticas dos que desejamos mais transparência (Um de nossos lemas: SEI EM QUEM VOTEI. ELES TAMBEM. MAS SÓ ELES SABEM QUEM RECEBEU O MEU VOTO!). Que tal o TSE, e/ou seus defensores (o sr. incluido), responderem às graves afirmações lá contidas? Ei-las: (Continua)

  39. (Continuação)CARTILHA BÁSICA DO VOTO-E no Brasil (Atualizada em agosto de 2009) I) Argumentos técnicos demonstram a insegurança da urna eletrônica brasileira: 1. Adulterações nos programas podem provocar o desvio de votos sem deixar rastros 2. Adulterações nos programas podem permitir a identificação sistemática do voto (o número do título eleitoral é digitado na urna) 3. É impossível verificar, na prática, se os programas das 400 mil urnas são corretos II) São procedimentos insuficientes para garantir a segurança (passíveis de serem burlados): 1. Emissão da Zerézima (suposta demonstração de que a urna estaria sem votos) 2. Votação Paralela (simulada) no dia da eleição 3. Auto-verificação de assinaturas digitais pelo próprio programa das urnas III) A propaganda do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre suas próprias urnas eletrônicas: 1. Usa jargão que confunde o eleitor 2. Sistematicamente ignora e nega os inúmeros problemas ocorridos IV) Em relação à confiabilidade: 1. A urna eletrônica brasileira não permite conferência externa da apuração 2. O TSE impede uma investigação independente 3. O TSE mantém secretos relatórios que apontam falhas importantes V) As urnas biométricas (com leitura da impressão digital do eleitor) também são inseguras: 1. Não são aceitas em todo o mundo por causa dos riscos de violação de votos 2. Tem custo proibitivo (equipamentos, programas e conferências) 3. Não impedem fraudes do mesário (colocar votos por eleitores ausentes) 4. Não impedem a compra de abstenção ou de votos (feita com filmagem pelo celular) 5. Dificultam, mas não impedem, o cadastro de eleitores fantasmas VI) Visão do exterior sobre a urna eletrônica brasileira 1. Foi rejeitada por TODOS os mais de 50 países que vieram conhecê-la 2. É proibida em dezenas de países por não materializar o voto e por identificar o eleitor (exemplo: Alemanha, Holanda, Reino Unido, 40 estados dos EUA, Argentina, México e Paraguai) 3. Até o inventor da Assinatura Digital condena a ausência da materialização do voto VII) O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) detém super-poderes. Em relação às eleições, ele:. 1. Executa/administra 2. Legisla/regulamenta (a fiscalização permitida é feita com regras do próprio fiscalizado) 3. Julga 4. Muitas vezes ignora as próprias regras 5. Recebe as denúncias 6. Protela ou arquiva 7. Julga-se 8. Absolve-se VIII) Propostas para dar confiabilidade ao sistema eleitoral eletrônico brasileiro 1. Adotar a tri-partição dos poderes no processo eleitoral, reservando ao TSE a função judiciária 2. Adotar o voto em papel conferido pelo eleitor para permitir a auditoria da apuração eletrônica 3. Não identificar o eleitor na mesma máquina na qual ele vota.Walter Del Picchia-Prof.Titular da Escola Politécnica da Universidade de S.Paulo wdeltapi@gmail.com

  40. (Continuação)CARTILHA BÁSICA DO VOTO-E no Brasil (Atualizada em agosto de 2009) I) Argumentos técnicos demonstram a insegurança da urna eletrônica brasileira: 1. Adulterações nos programas podem provocar o desvio de votos sem deixar rastros 2. Adulterações nos programas podem permitir a identificação sistemática do voto (o número do título eleitoral é digitado na urna) 3. É impossível verificar, na prática, se os programas das 400 mil urnas são corretos II) São procedimentos insuficientes para garantir a segurança (passíveis de serem burlados): 1. Emissão da Zerézima (suposta demonstração de que a urna estaria sem votos) 2. Votação Paralela (simulada) no dia da eleição 3. Auto-verificação de assinaturas digitais pelo próprio programa das urnas III) A propaganda do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre suas próprias urnas eletrônicas: 1. Usa jargão que confunde o eleitor 2. Sistematicamente ignora e nega os inúmeros problemas ocorridos IV) Em relação à confiabilidade: 1. A urna eletrônica brasileira não permite conferência externa da apuração 2. O TSE impede uma investigação independente 3. O TSE mantém secretos relatórios que apontam falhas importantes V) As urnas biométricas (com leitura da impressão digital do eleitor) também são inseguras: 1. Não são aceitas em todo o mundo por causa dos riscos de violação de votos 2. Tem custo proibitivo (equipamentos, programas e conferências) 3. Não impedem fraudes do mesário (colocar votos por eleitores ausentes) 4. Não impedem a compra de abstenção ou de votos (feita com filmagem pelo celular) 5. Dificultam, mas não impedem, o cadastro de eleitores fantasmas VI) Visão do exterior sobre a urna eletrônica brasileira 1. Foi rejeitada por TODOS os mais de 50 países que vieram conhecê-la 2. É proibida em dezenas de países por não materializar o voto e por identificar o eleitor (exemplo: Alemanha, Holanda, Reino Unido, 40 estados dos EUA, Argentina, México e Paraguai) 3. Até o inventor da Assinatura Digital condena a ausência da materialização do voto VII) O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) detém super-poderes. Em relação às eleições, ele:. 1. Executa/administra 2. Legisla/regulamenta (a fiscalização permitida é feita com regras do próprio fiscalizado) 3. Julga 4. Muitas vezes ignora as próprias regras 5. Recebe as denúncias 6. Protela ou arquiva 7. Julga-se 8. Absolve-se VIII) Propostas para dar confiabilidade ao sistema eleitoral eletrônico brasileiro 1. Adotar a tri-partição dos poderes no processo eleitoral, reservando ao TSE a função judiciária 2. Adotar o voto em papel conferido pelo eleitor para permitir a auditoria da apuração eletrônica 3. Não identificar o eleitor na mesma máquina na qual ele vota.Walter Del Picchia-Prof.Titular da Escola Politécnica da Universidade de S.Paulo wdeltapi@gmail.com

  41. Guy, muito me admira você, um dos mais influentes ícones da informática no Brasil, ter uma posição tão retrógada com relação ao voto impresso. Você, eu e mais alguns sabemos das capacidades da informática, mas o eleitor médio, maravilhado com o progresso da ciência, não tem a mínima idéia do que acontece dentro de um computador. O papel do administrador das eleições é tornar o processo o mais transparente possível, fazer com que não paire a menor dúvida sobre a lisura do pleito. O correto é dizer ao eleitor: "sua escolha foi impressa, se você concordar com ela o papel será colocado numa urna para posterior contagem, se necessário" e não "seu voto foi registrado, você não pode vê-lo, mas eu garanto que foi conforme sua vontade". Não basta a mulher de César ser honesta, ela precisa mostrar que é. Da mesma forma que o banco imprime um recibo sobre qualquer transação feita num caixa automático. Ou a administradora do cartão de crédito. É uma staisfação ao consumidor, o cliente do banco ou do cartão, que ele a use ou não. E essa é uma satisfação que o poder público deve dar ao eleitor, assim como ao candidato derrotado. Enquanto não houver recontagem física dos votos haverá gente chorando dizendo que "a máquina engoliu meus votos". O TSE deveria ser o primeiro a querer o voto impresso para acabar com essa choradeira.Vamos ser claros: o TSE pode muito bem se contentar com processos eletrônicos para avaliar e garantir a confiabilidade do sistema, desde que as fraudes venham de fora. Mas não tem como se garantir contra fraudes internas. Isto é, uma fraude feita por alguém de dentro do TSE irá envolver tudo, inclusive o Registro Digital do Voto (e na verdade é dessa fraude que temos medo, a que atinge a totalidade das urnas; uma fraude cometida em uma ou poucas urnas não vai alterar o resultado das eleições). A grande vantagem do voto impresso é ser independente. O grande problema do voto eletrônico é sua característica única de ser um sistema cego: o próprio administrador não pode saber qual é o voto do eleitor. Totalmente diferente do IR pela Internet ou do SPB, que têm diversos meios de rastreamento, de cabo a rabo.

  42. Guy, muito me admira você, um dos mais influentes ícones da informática no Brasil, ter uma posição tão retrógada com relação ao voto impresso. Você, eu e mais alguns sabemos das capacidades da informática, mas o eleitor médio, maravilhado com o progresso da ciência, não tem a mínima idéia do que acontece dentro de um computador. O papel do administrador das eleições é tornar o processo o mais transparente possível, fazer com que não paire a menor dúvida sobre a lisura do pleito. O correto é dizer ao eleitor: "sua escolha foi impressa, se você concordar com ela o papel será colocado numa urna para posterior contagem, se necessário" e não "seu voto foi registrado, você não pode vê-lo, mas eu garanto que foi conforme sua vontade". Não basta a mulher de César ser honesta, ela precisa mostrar que é. Da mesma forma que o banco imprime um recibo sobre qualquer transação feita num caixa automático. Ou a administradora do cartão de crédito. É uma staisfação ao consumidor, o cliente do banco ou do cartão, que ele a use ou não. E essa é uma satisfação que o poder público deve dar ao eleitor, assim como ao candidato derrotado. Enquanto não houver recontagem física dos votos haverá gente chorando dizendo que "a máquina engoliu meus votos". O TSE deveria ser o primeiro a querer o voto impresso para acabar com essa choradeira.Vamos ser claros: o TSE pode muito bem se contentar com processos eletrônicos para avaliar e garantir a confiabilidade do sistema, desde que as fraudes venham de fora. Mas não tem como se garantir contra fraudes internas. Isto é, uma fraude feita por alguém de dentro do TSE irá envolver tudo, inclusive o Registro Digital do Voto (e na verdade é dessa fraude que temos medo, a que atinge a totalidade das urnas; uma fraude cometida em uma ou poucas urnas não vai alterar o resultado das eleições). A grande vantagem do voto impresso é ser independente. O grande problema do voto eletrônico é sua característica única de ser um sistema cego: o próprio administrador não pode saber qual é o voto do eleitor. Totalmente diferente do IR pela Internet ou do SPB, que têm diversos meios de rastreamento, de cabo a rabo.

  43. Guy, para complementar, vou me ater aos seus três argumentos contra a impressão do voto:a) o custo é muito maior – Já existe uma impressora na urna, que imprime a zerézima e o BU, portanto o custo seria apenas o de instalar um visor, cujo preço, segundo estudos feitos, é irrisório;b) a possibilidade de quebra de um dispositivo eletromecânico é enorme – essa possibilidade já existe, já que a impressora é um componente da urna desde 1996, e tem se comportado de forma totalmente aceitável;c) escancara as portas para o voto de cabresto – isso é uma falácia, já que tanto o projeto de 2003 quanto o atual deixam bem claro que o voto impresso é apenas visto pelo eleitor, e depois é destacado automaticamente e colocado na urna, sem contato manual, para eventual auditoria posterior. Essa sua última afirmação me preocupa pois me leva a crer que 1) você não se preocupou em ler a descrição do projeto ou 2) está seguindo a cartilha de desinformação do TSE que espalha esta mentira, coisa totalmente surpreendente e inaceitável para uma pessoa do seu nível.

  44. Guy, para complementar, vou me ater aos seus três argumentos contra a impressão do voto:a) o custo é muito maior – Já existe uma impressora na urna, que imprime a zerézima e o BU, portanto o custo seria apenas o de instalar um visor, cujo preço, segundo estudos feitos, é irrisório;b) a possibilidade de quebra de um dispositivo eletromecânico é enorme – essa possibilidade já existe, já que a impressora é um componente da urna desde 1996, e tem se comportado de forma totalmente aceitável;c) escancara as portas para o voto de cabresto – isso é uma falácia, já que tanto o projeto de 2003 quanto o atual deixam bem claro que o voto impresso é apenas visto pelo eleitor, e depois é destacado automaticamente e colocado na urna, sem contato manual, para eventual auditoria posterior. Essa sua última afirmação me preocupa pois me leva a crer que 1) você não se preocupou em ler a descrição do projeto ou 2) está seguindo a cartilha de desinformação do TSE que espalha esta mentira, coisa totalmente surpreendente e inaceitável para uma pessoa do seu nível.

  45. Belíssima discussão, para não dizer, esclarecedora.Se O sr Guy Manuel tinha tanta certeza da inviolabilidade das urnas, depois de tantas explicações(e de gente competente)agora ele já não tem mais.Não entendo nada de computadores mas entendo tudo de fraudes nas eleições, já participei de cinco campanhas como candidata e tive quase todos os votos roubados, como??????????? Bem, como não sou tão burrinha como os fraudadores pensavam que eu era, descobri matematicamente a fraude. Inacreditavel mas verdadeiro, eles tinham tanta certeza que ninguém prova a fraude eletrônica que cometeram o erro de montar o resultado de 2008 em cima do resultado de 2004, Concorri nas duas eleições à prefeitura de Ituiutaba, e cruzando os resultados, descobri a montagem.Agora …o TSE está em papos de aranha porque consegui furar os bloqueios da primeira e segunda instância e cheguei ao TSE. O processo está lá sob a análise da PGE,o relator é o exmo ministro RICARDO LEWANDOSWKY. Estou confiante, o presidente do TSE é um homem admirável, ético,comprometido com os anseios do povo e com os princípios democráticos da nação, e Ele fará tudo para explicar principalmente ao povo de Ituiutaba o que aconteceu aqui.Se tudo for esclarecido como deve ser, cabeças vão rolar, não tenho dúvida. Para finalizar vou concordar com o sr. ROGER CHADEL: a fraude pode acontecer dentro do tribunal e aí….é isso mesmo, as urnas podem até ser invioláveis mas o caráter de alguns que lidam com elas poderá não ser. Se alguém que ler esse comentário pensar que sou pretensiosa por dizer essas coisas saiba que não sou não,sou apenas uma brasileira que não desiste nunca, minha divisa é morrer em combate, não capitulo. Minha meta é provar a fraude matematicamente se não fizer isso a candidatura da Marina irá para o ralo porque eu também sou do partido verde, defendo a preservação do meio ambiente,e nós contrariamos muitos interesses de políticos que alimentam suas campanhas com dinheiro de destruição, então…incomodamos muito e somos uma ameaça à vitória deles, por isso nunca deixaram meus votos aparecerem e assim nunca ocupei nenhum cargo e se as coisas não mudarem com relação ao voto nas urnas jamais a Marina será presidente. URNA É BURLA E DINHEIRO NÃO VAI FALTAR PARA QUE AS URNAS SEJAM BURLADAS. Mas a minha saga não vai terminar aqui, estou contando num livro todas as peripécias pelas quais já passei nas eleições que já tive participação, e olha que lá se vão nove anos de sofrimento. A hora é agora. E o senhor, Guy Manuel promoveu um tremendo debate e colaborou muito para os esclarecimentos que mudam opiniões, tenho certeza que até a sua não será como antes. obrigada pela oportunidade que me deu de contar isso aqui, até hoje nenhum jornal quiz publicar, por que? LUZIA REGINA

  46. Belíssima discussão, para não dizer, esclarecedora.Se O sr Guy Manuel tinha tanta certeza da inviolabilidade das urnas, depois de tantas explicações(e de gente competente)agora ele já não tem mais.Não entendo nada de computadores mas entendo tudo de fraudes nas eleições, já participei de cinco campanhas como candidata e tive quase todos os votos roubados, como??????????? Bem, como não sou tão burrinha como os fraudadores pensavam que eu era, descobri matematicamente a fraude. Inacreditavel mas verdadeiro, eles tinham tanta certeza que ninguém prova a fraude eletrônica que cometeram o erro de montar o resultado de 2008 em cima do resultado de 2004, Concorri nas duas eleições à prefeitura de Ituiutaba, e cruzando os resultados, descobri a montagem.Agora …o TSE está em papos de aranha porque consegui furar os bloqueios da primeira e segunda instância e cheguei ao TSE. O processo está lá sob a análise da PGE,o relator é o exmo ministro RICARDO LEWANDOSWKY. Estou confiante, o presidente do TSE é um homem admirável, ético,comprometido com os anseios do povo e com os princípios democráticos da nação, e Ele fará tudo para explicar principalmente ao povo de Ituiutaba o que aconteceu aqui.Se tudo for esclarecido como deve ser, cabeças vão rolar, não tenho dúvida. Para finalizar vou concordar com o sr. ROGER CHADEL: a fraude pode acontecer dentro do tribunal e aí….é isso mesmo, as urnas podem até ser invioláveis mas o caráter de alguns que lidam com elas poderá não ser. Se alguém que ler esse comentário pensar que sou pretensiosa por dizer essas coisas saiba que não sou não,sou apenas uma brasileira que não desiste nunca, minha divisa é morrer em combate, não capitulo. Minha meta é provar a fraude matematicamente se não fizer isso a candidatura da Marina irá para o ralo porque eu também sou do partido verde, defendo a preservação do meio ambiente,e nós contrariamos muitos interesses de políticos que alimentam suas campanhas com dinheiro de destruição, então…incomodamos muito e somos uma ameaça à vitória deles, por isso nunca deixaram meus votos aparecerem e assim nunca ocupei nenhum cargo e se as coisas não mudarem com relação ao voto nas urnas jamais a Marina será presidente. URNA É BURLA E DINHEIRO NÃO VAI FALTAR PARA QUE AS URNAS SEJAM BURLADAS. Mas a minha saga não vai terminar aqui, estou contando num livro todas as peripécias pelas quais já passei nas eleições que já tive participação, e olha que lá se vão nove anos de sofrimento. A hora é agora. E o senhor, Guy Manuel promoveu um tremendo debate e colaborou muito para os esclarecimentos que mudam opiniões, tenho certeza que até a sua não será como antes. obrigada pela oportunidade que me deu de contar isso aqui, até hoje nenhum jornal quiz publicar, por que? LUZIA REGINA

  47. Luzia Regina,Não alimente muitas esperanças em ver julgado com isenção pelo TSE um processo contra o seu filho dileto, as urnas eletônicas.Já acompanhei muitos casos de perto e até de dentro, e nunca vi os juízes eleitorais permitirem a geração isenta de provas contra o sistema em que são, também, os administradores.Se lhe interessar conhecer alguns destes casos e sentenças onde eles não permitem que as falhas das urnas sejam reveladas (tem exemplo do Lewandowski, inclusive) me procure: amilcar@brunazo.eng.br

  48. Luzia Regina,Não alimente muitas esperanças em ver julgado com isenção pelo TSE um processo contra o seu filho dileto, as urnas eletônicas.Já acompanhei muitos casos de perto e até de dentro, e nunca vi os juízes eleitorais permitirem a geração isenta de provas contra o sistema em que são, também, os administradores.Se lhe interessar conhecer alguns destes casos e sentenças onde eles não permitem que as falhas das urnas sejam reveladas (tem exemplo do Lewandowski, inclusive) me procure: amilcar@brunazo.eng.br

  49. Bem polêmico o tema, mas, na minha opinião, há um viés cultural nisso tudo.Qualquer processo pode ser fraudado, mas o problema parece ser de impunidade.Se papel resolvesse tudo, com tantos cartórios que temos, mais os ressucitados selos (netos da estampilha), teríamos tudo certo, "de papel passado".O lance da foto do voto impresso me foi passado por um cabo eleitoral de um candidato de bom calibre em um Estado longe do meu, mas dentro do meu Brasil, pois, na sua visão, teria a"mais valia" do voto confirmado.Até para um potencial, parece que a coisa "no papel" vale muito, como o voto impresso. Felizmente, essa pessoa não teve condição de testar seu modelito de "bota esquerda" depois da "bota direita"…Ponto é, senhoras e senhores: Vamos colocar as coisas no devido eixo. Se há fraude no voto eletrônico, vamos provar que houve, onde houve, como houve e por intermédio de quem houve.Creio que a Justiça Eleitoral, como um todo, é muito séria, não imune a falhas, mas sempre disposta a buscar investigar suspeitas de fraudes.Sobre minha referência ao viés cultural, no início deste comentário, vou fazê-lo mais tarde em uma postagem específica, que volta ao século XV…

  50. Bem polêmico o tema, mas, na minha opinião, há um viés cultural nisso tudo.Qualquer processo pode ser fraudado, mas o problema parece ser de impunidade.Se papel resolvesse tudo, com tantos cartórios que temos, mais os ressucitados selos (netos da estampilha), teríamos tudo certo, "de papel passado".O lance da foto do voto impresso me foi passado por um cabo eleitoral de um candidato de bom calibre em um Estado longe do meu, mas dentro do meu Brasil, pois, na sua visão, teria a"mais valia" do voto confirmado.Até para um potencial, parece que a coisa "no papel" vale muito, como o voto impresso. Felizmente, essa pessoa não teve condição de testar seu modelito de "bota esquerda" depois da "bota direita"…Ponto é, senhoras e senhores: Vamos colocar as coisas no devido eixo. Se há fraude no voto eletrônico, vamos provar que houve, onde houve, como houve e por intermédio de quem houve.Creio que a Justiça Eleitoral, como um todo, é muito séria, não imune a falhas, mas sempre disposta a buscar investigar suspeitas de fraudes.Sobre minha referência ao viés cultural, no início deste comentário, vou fazê-lo mais tarde em uma postagem específica, que volta ao século XV…

  51. "Vamos colocar as coisas no devido eixo. Se há fraude no voto eletrônico, vamos provar que houve, onde houve, como houve e por intermédio de quem houve". Perfeito seu raciocínio, Guy. Agora, se você puder conseguir do TSE que ele permita uma auditoria independente das urnas isso poderá ser finalmente feito. Seria semelhante a alguém acusado de matar uma pessoa mas o juiz proíbe que se faça exame da arma dele. E aí você vem e diz: prove primeiro que ele é culpado antes que o julguemos!

  52. "Vamos colocar as coisas no devido eixo. Se há fraude no voto eletrônico, vamos provar que houve, onde houve, como houve e por intermédio de quem houve". Perfeito seu raciocínio, Guy. Agora, se você puder conseguir do TSE que ele permita uma auditoria independente das urnas isso poderá ser finalmente feito. Seria semelhante a alguém acusado de matar uma pessoa mas o juiz proíbe que se faça exame da arma dele. E aí você vem e diz: prove primeiro que ele é culpado antes que o julguemos!

  53. Prezado Sr Guy Manuel, Depois de minhas colocações ABAIXO REPETIDAS, que ressaltam A IMPOSSIBILIDADE de que a SOBERANIA POPULAR seja exposta ao risco de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, ainda defendes a urna eletrônica NORTE-AMERICANA sem o voto impresso ?!!Desta forma, abandono o vosso Blog sob a certeza de que não estas à serviço da razão, muito pelo contrário, o vosso intento é justamente CONFUNDIR A RAZÃO !!!28 de Setembro de 2009 22:17 Leamartine Pinheiro de Souza disse… A simples colocação de sua frase, abaixo reproduzida, é suficiente para demonstrar que A SOBERANIA POPULAR exercida através do VOTO DIRETO E SECRETO, na qual, os Eleitores decidem o futuro da Nação, não podem ficar a mercê da possibilidade de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, demonstrando que, O RESTO É RESTO, e que não és tão CONSERVADOR quanto deverias, como Graduado em Tecnologia da Informação.Vossas palavras:Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, ALGUNS PODEM SER TENTADOS A FRAUDAR O PROCESSO, e POUCOS PODEM CONSEGUIR.Portanto, basta que apenas um consiga e vai-se a nossa DEMOCRACIA pelo ralo, isto é ACEITÁVEL OU ADMISSÍVEL ?!!Leamartine Pinheiro de SouzaModerador do Fórum do Voto-Eletrônicowww.votoseguro.org21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  54. Prezado Sr Guy Manuel, Depois de minhas colocações ABAIXO REPETIDAS, que ressaltam A IMPOSSIBILIDADE de que a SOBERANIA POPULAR seja exposta ao risco de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, ainda defendes a urna eletrônica NORTE-AMERICANA sem o voto impresso ?!!Desta forma, abandono o vosso Blog sob a certeza de que não estas à serviço da razão, muito pelo contrário, o vosso intento é justamente CONFUNDIR A RAZÃO !!!28 de Setembro de 2009 22:17 Leamartine Pinheiro de Souza disse… A simples colocação de sua frase, abaixo reproduzida, é suficiente para demonstrar que A SOBERANIA POPULAR exercida através do VOTO DIRETO E SECRETO, na qual, os Eleitores decidem o futuro da Nação, não podem ficar a mercê da possibilidade de que POUCOS PODEM CONSEGUIR fraudar A SOBERANIA POPULAR, demonstrando que, O RESTO É RESTO, e que não és tão CONSERVADOR quanto deverias, como Graduado em Tecnologia da Informação.Vossas palavras:Trata-se, no entanto, de um processo criado e mantido por humanos, e, dentre esses, ALGUNS PODEM SER TENTADOS A FRAUDAR O PROCESSO, e POUCOS PODEM CONSEGUIR.Portanto, basta que apenas um consiga e vai-se a nossa DEMOCRACIA pelo ralo, isto é ACEITÁVEL OU ADMISSÍVEL ?!!Leamartine Pinheiro de SouzaModerador do Fórum do Voto-Eletrônicowww.votoseguro.org21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  55. Comentário para Leamartine Pinheiro de Souza:Ontem o presidente Lula sancionou a lei com os 2% de urnas com voto impresso, gerando um fato em cima de um terreno anterior de hipóteses.Pronto, teremos o voto impresso, mesmo que por amostragem, e passível de auditoria. Vamos observar o resutado.Sobre sua decisão de abandonar o blog, eu lamento, ainda mais por sua condição de Moderador do Fórum do Voto-Eletrônico. Entendo que uma pessoa na função de moderador não deveria temer opiniões divergentes, mas, de todo modo, respeito, embora pedindo sua reconsideração.Gostaria muito de seguir tendo sua participação neste blog que não tem outra pretensão que não a de exatamente provocar debates.Sobre esse tópico em particular, o do voto impresso, os comentários contra minha posição estão tendo dois efeitos opostos um ao outro.De um lado, estou mais e mais convicto de que não é a impressão de uma cédula de papel que, no fim e ao cabo, dará segurança ao processo, e sim que ele seja passível de auditoria em todas as suas fases, resguardado o sigilo do voto. Existem, sim, procedimentos seguros de verificação que não passam necessariamente pela impressão do voto.De outro lado, o processo hoje existente, se não é ou não parece transparente como os cidadãos e eleitores exigem, então precisa ser esclarecido, aprimorado até ser perfeitamente entendido como seguro.Partindo da premissa que mentes malignas sempre estarão buscando brechas para fraudes, foi nesse contexto que manifestei que "alguns podem ser tentados a fraudar o processo", não me referindo a um processo específico, mas a qualquer processo.Na virada do século XIX para o XX, quando era instalada pioneiramente a iluminação pública em ruas do Rio de Janeiro, os acendedores de lampião a gás fizeram greve contra a novidade, por conta do risco a seus empregos.Qualquer que tenha sido o destino daqueles trabalhadores, seria impossível tentar voltar ao passado da iluminação pública a gás…Do mesmo modo, temos de aceitar que é possível fazer registros seguros e confiáveis de atos e fatos produzidos por humanos sem que, obrigatoriamente, eles precisem ser registrados em papel.

  56. Comentário para Leamartine Pinheiro de Souza:Ontem o presidente Lula sancionou a lei com os 2% de urnas com voto impresso, gerando um fato em cima de um terreno anterior de hipóteses.Pronto, teremos o voto impresso, mesmo que por amostragem, e passível de auditoria. Vamos observar o resutado.Sobre sua decisão de abandonar o blog, eu lamento, ainda mais por sua condição de Moderador do Fórum do Voto-Eletrônico. Entendo que uma pessoa na função de moderador não deveria temer opiniões divergentes, mas, de todo modo, respeito, embora pedindo sua reconsideração.Gostaria muito de seguir tendo sua participação neste blog que não tem outra pretensão que não a de exatamente provocar debates.Sobre esse tópico em particular, o do voto impresso, os comentários contra minha posição estão tendo dois efeitos opostos um ao outro.De um lado, estou mais e mais convicto de que não é a impressão de uma cédula de papel que, no fim e ao cabo, dará segurança ao processo, e sim que ele seja passível de auditoria em todas as suas fases, resguardado o sigilo do voto. Existem, sim, procedimentos seguros de verificação que não passam necessariamente pela impressão do voto.De outro lado, o processo hoje existente, se não é ou não parece transparente como os cidadãos e eleitores exigem, então precisa ser esclarecido, aprimorado até ser perfeitamente entendido como seguro.Partindo da premissa que mentes malignas sempre estarão buscando brechas para fraudes, foi nesse contexto que manifestei que "alguns podem ser tentados a fraudar o processo", não me referindo a um processo específico, mas a qualquer processo.Na virada do século XIX para o XX, quando era instalada pioneiramente a iluminação pública em ruas do Rio de Janeiro, os acendedores de lampião a gás fizeram greve contra a novidade, por conta do risco a seus empregos.Qualquer que tenha sido o destino daqueles trabalhadores, seria impossível tentar voltar ao passado da iluminação pública a gás…Do mesmo modo, temos de aceitar que é possível fazer registros seguros e confiáveis de atos e fatos produzidos por humanos sem que, obrigatoriamente, eles precisem ser registrados em papel.

  57. Prezado Sr Guy Manuel,Levando em consideração a vossa iniciativa de escrever-me diretamente para que eu continue participando da discussão, percebi que, embora sejas crédulo nos conceitos emitidos pelo TSE, possuis uma chama que busca a verdade dos fatos e, por este motivo, peço desculpas pela rispidez de minhas palavras que justifico terem sido fruto de uma luta que se arrasta por cerca de uma década, sempre, com resultados inglórios.Portanto, para mais uma vez tentar convencê-lo, vou conduzir a matéria para o lado institucional, ou seja, a representação do povo, no executivo e no legislativo, constitui a pedra basilar em uma sociedade que optou pelo regime democrático de direito e, por conseguinte, não é para os graduados na tecnologia da informação que a Lei Eleitoral deve satisfação, mas, principalmente, para o povo, do qual, todo o poder emana e que constitui o verdadeiro soberano no regime democrático.Na verdade, a impressão paralela do voto é uma opção que o Engo Amilcar Brunazo Filho visualizou para que as urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil fossem aproveitadas, pois, no meu entendimento, o voto escaneável, em volantes do tipo utilizado nas loterias esportivas, cujo modelo elaborado pelo Professor Fernando Perlingeiro Lavaquial, do Colégio de Pádua, disponível no endereço http://groups.google.com/group/votoeletronico/files?hl=pt-BR, com rúbrica do Secretário, de um Mesário e de um Fiscal ou Delegado de Partido porventura presente no início dos trabalhos, seria muito mais confiável, pois, no meu entendimento, se uma linha de programa adulterar o destino dos votos, também poderá armazenar em paralelo o resultado fraudado e, em questão de alguns minutos, reimprimir os votos para coincidirem com as fraudes levadas a termo e, desta forma, a recontagem dos votos apenas legitimaria a referida fraude eletrônica.Resumindo, enquanto não colocarmos o cidadão mediano, sem conhecimentos tecnológicos profundos, como fez a Justiça Alemã,declarando que: "o sistema contradiz o princípio de transparência necessário para uma eleição pública", como exposto na página http://www.fraudeurnaseletronicas.com.br/2009/03/tribunal-alemao-considera-urnas.html, estaremos distantes do objetivo maior que é o RESPEITO À SOBERANIA POPULAR, sem, o qual, não haverá SISTEMA INFORMATIZADO MAIS DO QUE PERFEITO que alcance este objetivo junto aos referidos SOBERANOS, pois, somente a estes temos que prestar contas, não com soluções para os nossos olhos, mas, para os olhos do mais simplório semi-analfabeto com direito ao voto.Por outro lado, solicito que corrijas a vossa colocação sobre a lei ter sido aprovada com os 2% de urnas com voto impresso por amostra, como pretende inutir toda a imprensa brasileira, pois, a impressão será EM TODAS AS URNAS, com recontágem em 2% por amostragem.Esperando que leves em consideração estes princípios e, POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA, subscrevo-meAtenciosamente,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  58. Prezado Sr Guy Manuel,Levando em consideração a vossa iniciativa de escrever-me diretamente para que eu continue participando da discussão, percebi que, embora sejas crédulo nos conceitos emitidos pelo TSE, possuis uma chama que busca a verdade dos fatos e, por este motivo, peço desculpas pela rispidez de minhas palavras que justifico terem sido fruto de uma luta que se arrasta por cerca de uma década, sempre, com resultados inglórios.Portanto, para mais uma vez tentar convencê-lo, vou conduzir a matéria para o lado institucional, ou seja, a representação do povo, no executivo e no legislativo, constitui a pedra basilar em uma sociedade que optou pelo regime democrático de direito e, por conseguinte, não é para os graduados na tecnologia da informação que a Lei Eleitoral deve satisfação, mas, principalmente, para o povo, do qual, todo o poder emana e que constitui o verdadeiro soberano no regime democrático.Na verdade, a impressão paralela do voto é uma opção que o Engo Amilcar Brunazo Filho visualizou para que as urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil fossem aproveitadas, pois, no meu entendimento, o voto escaneável, em volantes do tipo utilizado nas loterias esportivas, cujo modelo elaborado pelo Professor Fernando Perlingeiro Lavaquial, do Colégio de Pádua, disponível no endereço http://groups.google.com/group/votoeletronico/files?hl=pt-BR, com rúbrica do Secretário, de um Mesário e de um Fiscal ou Delegado de Partido porventura presente no início dos trabalhos, seria muito mais confiável, pois, no meu entendimento, se uma linha de programa adulterar o destino dos votos, também poderá armazenar em paralelo o resultado fraudado e, em questão de alguns minutos, reimprimir os votos para coincidirem com as fraudes levadas a termo e, desta forma, a recontagem dos votos apenas legitimaria a referida fraude eletrônica.Resumindo, enquanto não colocarmos o cidadão mediano, sem conhecimentos tecnológicos profundos, como fez a Justiça Alemã,declarando que: "o sistema contradiz o princípio de transparência necessário para uma eleição pública", como exposto na página http://www.fraudeurnaseletronicas.com.br/2009/03/tribunal-alemao-considera-urnas.html, estaremos distantes do objetivo maior que é o RESPEITO À SOBERANIA POPULAR, sem, o qual, não haverá SISTEMA INFORMATIZADO MAIS DO QUE PERFEITO que alcance este objetivo junto aos referidos SOBERANOS, pois, somente a estes temos que prestar contas, não com soluções para os nossos olhos, mas, para os olhos do mais simplório semi-analfabeto com direito ao voto.Por outro lado, solicito que corrijas a vossa colocação sobre a lei ter sido aprovada com os 2% de urnas com voto impresso por amostra, como pretende inutir toda a imprensa brasileira, pois, a impressão será EM TODAS AS URNAS, com recontágem em 2% por amostragem.Esperando que leves em consideração estes princípios e, POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA, subscrevo-meAtenciosamente,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  59. Guy,Mais uma vez suas fontes merecem reparos:1) O Sr. Leamartine não é o coordenador do Forum do Voto Seguro (www.votoseguro.org), e sim o Eng. Amilcar Brunazo.2) A lei 5498/2009 exige que 100% das urnas imprimam uma cópia do voto, e que 2% delas serão recontadas.

  60. Guy,Mais uma vez suas fontes merecem reparos:1) O Sr. Leamartine não é o coordenador do Forum do Voto Seguro (www.votoseguro.org), e sim o Eng. Amilcar Brunazo.2) A lei 5498/2009 exige que 100% das urnas imprimam uma cópia do voto, e que 2% delas serão recontadas.

  61. Sr. Guy,Muito coerente suas colocações. Hoje temos candidatos eleitos de todos os partidos e aqui no interior do nordeste inúmeros coronéis e famílias não conseguem mais se eleger. É engraçado como a mesma urna que elege um candidato do PSDB elege do PT e como candidatos que tradicionalmente questionaram a urna, como o Sr. Roberto Requião, e quando são eleitos por uma minoria de votos não mais questionam a segurança da urna. Ou será que a urna só não presta quando se perde a eleição ?Para finalizar, uma questão para os defensores do voto impresso: o que fazer se alguma das pessoas que forem contar os votos em papel for simpatizante de um candidato derrotado e resolver tumultuar o processo, amassando e dando sumiço discretamente em uns três ou quatro votos em cada urna que for conferida ? Quem já trabalhou numa apuração de votos em papel sabe que isso é muito fácil de acontecer.

  62. Sr. Guy,Muito coerente suas colocações. Hoje temos candidatos eleitos de todos os partidos e aqui no interior do nordeste inúmeros coronéis e famílias não conseguem mais se eleger. É engraçado como a mesma urna que elege um candidato do PSDB elege do PT e como candidatos que tradicionalmente questionaram a urna, como o Sr. Roberto Requião, e quando são eleitos por uma minoria de votos não mais questionam a segurança da urna. Ou será que a urna só não presta quando se perde a eleição ?Para finalizar, uma questão para os defensores do voto impresso: o que fazer se alguma das pessoas que forem contar os votos em papel for simpatizante de um candidato derrotado e resolver tumultuar o processo, amassando e dando sumiço discretamente em uns três ou quatro votos em cada urna que for conferida ? Quem já trabalhou numa apuração de votos em papel sabe que isso é muito fácil de acontecer.

  63. Prezado Sr Antonio Melo,Como bem dissestes, FRAUDES na apuração sempre ocorreram, no entanto, amassar e dar sumiço discretamente em alguns votos para tumultuar a apuração é visível e constitui um CRIME APURÁVEL, no entanto, desviar votos através de uma fraude no programa da urna ou da contabilização dos votos não deixa rastros e, estes, são considerados INADIMISSÍVEIS em todos os países que estão adotando o voto eletrônico. Portanto, DIZER MAIS é REPETIR O ÓBVIO.A propósito, sou MODERADOR do Fórum do Voto-Eletrônico (clique na URL de meu nome), e não COORDENADOR do Fórum do Voto Seguro, como destacado no confuso comentário do Sr Roger Chadel.

  64. Prezado Sr Antonio Melo,Como bem dissestes, FRAUDES na apuração sempre ocorreram, no entanto, amassar e dar sumiço discretamente em alguns votos para tumultuar a apuração é visível e constitui um CRIME APURÁVEL, no entanto, desviar votos através de uma fraude no programa da urna ou da contabilização dos votos não deixa rastros e, estes, são considerados INADIMISSÍVEIS em todos os países que estão adotando o voto eletrônico. Portanto, DIZER MAIS é REPETIR O ÓBVIO.A propósito, sou MODERADOR do Fórum do Voto-Eletrônico (clique na URL de meu nome), e não COORDENADOR do Fórum do Voto Seguro, como destacado no confuso comentário do Sr Roger Chadel.

  65. Prezado Sr Antonio Melo,Em complemento ao meu comentário anterior, faço destacar que o Senador Roberto Requião pretendeu dotar a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil, de um processo de conferência VISÍVEL a qualquer mortal, INCLUSIVE, para seus adversários políticos.Portanto, o fizera com o objetivo de fazer prevalecer a integridade da soberania popular, ao contrário de outros que preferem um processo obscuro que só alguns conseguem dominar.Portanto, se a carapuça lhe cabe, meus mais sinceros PÊSAMES.Atenciosamente,Leamartine Pinheiro de SouzaTE 0248 8148 031021 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  66. Prezado Sr Antonio Melo,Em complemento ao meu comentário anterior, faço destacar que o Senador Roberto Requião pretendeu dotar a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil, de um processo de conferência VISÍVEL a qualquer mortal, INCLUSIVE, para seus adversários políticos.Portanto, o fizera com o objetivo de fazer prevalecer a integridade da soberania popular, ao contrário de outros que preferem um processo obscuro que só alguns conseguem dominar.Portanto, se a carapuça lhe cabe, meus mais sinceros PÊSAMES.Atenciosamente,Leamartine Pinheiro de SouzaTE 0248 8148 031021 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  67. Prezado Sr Guy Manuel,A periculosidade destas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, já foram objeto de matéria publicada no Jornal A TARDE, na qual, o Desembargador Manoel Moreira, quando PRESIDENTE DO TRE-BA, teve a oportunidade de DENUNCIAR o "sumiço" de 8.000 (OITO MIL) flash-cards que carregariam DEZENAS DE MILHARES DE URNAS nas eleições de 2002, vide arquivo "O Segredo das Eleições 2002.doc", na página http://groups.google.com/group/votoeletronico/files?hl=pt-BR, e isto É MUITO, MAS MUITO MAIS GRAVE do que sumir com algumas cédulas de papel durante a apuração ou recontagem dos votos !!!

  68. Prezado Sr Guy Manuel,A periculosidade destas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, já foram objeto de matéria publicada no Jornal A TARDE, na qual, o Desembargador Manoel Moreira, quando PRESIDENTE DO TRE-BA, teve a oportunidade de DENUNCIAR o "sumiço" de 8.000 (OITO MIL) flash-cards que carregariam DEZENAS DE MILHARES DE URNAS nas eleições de 2002, vide arquivo "O Segredo das Eleições 2002.doc", na página http://groups.google.com/group/votoeletronico/files?hl=pt-BR, e isto É MUITO, MAS MUITO MAIS GRAVE do que sumir com algumas cédulas de papel durante a apuração ou recontagem dos votos !!!

  69. Respondendo a pergunta do Sr. Antônio Melo:1) A recontagem do voto impresso será uma seção de REcontagem (a contagem eletrônica já terá ocorrido e os curiosos apressados já terão ido embora).2) a recontagem será em 2% das urnas e não em 100% delas. Quer dizer, o ambiente da recontagem estará muito mais tranquilo, mais fácil de ser controlado e mais difícil de ser fraudado.3) Os votos impressos tem formato padronizados e são bastante aptos para contadores automatizados, diminuindo o manuseio;4) Se der diferença entre a apuração eletrônica e a apuração do voto impresso, algum problema ocorreu e a fraude (onde tiver ocorrido) está detectada;5) Uma auditoria ou inquerito deve ser aberto imediatamente para descobrir onde a falha (ou fraude) ocorreu.6) Uma boa técnica neste caso, é recontar os votos impressos de outras urnas. Se a diferença se repetir em todas, a fraude deve estar no software e se valida o voto impresso. Se a diferença só tiver ocorrido numa urna, a fraude deve estar no voto impresso e se valida o voto eletrônico.Sacou a vantagem de manter o voto gravado em duas vias independentes? Uma controla a fraude da outra.É praticamente impossível sincronizar a fraude nas duas vias de forma idêntica.E já que o Sr. Melo gosta de fazer perguntas, vamos ver se ele sabe também responder com credibilidade:Sr. Melo, se uma urna sem voto impresso tiver seu software adulterado por ataque interno que adultere o resultado em algumas seções, engane as auto-verificações de assinatura e se apage depois da eleição, como o sr. faria para descobrir esta fraude usando apenas as ferramentas jurídicas que o TSE permite?

  70. Respondendo a pergunta do Sr. Antônio Melo:1) A recontagem do voto impresso será uma seção de REcontagem (a contagem eletrônica já terá ocorrido e os curiosos apressados já terão ido embora).2) a recontagem será em 2% das urnas e não em 100% delas. Quer dizer, o ambiente da recontagem estará muito mais tranquilo, mais fácil de ser controlado e mais difícil de ser fraudado.3) Os votos impressos tem formato padronizados e são bastante aptos para contadores automatizados, diminuindo o manuseio;4) Se der diferença entre a apuração eletrônica e a apuração do voto impresso, algum problema ocorreu e a fraude (onde tiver ocorrido) está detectada;5) Uma auditoria ou inquerito deve ser aberto imediatamente para descobrir onde a falha (ou fraude) ocorreu.6) Uma boa técnica neste caso, é recontar os votos impressos de outras urnas. Se a diferença se repetir em todas, a fraude deve estar no software e se valida o voto impresso. Se a diferença só tiver ocorrido numa urna, a fraude deve estar no voto impresso e se valida o voto eletrônico.Sacou a vantagem de manter o voto gravado em duas vias independentes? Uma controla a fraude da outra.É praticamente impossível sincronizar a fraude nas duas vias de forma idêntica.E já que o Sr. Melo gosta de fazer perguntas, vamos ver se ele sabe também responder com credibilidade:Sr. Melo, se uma urna sem voto impresso tiver seu software adulterado por ataque interno que adultere o resultado em algumas seções, engane as auto-verificações de assinatura e se apage depois da eleição, como o sr. faria para descobrir esta fraude usando apenas as ferramentas jurídicas que o TSE permite?

  71. Srs,Em primeiro lugar, gostaria de dizer que não trabalho no TSE ou em qualquer TRE, e me interesso pelo tema como profissional de informática, que trabalhou como escrutinador em algumas apurações de eleições na década de 80, época em que ouvi muito sobre fraudes nas eleições.Pelo que já vi sobre a urna eletrônica, o software atualmente é desenvolvido pelo TSE. É isso mesmo ? Se for assim, acho que falar em "urnas norte-americanas" seria descabido e remonta a um passado que não existe mais, vide as duas eleições de um ex-sindicalista para a presidência da república.Eu não teria tanta certeza de que um ambiente de contagem dos votos impressos numa eleição para prefeito no interior, com diferença pequena na quantidade de votos entre os candidatos, seja exatamente um local tranquilo, mas, de qualquer forma, respeito a opinião. Acho que não entendi a questão dos contadores automatizados. Quer dizer que os votos impressos serão contados por uma máquina ? Referente a recontagem de outras urnas no caso de diferenças, se o "interessado" der fim a quantidades diferentes de votos impressos, creio que seria complicado falar em fraude no software e aí a coisa fica meio que num looping. Aí não tem auditoria ou inquérito que dê jeito…Com relação a questão da fraude sem voto impresso, do modo que foi colocado, infinitamente mais complicado que esconder papeizinhos, acho que nem os programadores do TSE saberiam fazer algo do tipo, e, se souberem, certamente estão desperdiçando seus talentos recebendo o que um servidor público recebe.Enfim, tenho minha opinião de que a urna eletrônica foi um avanço nas eleições brasileiras, mas não tenho tanta certeza de que o voto impresso é indispensável. Quem sabe depois de 2014 mude meus conceitos.

  72. Srs,Em primeiro lugar, gostaria de dizer que não trabalho no TSE ou em qualquer TRE, e me interesso pelo tema como profissional de informática, que trabalhou como escrutinador em algumas apurações de eleições na década de 80, época em que ouvi muito sobre fraudes nas eleições.Pelo que já vi sobre a urna eletrônica, o software atualmente é desenvolvido pelo TSE. É isso mesmo ? Se for assim, acho que falar em "urnas norte-americanas" seria descabido e remonta a um passado que não existe mais, vide as duas eleições de um ex-sindicalista para a presidência da república.Eu não teria tanta certeza de que um ambiente de contagem dos votos impressos numa eleição para prefeito no interior, com diferença pequena na quantidade de votos entre os candidatos, seja exatamente um local tranquilo, mas, de qualquer forma, respeito a opinião. Acho que não entendi a questão dos contadores automatizados. Quer dizer que os votos impressos serão contados por uma máquina ? Referente a recontagem de outras urnas no caso de diferenças, se o "interessado" der fim a quantidades diferentes de votos impressos, creio que seria complicado falar em fraude no software e aí a coisa fica meio que num looping. Aí não tem auditoria ou inquérito que dê jeito…Com relação a questão da fraude sem voto impresso, do modo que foi colocado, infinitamente mais complicado que esconder papeizinhos, acho que nem os programadores do TSE saberiam fazer algo do tipo, e, se souberem, certamente estão desperdiçando seus talentos recebendo o que um servidor público recebe.Enfim, tenho minha opinião de que a urna eletrônica foi um avanço nas eleições brasileiras, mas não tenho tanta certeza de que o voto impresso é indispensável. Quem sabe depois de 2014 mude meus conceitos.

  73. Reprodução, na íntegra, do Artigo 5o da Lei sancionada pelo Presidente Lula:Art. 5o Fica criado, a partir das eleições de 2014, inclusive, o voto impresso conferido pelo eleitor, garantido o total sigilo do voto e observadas as seguintes regras: § 1o A máquina de votar exibirá para o eleitor, primeiramente, as telas referentes às eleições proporcionais; em seguida, as referentes às eleições majoritárias; finalmente, o voto completo para conferência visual do eleitor e confirmação final do voto. § 2o Após a confirmação final do voto pelo eleitor, a urna eletrônica imprimirá um número único de identificação do voto associado à sua própria assinatura digital. § 3o O voto deverá ser depositado de forma automática, sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado. § 4o Após o fim da votação, a Justiça Eleitoral realizará, em audiência pública, auditoria independente do software mediante o sorteio de 2% (dois por cento) das urnas eletrônicas de cada Zona Eleitoral, respeitado o limite mínimo de 3 (três) máquinas por município, que deverão ter seus votos em papel contados e comparados com os resultados apresentados pelo respectivo boletim de urna. § 5o É permitido o uso de identificação do eleitor por sua biometria ou pela digitação do seu nome ou número de eleitor, desde que a máquina de identificar não tenha nenhuma conexão com a urna eletrônica.

  74. Reprodução, na íntegra, do Artigo 5o da Lei sancionada pelo Presidente Lula:Art. 5o Fica criado, a partir das eleições de 2014, inclusive, o voto impresso conferido pelo eleitor, garantido o total sigilo do voto e observadas as seguintes regras: § 1o A máquina de votar exibirá para o eleitor, primeiramente, as telas referentes às eleições proporcionais; em seguida, as referentes às eleições majoritárias; finalmente, o voto completo para conferência visual do eleitor e confirmação final do voto. § 2o Após a confirmação final do voto pelo eleitor, a urna eletrônica imprimirá um número único de identificação do voto associado à sua própria assinatura digital. § 3o O voto deverá ser depositado de forma automática, sem contato manual do eleitor, em local previamente lacrado. § 4o Após o fim da votação, a Justiça Eleitoral realizará, em audiência pública, auditoria independente do software mediante o sorteio de 2% (dois por cento) das urnas eletrônicas de cada Zona Eleitoral, respeitado o limite mínimo de 3 (três) máquinas por município, que deverão ter seus votos em papel contados e comparados com os resultados apresentados pelo respectivo boletim de urna. § 5o É permitido o uso de identificação do eleitor por sua biometria ou pela digitação do seu nome ou número de eleitor, desde que a máquina de identificar não tenha nenhuma conexão com a urna eletrônica.

  75. Prezado Sr Antonio Melo, No que diz respeito ao vosso comentário, no parágrafo: Pelo que já vi sobre a urna eletrônica, o software atualmente é desenvolvido pelo TSE. É isso mesmo ? Se for assim, acho que falar em "urnas norte-americanas" seria descabido e remonta a um passado que não existe mais, vide as duas eleições de um ex-sindicalista para a presidência da república.Tenho a declarar o seguinte:Primeiro, eu falei em "urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS" e isto é HARDWARE e não SOFTWARE;Segundo, todo computador precisa de uma BIOS para dar partida, e isto é FIRMWARE que faz parte do HARDWARE, bastando que esta BIOS contenha uma ROTINA com uma VARIÁVEL que possa armazenar A DEZENA do PARTIDO SUBMISSO que a própria BIOS fará o desvio dos votos para o PARTIDO SUBMISSO, possibilitando uma INVASÃO BRANCA que manipulará um GOVERNO SUBMISSO para tamarem a nossa SOBERANIA ECONÔMICA E TERRITORIAL.Em outra parte de vosso comentário, declaras:Eu não teria tanta certeza de que um ambiente de contagem dos votos impressos numa eleição para prefeito no interior, com diferença pequena na quantidade de votos entre os candidatos, seja exatamente um local tranquilo, mas, de qualquer forma, respeito a opinião. Neste caso, Sr Antonio Melo, basta que esta RECONTAGEM em OUTRAS URNAS, seja feita obrigatoriamente diante de AGENTES da Polícia Federal, de PROCURADORES do Ministério Público e de um DESTACAMENTO do Exército que eu duvido que NINGUÉM, ABSOLUTAMENTE NINGUÉM, teria coragem de "DAR SUMIÇO NAS CÉDULAS IMPRESSAS".Quanto ao vosso comentário de que:Com relação a questão da fraude sem voto impresso, do modo que foi colocado, infinitamente mais complicado que esconder papeizinhos, acho que nem os programadores do TSE saberiam fazer algo do tipo, e, se souberem, certamente estão desperdiçando seus talentos recebendo o que um servidor público recebe.Primeiro, se eles não são competentes para cometemrem uma FRAUDE, também serão incompetentes para saber EVITÁ-LAS.Segundo, cumpre-me alertá-lo que A CARGA DAS FLASH-CARDS nas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, SÃO FEITAS POR INDIVÍDUOS TERCEIRIZADOS que podem muito bem fazer parte de uma QUADRILHA MONTADA PARA FRAUDAS AS ELEIÇÕES, bastando que, para isto, dêem carga em FLASH-CARDS ADULTERADOS por estes terceirizados ou por AGENTES INTERNOS, como viável se mostrou no desaparecimento DENUNCIADO pelo PRESIDENTE DO TRE-BA, Desembargador Manoel Moreira, FATO CONCRETO que não fizestes questionar, quem sabe, por CONSIDERÁ-LO IRRELEVANTE !!!Na verdade, DEVEMOS LAMENTAR que esta Lei não tenha tornado obrigatória a IMPRESSÃO PARALELA DO VOTO já nas eleições de 2010, afinal, a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil JÁ POSSUI UMA IMPRESSORA que emite a Zerésima e os Boletins de Urna, e se o TSE, em sua faina contra o voto impresso, não conseguisse fazer a EJEÇÃO DIRETA do voto impresso em uma URNA COLETORA adequada, que o VOTO IMPRESSO fosse destacado pelo Eleitor que o depositaria diretamente na URNA DE LONA, antes de receber de volta o seu Título de Eleitor e o Comprovante do dever cumprido.Portanto, Sr Antonio Melo, estamos discutindo profundamente este assunto por mais de 10 (dez) anos, e já conseguimos soluções para toda e qualquer variável que se mostrem inexequíveis por quem quer que seja.Em tempo, não esqueça de suas considerações sobre o "SUMIÇO" das 8.000 flash-cards do TRE da Bahia !!!

  76. Prezado Sr Antonio Melo, No que diz respeito ao vosso comentário, no parágrafo: Pelo que já vi sobre a urna eletrônica, o software atualmente é desenvolvido pelo TSE. É isso mesmo ? Se for assim, acho que falar em "urnas norte-americanas" seria descabido e remonta a um passado que não existe mais, vide as duas eleições de um ex-sindicalista para a presidência da república.Tenho a declarar o seguinte:Primeiro, eu falei em "urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS" e isto é HARDWARE e não SOFTWARE;Segundo, todo computador precisa de uma BIOS para dar partida, e isto é FIRMWARE que faz parte do HARDWARE, bastando que esta BIOS contenha uma ROTINA com uma VARIÁVEL que possa armazenar A DEZENA do PARTIDO SUBMISSO que a própria BIOS fará o desvio dos votos para o PARTIDO SUBMISSO, possibilitando uma INVASÃO BRANCA que manipulará um GOVERNO SUBMISSO para tamarem a nossa SOBERANIA ECONÔMICA E TERRITORIAL.Em outra parte de vosso comentário, declaras:Eu não teria tanta certeza de que um ambiente de contagem dos votos impressos numa eleição para prefeito no interior, com diferença pequena na quantidade de votos entre os candidatos, seja exatamente um local tranquilo, mas, de qualquer forma, respeito a opinião. Neste caso, Sr Antonio Melo, basta que esta RECONTAGEM em OUTRAS URNAS, seja feita obrigatoriamente diante de AGENTES da Polícia Federal, de PROCURADORES do Ministério Público e de um DESTACAMENTO do Exército que eu duvido que NINGUÉM, ABSOLUTAMENTE NINGUÉM, teria coragem de "DAR SUMIÇO NAS CÉDULAS IMPRESSAS".Quanto ao vosso comentário de que:Com relação a questão da fraude sem voto impresso, do modo que foi colocado, infinitamente mais complicado que esconder papeizinhos, acho que nem os programadores do TSE saberiam fazer algo do tipo, e, se souberem, certamente estão desperdiçando seus talentos recebendo o que um servidor público recebe.Primeiro, se eles não são competentes para cometemrem uma FRAUDE, também serão incompetentes para saber EVITÁ-LAS.Segundo, cumpre-me alertá-lo que A CARGA DAS FLASH-CARDS nas urnas eletrônicas NORTE-AMERICANAS utilizadas no Brasil, SÃO FEITAS POR INDIVÍDUOS TERCEIRIZADOS que podem muito bem fazer parte de uma QUADRILHA MONTADA PARA FRAUDAS AS ELEIÇÕES, bastando que, para isto, dêem carga em FLASH-CARDS ADULTERADOS por estes terceirizados ou por AGENTES INTERNOS, como viável se mostrou no desaparecimento DENUNCIADO pelo PRESIDENTE DO TRE-BA, Desembargador Manoel Moreira, FATO CONCRETO que não fizestes questionar, quem sabe, por CONSIDERÁ-LO IRRELEVANTE !!!Na verdade, DEVEMOS LAMENTAR que esta Lei não tenha tornado obrigatória a IMPRESSÃO PARALELA DO VOTO já nas eleições de 2010, afinal, a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil JÁ POSSUI UMA IMPRESSORA que emite a Zerésima e os Boletins de Urna, e se o TSE, em sua faina contra o voto impresso, não conseguisse fazer a EJEÇÃO DIRETA do voto impresso em uma URNA COLETORA adequada, que o VOTO IMPRESSO fosse destacado pelo Eleitor que o depositaria diretamente na URNA DE LONA, antes de receber de volta o seu Título de Eleitor e o Comprovante do dever cumprido.Portanto, Sr Antonio Melo, estamos discutindo profundamente este assunto por mais de 10 (dez) anos, e já conseguimos soluções para toda e qualquer variável que se mostrem inexequíveis por quem quer que seja.Em tempo, não esqueça de suas considerações sobre o "SUMIÇO" das 8.000 flash-cards do TRE da Bahia !!!

  77. Caro Leamartine,Desconhecia o caso da Bahia, mas acessei o arquivo apontado em sua mensagem e, pelo que li, os flash cards sumiram mas apareceram antes da eleição e estavam no próprio TRE, aparentemente escondidos. A reportagem dá a entender que o ocorrido deu-se numa mudança de gestão, onde pode ter acontecido de funcionários que perderam seus cargos – os mesmos que apagaram arquivos – esconderam flash cards para prejudicar o presidente que assumia.Com relação às urnas, creio que não devam ser bem "norte-americanas", mas provavelmente taiwanesas ou chinesas, pois apesar de nunca ter visto uma delas por dentro, imagino que as placas não devem ser fabricadas nos EUA.Relativo a alteração da BIOS, não sei que recursos seriam necessários para fazê-lo, mas acho que não se encontra com muita facilidade alguém que possa fazê-lo.Pelo visto, por enquanto nem eu mudarei seus conceitos nem você mudará os meus, mas isso é que é importante numa democracia: a discussão, respeitando posições contrárias.É como coloquei: vou esperar até 2014 para ver se realmente preciso mudar de opinião sobre este tema.

  78. Caro Leamartine,Desconhecia o caso da Bahia, mas acessei o arquivo apontado em sua mensagem e, pelo que li, os flash cards sumiram mas apareceram antes da eleição e estavam no próprio TRE, aparentemente escondidos. A reportagem dá a entender que o ocorrido deu-se numa mudança de gestão, onde pode ter acontecido de funcionários que perderam seus cargos – os mesmos que apagaram arquivos – esconderam flash cards para prejudicar o presidente que assumia.Com relação às urnas, creio que não devam ser bem "norte-americanas", mas provavelmente taiwanesas ou chinesas, pois apesar de nunca ter visto uma delas por dentro, imagino que as placas não devem ser fabricadas nos EUA.Relativo a alteração da BIOS, não sei que recursos seriam necessários para fazê-lo, mas acho que não se encontra com muita facilidade alguém que possa fazê-lo.Pelo visto, por enquanto nem eu mudarei seus conceitos nem você mudará os meus, mas isso é que é importante numa democracia: a discussão, respeitando posições contrárias.É como coloquei: vou esperar até 2014 para ver se realmente preciso mudar de opinião sobre este tema.

  79. Sr. Guy Manuel,Antecipadamente o parabenizo pela preciosa colaboração do seu blog na discussão que movimenta o Brasil sobre Urnas e Fraudes.Fui candidato a Vice Prefeito-Eleições 2008 em Ituiutaba-MG, companheiro de Chapa de Luzia Regina de Oliveira Domingues,pelo PV, e fomos surpreendidos com um resultado que a candidata a Prefeita cruzou com aquele referente a Eleição de 2004, cuja tabela já foi remetida para sua apreciação. Gostaria que dentro do seus conhecimentos de informática e computação fizesse um comentário sobre o resultado e qual a sua opinião tomando por base a premissa de que pelas leis das probabilidades aquele resultado jamais aconteceria.QUAL A RESPOSTA QUE O TSE PODERÁ NOS DAR, CONSIDERANDO QUE O PROCESSO TRAMITA NAQUELE TRIBUNAL? RENES

  80. Sr. Guy Manuel,Antecipadamente o parabenizo pela preciosa colaboração do seu blog na discussão que movimenta o Brasil sobre Urnas e Fraudes.Fui candidato a Vice Prefeito-Eleições 2008 em Ituiutaba-MG, companheiro de Chapa de Luzia Regina de Oliveira Domingues,pelo PV, e fomos surpreendidos com um resultado que a candidata a Prefeita cruzou com aquele referente a Eleição de 2004, cuja tabela já foi remetida para sua apreciação. Gostaria que dentro do seus conhecimentos de informática e computação fizesse um comentário sobre o resultado e qual a sua opinião tomando por base a premissa de que pelas leis das probabilidades aquele resultado jamais aconteceria.QUAL A RESPOSTA QUE O TSE PODERÁ NOS DAR, CONSIDERANDO QUE O PROCESSO TRAMITA NAQUELE TRIBUNAL? RENES

  81. Prezado Sr Antonio Melo, As urnas eletrônicas utilizadas no Brasil são fabricadas pela DIEBOLD e pela UNISYS, ambas NORTE-AMERICANAS.Portanto, mesmo que porventura elas sejam "montadas" no Brasil, ainda assim, terão sido montadas por empresas norte-americanas e não por empresas brasileiras com tecnologia nacional.Quanto à gravação da BIOS, sugiro que leias o tutorial http://www.clubedohardware.com.br/artigos/692 do Clube do Hardware e verás como é fácil alterar a Bios de um Computador; e, a "urna-eletrônica" não passa de um computador, no entanto, não levantei a possibilidade daquela Bios ser alteralada no Brasil, muito pelo contrário, levantei a possibilidade dela já vir gravada dos EUA com esta possibilidade.O que falei que poderia ser corrompido, no Brasil, seria o programa gravado nas flash-cards.Quanto a possibilidade das 8.000 flash-cards que sumiram estarem no próprio TRE-BA, esta é uma possibilidade FANTASIOSA e bastante improvável, afinal, não foram 8 unidades, FORAM 8.000 (OITO MIL) UNIDADES que "SUMIRAM" e, depois de um bom tempo "REAPARECERAM" !!!Que teriam de reaparecer, isto é mais do que evidente, mas, a grande questão, É POR QUAL MOTIVO ELAS DESAPERECERAM ???!!!!!!E, neste caso, alegar que elas estavam "escondidas" no próprio TRE-BA, é de uma ingenuidade impar, somente digna de quem QUER ACREDITAR DE QUALQUER MANEIRA que o sistema é íntegro e inatacável, mesmo diante de fatos gravíssimos como este, sob o AGRAVO de que o CORPO TÉCNICO do TSE não aceita uma AUDITORIA INDEPENDENTE DO "SOFTWARE" que criaram, através da RECONTÁGEM do voto impresso, NEM A PAU, JUVENAL !!!, daí fica a pergunta, POR QUE SERÁ !!!Continue acreditando na clerical idoneidade deste sistema, que acabarás verificando que esta "idoneidade" é tão tênue quanto os escândalos de pedofilia que pululam na origem do termo "clerical" !!!POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  82. Prezado Sr Antonio Melo, As urnas eletrônicas utilizadas no Brasil são fabricadas pela DIEBOLD e pela UNISYS, ambas NORTE-AMERICANAS.Portanto, mesmo que porventura elas sejam "montadas" no Brasil, ainda assim, terão sido montadas por empresas norte-americanas e não por empresas brasileiras com tecnologia nacional.Quanto à gravação da BIOS, sugiro que leias o tutorial http://www.clubedohardware.com.br/artigos/692 do Clube do Hardware e verás como é fácil alterar a Bios de um Computador; e, a "urna-eletrônica" não passa de um computador, no entanto, não levantei a possibilidade daquela Bios ser alteralada no Brasil, muito pelo contrário, levantei a possibilidade dela já vir gravada dos EUA com esta possibilidade.O que falei que poderia ser corrompido, no Brasil, seria o programa gravado nas flash-cards.Quanto a possibilidade das 8.000 flash-cards que sumiram estarem no próprio TRE-BA, esta é uma possibilidade FANTASIOSA e bastante improvável, afinal, não foram 8 unidades, FORAM 8.000 (OITO MIL) UNIDADES que "SUMIRAM" e, depois de um bom tempo "REAPARECERAM" !!!Que teriam de reaparecer, isto é mais do que evidente, mas, a grande questão, É POR QUAL MOTIVO ELAS DESAPERECERAM ???!!!!!!E, neste caso, alegar que elas estavam "escondidas" no próprio TRE-BA, é de uma ingenuidade impar, somente digna de quem QUER ACREDITAR DE QUALQUER MANEIRA que o sistema é íntegro e inatacável, mesmo diante de fatos gravíssimos como este, sob o AGRAVO de que o CORPO TÉCNICO do TSE não aceita uma AUDITORIA INDEPENDENTE DO "SOFTWARE" que criaram, através da RECONTÁGEM do voto impresso, NEM A PAU, JUVENAL !!!, daí fica a pergunta, POR QUE SERÁ !!!Continue acreditando na clerical idoneidade deste sistema, que acabarás verificando que esta "idoneidade" é tão tênue quanto os escândalos de pedofilia que pululam na origem do termo "clerical" !!!POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  83. Prezado Leamartine,Embora sabendo das falhas da natureza humana, não compartilho com essa Teoria da Conspiração.Mesmo corrompido os firmwares -se fosse o caso- eles são verificadas no processo de carga dos programas, logo, a fraude alienígena é descartada.Lembre que, entre a Unisys e a Diebold, tivemos a brasileiríssima Procomp, depois comprada pela Diebold, que forneceu as urnas por um período.Desconsiderado o fato que um dos fundadores da Procomp, o Eric Roorda é descendente de holandês, não creio que as urnas, quando feitas por uma empresa de capital 100% brasileiro pudesse ter algum tipo de subproduto da papoula para deixá-las com algum "barato" diferente.Apreciando esse belo debate, com contribuuições importantes, esttou mais convicto ainda que, dado um modelo de voto, eletrônico ou não, ele pode ser fraudado.Respeitando o que está votado e aprovado, assim como as opiniões divergentes da minha, quero registrar minha dúvida sobre a possibilidade de termos a urna com voto impresso, em 2014, immune a fraude e especialmente, sem que grupos de pessoas com interesses ou idéias contrariadas não reclamem.Eu escrevo esse blog que tem uma plataforma norteamericana -do Google- usando um computador com placa-mãe feita no Brasil mas com componentes majoritariamente chineses, um monitor montado aqui, mas de uma empresa coreana, acessando a internet através de um provedor mexicano.Eu tenho segurança ao afirmar que essas potenciais malevolências de um império dominante não são mais cabíveis, até porque esse império não é mais dominante assim.Um dos caras que eu troco figurinha no Twitter é o "Buzz" Aldin, que esteve na missão pioneira do Apollo 11 à Lua (muita gente diz que isso é ficção de Hollywood).O Aldrin reclama da postura norteamericana de complacência em relação à evolução da ciência e da tecnologia, quando diz que eles, os americanos, passaram em 40 anos da condição de atores para a de espectadores.A fraude da 1ª eleição do George W. Bush, em 2000, materializou-se na Florida com papel e tudo.Aqui, tivemos em 1982 a famosa fraude da Proconsult, na totalização de mapas a partir dos votos de papel. Embora feita usando computadores IBM, ela foi concebida e executada por brasileiros.Não estou aqui contra os brasileiros, pois sou um deles, mas procurando mostrar que é uma simplificação perigosa atribuir possíveis mazelas aos "outros".Mas, mais uma vez, obrigado por expor aqui sua posição e aceitar ler, sem necessariamente concordar, com visões diferentes da sua.Abraço

  84. Prezado Leamartine,Embora sabendo das falhas da natureza humana, não compartilho com essa Teoria da Conspiração.Mesmo corrompido os firmwares -se fosse o caso- eles são verificadas no processo de carga dos programas, logo, a fraude alienígena é descartada.Lembre que, entre a Unisys e a Diebold, tivemos a brasileiríssima Procomp, depois comprada pela Diebold, que forneceu as urnas por um período.Desconsiderado o fato que um dos fundadores da Procomp, o Eric Roorda é descendente de holandês, não creio que as urnas, quando feitas por uma empresa de capital 100% brasileiro pudesse ter algum tipo de subproduto da papoula para deixá-las com algum "barato" diferente.Apreciando esse belo debate, com contribuuições importantes, esttou mais convicto ainda que, dado um modelo de voto, eletrônico ou não, ele pode ser fraudado.Respeitando o que está votado e aprovado, assim como as opiniões divergentes da minha, quero registrar minha dúvida sobre a possibilidade de termos a urna com voto impresso, em 2014, immune a fraude e especialmente, sem que grupos de pessoas com interesses ou idéias contrariadas não reclamem.Eu escrevo esse blog que tem uma plataforma norteamericana -do Google- usando um computador com placa-mãe feita no Brasil mas com componentes majoritariamente chineses, um monitor montado aqui, mas de uma empresa coreana, acessando a internet através de um provedor mexicano.Eu tenho segurança ao afirmar que essas potenciais malevolências de um império dominante não são mais cabíveis, até porque esse império não é mais dominante assim.Um dos caras que eu troco figurinha no Twitter é o "Buzz" Aldin, que esteve na missão pioneira do Apollo 11 à Lua (muita gente diz que isso é ficção de Hollywood).O Aldrin reclama da postura norteamericana de complacência em relação à evolução da ciência e da tecnologia, quando diz que eles, os americanos, passaram em 40 anos da condição de atores para a de espectadores.A fraude da 1ª eleição do George W. Bush, em 2000, materializou-se na Florida com papel e tudo.Aqui, tivemos em 1982 a famosa fraude da Proconsult, na totalização de mapas a partir dos votos de papel. Embora feita usando computadores IBM, ela foi concebida e executada por brasileiros.Não estou aqui contra os brasileiros, pois sou um deles, mas procurando mostrar que é uma simplificação perigosa atribuir possíveis mazelas aos "outros".Mas, mais uma vez, obrigado por expor aqui sua posição e aceitar ler, sem necessariamente concordar, com visões diferentes da sua.Abraço

  85. Prezados Renes e Luzia:Não tenho elementos suficientes para avaliar o caso que vocês levantam, mas creio que a possibilidade de fraude seja remota, mas não impossível.Aqui nesse tópico a coisa ficou polarizada, e até entendo os motivos. De todo modo, a possibilidade de uma fraude generalizada -por ser eletrônica- a mim me parece algo fora de propósito.Respeitado a opinião dos cometaristas da postagem, e, dentro das regras da democracia, a lei aprovada no Congreso e sancionada pelo presidente da República, teremos voto impresso em 2014, com 2% das urnas sorteadas para auditoria.Minha experiência profissional de 45 anos no ramo, aliada ao tempo de estrada da vida me dão uma razoável confiança de dizer que, provavelmente, se esse novo processo estivesse em vigor nas eleições de Ituiutaba onde vocês entenderam ter havido prejuizo, o resultado não seria diferente.Com fraude ou sem fraude, o engenho humano sempre seria capaz de nos pregar surpresas.Eu convivi com candidatos que juram ter tido seus resultados fraudados. Em todos os casos, posso dizer que a fraude foi a gerada pela expectativa do voto, não pelo voto em si.Mas o debate entre seres humanos é assim, como um comentarista evidenciou sobre a necessidade de a mulher de Cesar também parecer séria.Ocorre que à pobre senhora dessa parábola sacada da história não lhe foi concedida a graça de parecer séria a todas as correntes de opinião.Mas, voltando a o tema: a Justiça no Brasil tem muitos críticos, mas eu acho que, no geral, nossa justiça eleitoral é preparada e competente, em especial no TSE.É uma justiça ministrada por humanos, por certo, mas é a que temos, e, na nossa esfera, é a definitiva.Uma falha que há e ficou evidenciada nessa discussão é a pouca atenção dedicada pelos partidos políticos ao ciclo de preparação até o lacre das urnas e a verificação posterior por evidências de possíveis violações.

  86. Prezados Renes e Luzia:Não tenho elementos suficientes para avaliar o caso que vocês levantam, mas creio que a possibilidade de fraude seja remota, mas não impossível.Aqui nesse tópico a coisa ficou polarizada, e até entendo os motivos. De todo modo, a possibilidade de uma fraude generalizada -por ser eletrônica- a mim me parece algo fora de propósito.Respeitado a opinião dos cometaristas da postagem, e, dentro das regras da democracia, a lei aprovada no Congreso e sancionada pelo presidente da República, teremos voto impresso em 2014, com 2% das urnas sorteadas para auditoria.Minha experiência profissional de 45 anos no ramo, aliada ao tempo de estrada da vida me dão uma razoável confiança de dizer que, provavelmente, se esse novo processo estivesse em vigor nas eleições de Ituiutaba onde vocês entenderam ter havido prejuizo, o resultado não seria diferente.Com fraude ou sem fraude, o engenho humano sempre seria capaz de nos pregar surpresas.Eu convivi com candidatos que juram ter tido seus resultados fraudados. Em todos os casos, posso dizer que a fraude foi a gerada pela expectativa do voto, não pelo voto em si.Mas o debate entre seres humanos é assim, como um comentarista evidenciou sobre a necessidade de a mulher de Cesar também parecer séria.Ocorre que à pobre senhora dessa parábola sacada da história não lhe foi concedida a graça de parecer séria a todas as correntes de opinião.Mas, voltando a o tema: a Justiça no Brasil tem muitos críticos, mas eu acho que, no geral, nossa justiça eleitoral é preparada e competente, em especial no TSE.É uma justiça ministrada por humanos, por certo, mas é a que temos, e, na nossa esfera, é a definitiva.Uma falha que há e ficou evidenciada nessa discussão é a pouca atenção dedicada pelos partidos políticos ao ciclo de preparação até o lacre das urnas e a verificação posterior por evidências de possíveis violações.

  87. Prezado Sr Guy Manuel,Visite a página http://www.votoseguro.org e verás que INÚMERAS denúncias foram feitas. No entanto, o TSE, capciosamente, quando não consegue dar uma resposta que DEMONSTRE a sua isenção, ARQUIVA O PROCESSO por ter PASSADO O TEMPO HÁBIL DE SUA ESSENCIALIDADE, tempo, este, em que os processos foram MANTIDOS NAS GAVETAS do próprio TSE !!!Portanto, não adianta tergiversar, a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil É FRAUDÁVEL SIM, e o Corpo Técnico do TSE sabe disto, tanto que o TESTE DE PRENETRAÇÃO autorizado pelo TSE fora para ser feito EM REGIME CONTROLADO e sob A TUTELA de peritos mantidos A SOLDO do próprio TSE e não por ACADÊMICOS INDEPENDENTES como solicitaram os proponentes do referido TESTE DE PENETRAÇÃO !!!

  88. Prezado Sr Guy Manuel,Visite a página http://www.votoseguro.org e verás que INÚMERAS denúncias foram feitas. No entanto, o TSE, capciosamente, quando não consegue dar uma resposta que DEMONSTRE a sua isenção, ARQUIVA O PROCESSO por ter PASSADO O TEMPO HÁBIL DE SUA ESSENCIALIDADE, tempo, este, em que os processos foram MANTIDOS NAS GAVETAS do próprio TSE !!!Portanto, não adianta tergiversar, a urna eletrônica NORTE-AMERICANA utilizada no Brasil É FRAUDÁVEL SIM, e o Corpo Técnico do TSE sabe disto, tanto que o TESTE DE PRENETRAÇÃO autorizado pelo TSE fora para ser feito EM REGIME CONTROLADO e sob A TUTELA de peritos mantidos A SOLDO do próprio TSE e não por ACADÊMICOS INDEPENDENTES como solicitaram os proponentes do referido TESTE DE PENETRAÇÃO !!!

  89. Prezado Sr Guy Manuel,Em respeito à vossa declaração:Eu tenho segurança ao afirmar que essas potenciais malevolências de um império dominante não são mais cabíveis, até porque esse império não é mais dominante assim.Tenho a acrescentar o seguinte:Para um país, como os EUA, que tiveram a CORAGEM de invadir o Iraque, sob o pretexto de que Sadam Hussein possuia ARMAS DE DESTRUIÇÃO EM MASSA e, os únicos vestígios encontrados destas armas, foram os tambores vazios das armss químicas NORTE-AMERICANAS enviadas para o ALIADO Sadam Hussein DIZIMAR o povo iraniano, na GUERRA FOMENTADA pelos EUA do IRAQUE contra o IRÃ; fazer uma INVASÃO BRANCA no Brasil, elegendo "partidos submissos" para se apossarem de nosso patrimônio econômico e territorial, É FICHINHA para aqueles que se consideram os "tutores da humanidade", somente para mais facilmente explorá-la !!!No entanto, ainda existem BRASILEIROS conscientes e prontos a denunciarem estas mascaradas e belicosas tentativas de ingerência em nossa SOBERANIA NACIONAL, inclusive, como a feita na matéria publicada no PRAVDA, no endereço: http://port.pravda.ru/busines/17-02-2009/26181-cordeirosleoes-0 POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.brRua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  90. Prezado Sr Guy Manuel,Em respeito à vossa declaração:Eu tenho segurança ao afirmar que essas potenciais malevolências de um império dominante não são mais cabíveis, até porque esse império não é mais dominante assim.Tenho a acrescentar o seguinte:Para um país, como os EUA, que tiveram a CORAGEM de invadir o Iraque, sob o pretexto de que Sadam Hussein possuia ARMAS DE DESTRUIÇÃO EM MASSA e, os únicos vestígios encontrados destas armas, foram os tambores vazios das armss químicas NORTE-AMERICANAS enviadas para o ALIADO Sadam Hussein DIZIMAR o povo iraniano, na GUERRA FOMENTADA pelos EUA do IRAQUE contra o IRÃ; fazer uma INVASÃO BRANCA no Brasil, elegendo "partidos submissos" para se apossarem de nosso patrimônio econômico e territorial, É FICHINHA para aqueles que se consideram os "tutores da humanidade", somente para mais facilmente explorá-la !!!No entanto, ainda existem BRASILEIROS conscientes e prontos a denunciarem estas mascaradas e belicosas tentativas de ingerência em nossa SOBERANIA NACIONAL, inclusive, como a feita na matéria publicada no PRAVDA, no endereço: http://port.pravda.ru/busines/17-02-2009/26181-cordeirosleoes-0 POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.brRua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  91. Prezado Sr Guy Manuel,Para mostrar que esta convicção de que as urna eletrônicas NORTE-AMERICANS utilizaa no Brasil constituem um verdadeiro EMBUSTE, veja o meu artigo publicado no Blog do Jornalista Luiz Carlos Azenha, no seguinte endeço:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/o-embuste-do-sistema-eleitoral-brasileiro/

  92. Prezado Sr Guy Manuel,Para mostrar que esta convicção de que as urna eletrônicas NORTE-AMERICANS utilizaa no Brasil constituem um verdadeiro EMBUSTE, veja o meu artigo publicado no Blog do Jornalista Luiz Carlos Azenha, no seguinte endeço:http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/o-embuste-do-sistema-eleitoral-brasileiro/

  93. Caro Guy Manoel,Acho adequado analisar, como vc propos, a "pouca atenção dos partidos ao ciclo de preparação até o lacre das urnas".Lembre que já se passaram 12 anos da adoção das urnas-e e até agora os partidos, o MP e a OAB não conseguiram se organizar para fiscalizar a preparação das urnas.Seria por descaso?Parece-lhe razoável achar que em tanto tempo nenhuma desses instituições tentou fiscalizar o processo?Ou será que alguns tentaram e não conseguiram?Em 2004, a OAB enviou dois presidentes de comissão de informática (de SP e de MG) para acompanhar o desenvolvimento dos sistemas até a lacração no TSE e depois pretendiam instruir advogados em todo o Brasil para verificar se as urmas (400 mil) eram carregadas corretamente.Não conseguiram nem fazer a primeira parte, quanto mais a segunda. Declararam que a tarefa é impossível de ser efetuada e que a OAB não conta com recursos para ela.Nunca mais a OAB apareceu para analisar uma linha de código dos programas.Também o MP nunca mandou técnicos para analisar os programas no TSE e nunca tentou verificar a integridade das urnas preparadas. Também alega absoluta falta de verbas.Dos 27 partidos, apenas 2 (PT e PDT) tentam todas as eleições avaliar o software do TSE e sempre declaram que não conseguiram por razões diversas.E isto é só a validação. A certificação (verificar se o software validado é o que chegou nas 400 mil urnas), os partidos nem sequer conseguem planejar, quanto mais executar.Em 2008, depois de tentar por 3 eleições, os partidos, a OAB e o MP desistiram de desenvolver um programa próprio de verificação de assinaturas digitais nas urnas, porque perceberam que na prática não funciona.Você, Guy, fica repetindo o mantra oficial de que os partidos não dão a devida atenção aos preparativos. Mas eu nunca vi você por lá, no TSE, para avaliar se tais preparativos são viáveis.Eu vou lá toda a eleição desde 2000. O técnico do PT também. Em 2008, o PR também enviou um técnico. E nós 3 dizemos o mesmo que disseram o pessoal da OAB em 2004 e tinham dito os 2 SBC em 2002: a tarefa de validar e certificar o software das urnas é impossível na prática. Então, quem está errado?São os Partidos, a OAB e o MP?Ou será que o sistema que o TSE bolou se tornou infiscalizável?E o TSE nunca perguntou aos agentes fiscais externos, se eles estariam capacitados para captar a verba necessária para fiscalizar as eleições eletrônicas dentro das regras que impôs.Você, Guy, não tem conhecimento do tamanho do problema prático da fiscalização de 400 mil urnas-e. Eu nunca vi você lá no TSE para ver como a coisa é na prática.Seria mais sensato se você ouvisse quem tenta e não consegue fiscalizar, do que ficar recitando a cartilha da autoridade eleitoral, generalizando a culpa para todos os partidos, sem que você mesmo nunca tenha tentado comprovar na prática se é viavel o que TSE propoẽm.

  94. Caro Guy Manoel,Acho adequado analisar, como vc propos, a "pouca atenção dos partidos ao ciclo de preparação até o lacre das urnas".Lembre que já se passaram 12 anos da adoção das urnas-e e até agora os partidos, o MP e a OAB não conseguiram se organizar para fiscalizar a preparação das urnas.Seria por descaso?Parece-lhe razoável achar que em tanto tempo nenhuma desses instituições tentou fiscalizar o processo?Ou será que alguns tentaram e não conseguiram?Em 2004, a OAB enviou dois presidentes de comissão de informática (de SP e de MG) para acompanhar o desenvolvimento dos sistemas até a lacração no TSE e depois pretendiam instruir advogados em todo o Brasil para verificar se as urmas (400 mil) eram carregadas corretamente.Não conseguiram nem fazer a primeira parte, quanto mais a segunda. Declararam que a tarefa é impossível de ser efetuada e que a OAB não conta com recursos para ela.Nunca mais a OAB apareceu para analisar uma linha de código dos programas.Também o MP nunca mandou técnicos para analisar os programas no TSE e nunca tentou verificar a integridade das urnas preparadas. Também alega absoluta falta de verbas.Dos 27 partidos, apenas 2 (PT e PDT) tentam todas as eleições avaliar o software do TSE e sempre declaram que não conseguiram por razões diversas.E isto é só a validação. A certificação (verificar se o software validado é o que chegou nas 400 mil urnas), os partidos nem sequer conseguem planejar, quanto mais executar.Em 2008, depois de tentar por 3 eleições, os partidos, a OAB e o MP desistiram de desenvolver um programa próprio de verificação de assinaturas digitais nas urnas, porque perceberam que na prática não funciona.Você, Guy, fica repetindo o mantra oficial de que os partidos não dão a devida atenção aos preparativos. Mas eu nunca vi você por lá, no TSE, para avaliar se tais preparativos são viáveis.Eu vou lá toda a eleição desde 2000. O técnico do PT também. Em 2008, o PR também enviou um técnico. E nós 3 dizemos o mesmo que disseram o pessoal da OAB em 2004 e tinham dito os 2 SBC em 2002: a tarefa de validar e certificar o software das urnas é impossível na prática. Então, quem está errado?São os Partidos, a OAB e o MP?Ou será que o sistema que o TSE bolou se tornou infiscalizável?E o TSE nunca perguntou aos agentes fiscais externos, se eles estariam capacitados para captar a verba necessária para fiscalizar as eleições eletrônicas dentro das regras que impôs.Você, Guy, não tem conhecimento do tamanho do problema prático da fiscalização de 400 mil urnas-e. Eu nunca vi você lá no TSE para ver como a coisa é na prática.Seria mais sensato se você ouvisse quem tenta e não consegue fiscalizar, do que ficar recitando a cartilha da autoridade eleitoral, generalizando a culpa para todos os partidos, sem que você mesmo nunca tenha tentado comprovar na prática se é viavel o que TSE propoẽm.

  95. O Engenheiro Amilcar Brunazo Filho fora brilhante nesta exposição, não deixando margem à dúvidas de quem tem realmente competência para falar sobre o assunto.Parabéns Dr Amilcar Brunazo Filho, é de BRASILEIROS como Vossa Excelência que o Brasil PRECISA E DEPENDE.POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  96. O Engenheiro Amilcar Brunazo Filho fora brilhante nesta exposição, não deixando margem à dúvidas de quem tem realmente competência para falar sobre o assunto.Parabéns Dr Amilcar Brunazo Filho, é de BRASILEIROS como Vossa Excelência que o Brasil PRECISA E DEPENDE.POR UMA URNA ELETRÔNICA REALMENTE SEGURA,Leamartine Pinheiro de Souza21 2558-9814 – lps@rionet.com.br Rua Conde de Baependi 78, Ap 1310Flamengo, Rio de Janeiro, RJ22231-140

  97. Sr GUY Manuel: Estou honrada e agradecida por merecer sua atenção, contudo não posso negar também a minha decepção ao ler seu comentário. Pareceu-me que o senhor nos classificou( a mim e ao meu vice) de dois ingênuos que simplesmente acreditavam que seriam votados mas diante do pífio resultado decidiram atribuí-lo a fraude.Não foi isso o que aconteceu senhor Guy, a fraude foi absurda mas real e a prova eu posso apresentar ao tribunal mais competente do planeta desafiando todas as leis das coincidências e probabilidades. O que aconteceu aqui em Ituiutaba foi uma vergonha, inacreditável, inaceitável.Se o TSE vai admitir que houve a fraude eu não posso avaliar mas dentro dos parâmetros que medem a inteligência e o raciocínio lógico, qualquer um que veja a tabela que eu montei com os dois resultados de 2004 e 2008 não duvidará de interferência criminosa no resultado. Não tenho a pretensão de atingir a celebridade com a descoberta que fiz mas ainda que os meus esforços redundem em nada nesse processo não descansarei até conseguir a atenção de alguém que se interesse em avaliar o conteúdo das minhas investigações. Aí todos os brasileiros não duvidarão da terrível realidade de uma dominação criminosa que visa tapar os ouvidos e a boca dos brasileiros,atropelando-lhes o passo na escolha de seus governantes. Se o povo não acordar já, será tarde demais. O processo já começou e o único caminho para promover um impedimento é a mudança de paradigma político. Com o uso das urnas eletrônicas fraudando as eleições triste será o destino do Brasil e dos brasileiros. Quem viver verá. Em tempo: Enviei-lhe por e mail a tabela com os dois resultados (2004 e 2008)O senhor não a recebeu? saudações, Luzia Regina

  98. Sr GUY Manuel: Estou honrada e agradecida por merecer sua atenção, contudo não posso negar também a minha decepção ao ler seu comentário. Pareceu-me que o senhor nos classificou( a mim e ao meu vice) de dois ingênuos que simplesmente acreditavam que seriam votados mas diante do pífio resultado decidiram atribuí-lo a fraude.Não foi isso o que aconteceu senhor Guy, a fraude foi absurda mas real e a prova eu posso apresentar ao tribunal mais competente do planeta desafiando todas as leis das coincidências e probabilidades. O que aconteceu aqui em Ituiutaba foi uma vergonha, inacreditável, inaceitável.Se o TSE vai admitir que houve a fraude eu não posso avaliar mas dentro dos parâmetros que medem a inteligência e o raciocínio lógico, qualquer um que veja a tabela que eu montei com os dois resultados de 2004 e 2008 não duvidará de interferência criminosa no resultado. Não tenho a pretensão de atingir a celebridade com a descoberta que fiz mas ainda que os meus esforços redundem em nada nesse processo não descansarei até conseguir a atenção de alguém que se interesse em avaliar o conteúdo das minhas investigações. Aí todos os brasileiros não duvidarão da terrível realidade de uma dominação criminosa que visa tapar os ouvidos e a boca dos brasileiros,atropelando-lhes o passo na escolha de seus governantes. Se o povo não acordar já, será tarde demais. O processo já começou e o único caminho para promover um impedimento é a mudança de paradigma político. Com o uso das urnas eletrônicas fraudando as eleições triste será o destino do Brasil e dos brasileiros. Quem viver verá. Em tempo: Enviei-lhe por e mail a tabela com os dois resultados (2004 e 2008)O senhor não a recebeu? saudações, Luzia Regina

  99. Prezada Luzia Regina,Eu efetivamente não recebi por e-mail as tabelas das votações. Apreciaria tê-las em mãos.De posse delas, talvez com acesso ao processo, possa ter melhores esclarecimentos.Aguardo,Atenciosamente,Guy Manuel

  100. Prezada Luzia Regina,Eu efetivamente não recebi por e-mail as tabelas das votações. Apreciaria tê-las em mãos.De posse delas, talvez com acesso ao processo, possa ter melhores esclarecimentos.Aguardo,Atenciosamente,Guy Manuel

  101. SR GUY: Tenho o maior interesse em que o senhor possa emitir sua opinião depois de analisar a tabela da qual lhe falei, sua contribuição será valiosíssima considerando a sua competência nessa área. Tenho absoluta convicção de que o senhor se assustará ao ver o que eles aprontaram nas eleições aqui. Para lhe enviar um material completo( inclusive resultados de outras eleições e de outros candidatos, seria necessário o seu endereço postal. O senhor poderia enviá-lo para que eu lhe remeta tudo pelo correio?Caso possa, fa-lo- ei com brevidade, assim o senhor terá acesso a tudo que de fato acontece nas urnas aqui e quem sabe decifrará o enigma não é?Meus cumprimentos,LUZIA REGINA.

  102. SR GUY: Tenho o maior interesse em que o senhor possa emitir sua opinião depois de analisar a tabela da qual lhe falei, sua contribuição será valiosíssima considerando a sua competência nessa área. Tenho absoluta convicção de que o senhor se assustará ao ver o que eles aprontaram nas eleições aqui. Para lhe enviar um material completo( inclusive resultados de outras eleições e de outros candidatos, seria necessário o seu endereço postal. O senhor poderia enviá-lo para que eu lhe remeta tudo pelo correio?Caso possa, fa-lo- ei com brevidade, assim o senhor terá acesso a tudo que de fato acontece nas urnas aqui e quem sabe decifrará o enigma não é?Meus cumprimentos,LUZIA REGINA.

  103. Com certeza posso enviar meu enderço postal. Favor informar pelo retorno desta mensagem seu endereço de e-mail para que possa enviar esses dados.Se possível, informe também seus dados de endereço postal e telefone, para eventual contato.Grato

  104. Com certeza posso enviar meu enderço postal. Favor informar pelo retorno desta mensagem seu endereço de e-mail para que possa enviar esses dados.Se possível, informe também seus dados de endereço postal e telefone, para eventual contato.Grato

  105. Conforme solicitou envio-lhe meu endereço. Luzia Regina de Oliveira Domingues Av. Dr. Saul de Carvalho, 721-Bairro Independência- cep-38304212 IUIUTABA- Minas Gerais Fone- (34) 3269 1508 9995 5084 E mail reginnaluzia@yahoo.com.br Agradecida pela atenção, Luzia Regina.

  106. Conforme solicitou envio-lhe meu endereço. Luzia Regina de Oliveira Domingues Av. Dr. Saul de Carvalho, 721-Bairro Independência- cep-38304212 IUIUTABA- Minas Gerais Fone- (34) 3269 1508 9995 5084 E mail reginnaluzia@yahoo.com.br Agradecida pela atenção, Luzia Regina.

  107. O mais importante no momento é que no Brasil estamos discutindo o VOTO IMPRESSO. Estamos querendo transparência no processo eleitoral e salvaguardar o direito constitucional do eleitor que tem o direito de saber se o seu voto está sendo contabilizado para o candidato de sua legítima escolha. Sem a constatação pelo próprio eleitor, toda dúvida permanece e apenas a visão da foto do candidato não é suficiente. Quanto a custos pode-se afirmar que o mais importante é a lisura dos pleitos, pois de nada adianta um processo rápido, barato, mas com os vícius de possíveis fraudes. O cidadão é quem paga tudo e merece ser respeitado em sua escolha.Diante dos apelos de vários cidadãos o Presidente Lula não vetou o artigo 5.º da reforma eleitoral, mas precisamos lutar para que a MATERIALIZAÇÃO DO VOTO já seja implementada já para 2010. Porque adiar? Não podemos conviver com esta dúvida de candidatos que talvez estejam sendo "empossados" ilegitimamente.RENES JOSÉ RIBEIROFiliado ao PV em Ituiutaba-MGFuncionário Aposentado do Banco do Brasil

  108. O mais importante no momento é que no Brasil estamos discutindo o VOTO IMPRESSO. Estamos querendo transparência no processo eleitoral e salvaguardar o direito constitucional do eleitor que tem o direito de saber se o seu voto está sendo contabilizado para o candidato de sua legítima escolha. Sem a constatação pelo próprio eleitor, toda dúvida permanece e apenas a visão da foto do candidato não é suficiente. Quanto a custos pode-se afirmar que o mais importante é a lisura dos pleitos, pois de nada adianta um processo rápido, barato, mas com os vícius de possíveis fraudes. O cidadão é quem paga tudo e merece ser respeitado em sua escolha.Diante dos apelos de vários cidadãos o Presidente Lula não vetou o artigo 5.º da reforma eleitoral, mas precisamos lutar para que a MATERIALIZAÇÃO DO VOTO já seja implementada já para 2010. Porque adiar? Não podemos conviver com esta dúvida de candidatos que talvez estejam sendo "empossados" ilegitimamente.RENES JOSÉ RIBEIROFiliado ao PV em Ituiutaba-MGFuncionário Aposentado do Banco do Brasil

  109. Voce concorda que EU( simples eleitor) tenho o direito de conhecer o sistema que decide o futuro do meu país? Pois te digo, para mim e muilhoes de brasileiros, votar sem ter comprovante físico do meu voto é como ditar meu voto para alguem do outro lado da cortina sem poder conferir sua real computação. Peço lhe ajuda, defenda os leigos em informática, mais importante que a rapidez do sistema é sua segurança. Sobre a teoria da conspiração , lembre se, o mensalão tem varios partidos envolvidos e praticamente mantem atravez de dinheiro público campanhas políticas desiguais para aqueles que estão no poder. Perguntei sobre o extrato bancário e vc respondeu que não pega, minha sugestão é que se precisar receber um cheque aceite oralmente EX estou te pagando xxxx por exemplo. Voce confia? Sobre a segurança das urnas é besteira discutir, tanto o grupo quanto voce devem ter motivos para defender…vamos a pratica quantos países usam? Qual outro país dos 50 que vieram defende com voce? As vezes voltar atraz é mais nobre que defender uma opinião errada só para manter a imagem…sou apenas um eleitor não entendo nada de TI, mas não acredito que os mais de 20000 servidores do TSE e os contratados são todos honestos.

  110. Voce concorda que EU( simples eleitor) tenho o direito de conhecer o sistema que decide o futuro do meu país? Pois te digo, para mim e muilhoes de brasileiros, votar sem ter comprovante físico do meu voto é como ditar meu voto para alguem do outro lado da cortina sem poder conferir sua real computação. Peço lhe ajuda, defenda os leigos em informática, mais importante que a rapidez do sistema é sua segurança. Sobre a teoria da conspiração , lembre se, o mensalão tem varios partidos envolvidos e praticamente mantem atravez de dinheiro público campanhas políticas desiguais para aqueles que estão no poder. Perguntei sobre o extrato bancário e vc respondeu que não pega, minha sugestão é que se precisar receber um cheque aceite oralmente EX estou te pagando xxxx por exemplo. Voce confia? Sobre a segurança das urnas é besteira discutir, tanto o grupo quanto voce devem ter motivos para defender…vamos a pratica quantos países usam? Qual outro país dos 50 que vieram defende com voce? As vezes voltar atraz é mais nobre que defender uma opinião errada só para manter a imagem…sou apenas um eleitor não entendo nada de TI, mas não acredito que os mais de 20000 servidores do TSE e os contratados são todos honestos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: