O Apagão da Internet em São Paulo

Subitamente nos damos conta, e de forma dolorosa, que vivemos efetivamente em um mundo conectado e que não ainda não estávamos nos dando conta disso.

O apagão da internet em São Paulo, nesses dias 2 e 3 de julho, criaram sérios problemas a indivíduos, corporações e administrações públicas. E aí, quando será o próximo?

Foi um estrago geral… Os postos do Poupa Tempo, um serviço do governo de São Paulo que vem tendo sucesso ímpar, por garantir centenas de serviços básicos ao cidadão em vários pontos do estado estavam às moscas, com os atendentes sem ter o que fazer e a população irada. Alguns desses postos chegam a atender 20.000 pessoas em um dia normal!

As empresas ficaram desconectadas. Nós, da SIGMA Dataserv Informática tivemos nossa fábrica de software em Ourinhos totalmente parada por falta de conexão. Bancos não prestaram os serviços normais, empresas de comércio eletrônico sairam do ar, as ditas empresas de “tijolo e cimento” tiveram problemas de compras, vendas, faturamento, gestão de pessoas, e por aí foi… Os serviços de governo foram sustados, com efeitos mais graves do que uma greve com piquete e tudo.

O quê houve? O “backbone” da Telefonica saiu do ar. De repente, a espinha dorsal da internet e de comunicação de dados no mais importante Estado da federação ficou mudo, vazio, inoperante. E, pior do que tudo, com evasivas dos dirigentes da empresa e sem qualquer ação imediata da Anatel, a agência reguladora.

O episódio serviu ao menos para mostrar que os planos de contingência, sejam eles da Telefonica, sejam dos usuários, precisam ser revistos, pois a tendência é de conectividade crescente, com maior dependência de uma infraestrutura confiável para o mundo online.

Mostrou ainda que não podemos fazer apostas sérias em estratégias de negócios à prova de apagões de internet simultâneos a greve dos Correios, este mais físico, mas com poderes quase monopolistas, cujos efeitos são sentidos muito mais pelos usuários -que pagam a conta- do que pelos administradores daquela empresa.

Apagões são assim mesmo, ocorrem de forma abrupta, inesperada, tal e qual um infarto do miocárdio fulminante, que chega sem avisar. Sem avisar? O apagão de energia de alguns anos atrás criou caos, mas os avisos estavam claros para os especialistas.

No caso de São Paulo, a falta de respostas convincentes da operadora e da Anatel mostram que os sintomas já existiam, mas não apareciam claramente a todo o corpo, no caso a sociedade.

O total dessa conta talvez jamais venha a ser conhecido. Mas, certamente, grandes empresas e organizações de defesa do consumidor moverão ações milionárias contra a Telefonica e os agentes reguladores. Debates intermináveis ocorrerão no Congresso e na Assembléia Legislativa.

Independentemente de quem vai pagar essa conta, é hora de cobrar das autoridades a busca de uma solução mais ampla que resguarde, ao menos no médio prazo, os interesses dos usuários e, em última análise, a competitividade da nação.

Anúncios

8 Respostas

  1. Problemas técnicos desse tamanho, normalmente, têm causas organizacionais. Um grande problema é que não existe lei que obrigue à Telefônica a informar para a sociedade quais as reais causas do problema e o que será feito para que isso não volte a ocorrer. Nem a Anatel, de posse dessas informações, divulgará. Continuamos nas mãos de interesses corporativos e de uma meia dúzia de burocratas…

  2. Problemas técnicos desse tamanho, normalmente, têm causas organizacionais. Um grande problema é que não existe lei que obrigue à Telefônica a informar para a sociedade quais as reais causas do problema e o que será feito para que isso não volte a ocorrer. Nem a Anatel, de posse dessas informações, divulgará. Continuamos nas mãos de interesses corporativos e de uma meia dúzia de burocratas…

  3. Paulo, você tem um ponto importante. Talvez organizacional, quem sabe, estrutural!Mas o fato é que, sem algum tipo de providência, vindo da sociedade e dos usuários, o próximo apagão será pior.Aqui não quero execrar a Telefonica, afinal ela joga de acordo com as regras do jogo. Trata-se de inverter o mando de campo, para usar um jargão futebolístico, e fazer com que nós, usuários, tenhamos mais voz ativa. Isso só acontece se houver aglutinação de interesses e uma genuina pressão para que os fatos ocorridos sejam esclarecidos e providências de correção sejam tomadas de imediato pela Telefonica e os ajustes necessários- de marcos regulatórios sejam feitos.

  4. Paulo, você tem um ponto importante. Talvez organizacional, quem sabe, estrutural!Mas o fato é que, sem algum tipo de providência, vindo da sociedade e dos usuários, o próximo apagão será pior.Aqui não quero execrar a Telefonica, afinal ela joga de acordo com as regras do jogo. Trata-se de inverter o mando de campo, para usar um jargão futebolístico, e fazer com que nós, usuários, tenhamos mais voz ativa. Isso só acontece se houver aglutinação de interesses e uma genuina pressão para que os fatos ocorridos sejam esclarecidos e providências de correção sejam tomadas de imediato pela Telefonica e os ajustes necessários- de marcos regulatórios sejam feitos.

  5. Pois é, temos novas tecnologias e velhos problemas! Parece que voltamos aos tempos da telefonia estatal, quando tudo era difícil, caro e inacessível.Complicado plantar uma estratégia empresarial em cima de um serviço quenão oferece garantias de performance, e aí tentar competir em um mercado globalizado.

  6. Pois é, temos novas tecnologias e velhos problemas! Parece que voltamos aos tempos da telefonia estatal, quando tudo era difícil, caro e inacessível.Complicado plantar uma estratégia empresarial em cima de um serviço quenão oferece garantias de performance, e aí tentar competir em um mercado globalizado.

  7. Como profissional da área, fico indignada ao ler que o presidennte da Teefonica reporta o incidente como “raro”… Para com isso! Não existem problemas ‘raros’ em TI e telecom, apenas problemas mal identificados e diagnosticados…Talvez a ira dos usuários paulistas possa fazer com que autoridades e operadoras procurem a prevenção de novos problemas.

  8. Como profissional da área, fico indignada ao ler que o presidennte da Teefonica reporta o incidente como “raro”… Para com isso! Não existem problemas ‘raros’ em TI e telecom, apenas problemas mal identificados e diagnosticados…Talvez a ira dos usuários paulistas possa fazer com que autoridades e operadoras procurem a prevenção de novos problemas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: